Seguidores

segunda-feira, 7 de setembro de 2020

Até à Senhora dos Verdes...

O fotógrafo é desconhecido e a foto não está datada, mas só pode ser da procissão do dia 15 de Agosto.
Pelo aspecto da estrada que era simplesmente de terra batida, só com a revolução do 25 de Abril de 1974 e graças ao Movimento das Forças Armadas na Campanha de Dinamização Cultural e Acção Cívica rumo às aldeias (1974-1975), se rasgou com meios militares e trabalhos dos soldados "a estrada da Senhora dos Verdes", a foto deve ser da altura do "Verão Quente" ou um pouco posterior.
Também pela roupa e aspecto dos que se conseguem identificar, sobretudo dos três jovens da Cruzada que transportam o andor do Menino Jesus (que ao tempo não tinha as vestes que ostenta hoje) a foto é anterior a 1977 porque nesse ano, embora alguns andores já fossem transportados em tractores, o andor do Menino Jesus foi transportado ainda pela Cruzada, mas pelas meninas, como publicado  AQUI

Gostaria aqui de abordar os objectivos desta iniciativa que "era levar os militares, o MFA, às populações e apoiá-las no desenvolvimento, na tomada de consciência dos problemas que elas tinham".
Durante séculos, a nossa terra, tal como outras aldeias do interior do país, esteve votada ao abandono e ostracismo, num atraso e miséria atroz.

11 comentários:

  1. O 25 de Abril foi uma lufada de ar fresco e liberdade para estas terras muitas vezes esquecidas.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade Francisco, quando fazemos uma viagem no tempo é que reparamos que vida por “estas paragens” não era fácil, a nossa gente viveu tempos difíceis, mas ao mesmo tempo prósperos.
      Para mim é sempre muito interessante a ginástica histórica que faço ao observar uma fotografia antiga e que me permite apresentar factos que marcaram a vida da minha aldeia ao longo das últimas décadas, como é o caso desta “memória”.
      25 de Abril Sempre!

      Eliminar
  2. Boa terça-feira, Paula...
    Vejo aqui mais um desabafo seu, ainda bem que tem havido uma tomada de consciência e melhoras estão acontecendo, não é mesmo?!
    Meu abraço...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto é passado, o mundo hoje é outro, Anete!
      Na altura a falta de acessos obrigava a longas deslocações a pé por acessos nem sempre fáceis, ainda assim todos se prontificavam a carregar o peso que a tradição tem, como a foto documenta por exemplo.
      Um abraço.

      Eliminar
  3. Tive a sorte de acompanhar os caterpilers militares e aquela malta de cabelo comprido e barbicha. Subiam, rasgavam e por vezes o descanso, era na sombra dos pinheiros e desde a Senhora dos Verdes até ao alto dos Valagotes, era uma penitência, sempre a subir, enxadas e pás na mão sem nada que os recorde, nem sequer uma rua ...
    Ai...
    "Se morte fosse interesseira, ai de nós o que seria, o rico comprava a morte, só o pobre é que morria".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A verdade é que a morte não é interesseira e acabamos todos da mesma maneira, ainda assim há quem nesta vida tente comprar um lugar no céu...ou um mausoléu no cemitério!!

      Eliminar
  4. Hoje temos um país diferente... e as recordações vão mantendo vivas a nossa memória!
    ...
    Aquele recanto portuense é no Castelo do Queijo... ao fundo da Avenida da Boavista... junto ao mar! Tenho um apartamento ali bem perto 🙏... Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por isso nunca é demais valorizarmos os principios que Abril trouxe: Acessibilidades para todos, sabemos como era antes. Saúde para todos, sabemos como era antes. Assitência social para todos, sabemos como era antes. Escola para todos, sabemos como era antes...
      Bj

      Eliminar
  5. Boa tarde Paula,
    Uma foto que fica como memória de como eram esses tempos!
    Ainda me comovo só de pensar em como eram os tempos antes do 25 de Abril!
    Como o nosso País evoluiu a todos os níveis!... E que orgulho.
    Um beijinho e uma boa semana.
    Ailime

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ailime,
      Para quem, como eu, não viveu esse "antes", mas sempre ouviu falar da censura, do fascismo, da emigração; da guerra colonial (Guerra do Ultramar); mulheres que ficaram sozinhas, soldados que morreram guerra...das crianças descalças que esperavam por uma côdea de pão à porta do forno, etc...é bom saber que Campanha de Dinamização Cultural e Acção Cívica do MFA também actuou em Forninhos. Mas agora, como dizia Bertolt Brecht: "Primeiro é preciso mudar o mundo. Depois mudar o mundo mudado".
      Bj e cont. de boa semana.

      Eliminar
  6. Boa noite

    Lembro -me de meu Pai ouvir a Rádio Argel aos Domingos à noite .
    O pânico da minha Mãe .
    O medo dos informadores .
    Dos bufos.
    Dos pide.
    Podiam ser vizinhos . Amigos .
    Até família .

    Depois veio Abril
    As vozes libertaram- se .
    As lutas .Os direitos .
    O Verão quente .
    Eleições .Livres .

    Veio a Democracia .
    Esta que agora está podre ...?!
    Mas Fascismo Nunca Mais !!!

    Abraço
    MG

    ResponderEliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.