Seguidores

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Santa Marinha - Padroeira de Forninhos

Santa Marinha que é Mártir
É a nossa Padroeira
Como bons Cristãos que somos
Temos-lhe fé verdadeira

Andor St.ª Marinha - 1981

Hoje, dia 18 de Julho, celebra-se em Forninhos mais uma festa, no dia que pertence, no calendário litúrgico, a Santa Marinha, uma virgem nascida em Braga - na ausência do pai - e martirizada durante o tempo do império romano. Embora Santa Marinha seja a nossa padroeira, sabe-se que desde os tempos do Império foi S. Pedro (Apóstolo e o de Verona) o padroeiro histórico da igreja matriz (ou capela) do antigo povoado da Serra de S. Pedro, dentro dos limites da freguesia de Forninhos.
Muitos de Vós devem pensar: Porquê então não foi S. Pedro o padroeiro de Forninhos? É uma pergunta legítima, mas a resposta creio nunca poderá ser dada, devido à inexistência de documentos escritos.
O que eu penso é que a Igreja de Forninhos deverá ter sido, inicialmente, uma capela que estaria dependente de Penaverde, mas com o avançar dos tempos, a capela de Forninhos terá passado a categoria de igreja e teve desde o início como padroeira Santa Marinha e fundou-se então a Irmandade sob a invocação da virgem. Em documento real lê-se com efeito que em 1797 os moradores do Lugar e Freguesia de Forninhos, anexa de Penaverde, reedificaram a sua Igreja - «tanto de paredes como de armação...e da mesma sorte a capela-mor com a sua Tribuna nova, asseada com toda a decência». Durante as obras de reedificação, os fregueses serviram-se da velha capela-mor, que ficava ao lado da igreja nova, na qual não cabia a quarta parte do povo da freguesia.
Bem hajam os fregueses!
Uma outra hipótese é ter havido durante largos anos dupla devoção e, talvez, Santa Marinha se tenha sobreposto a S. Pedro. 
Isto, claro, é suposição minha!
Relativamente à Irmandade, embora haja documento datado de 1 de Outubro de 1926 e uns Estatutos de 1927, não se poderá precisar a data certa da respectiva fundação, pois pode ter funcionado sem  Estatutos, sem existência legal.

Notas:
1- Tem a Freguesia de Forninhos uma anexa - os Valagotes - confiado a Santo António que lá tem capela e festa. 
2- Para que não se esqueçam, lembramos, que a festa dos Valagotes está agendada para o último fim de semana de Julho,  dias 27 e 28. Como já vem sendo tradição, a festa começa com o torneio de sueca (Sábado dia 27) e vai ter o seu ponto alto às 15h00 do dia 28 (Domingo) com a missa em honra de Santo António, seguida de procissão.

24 comentários:

  1. Festa e festa por aí! Linda homenagem a padroeira e santa!bjs. Praianos,chica

    ResponderEliminar
  2. Pois é, chica! Começa o Verão, começa a roda viva de eventos e festividades nas nossas aldeias.
    E fico feliz eu com a sua sempre presença comentada. Beijos**

    ResponderEliminar
  3. Forninhos tem das mais belas padroeiras do mundo.
    Parabéns pelo post e homenagem a esta Santa.

    ResponderEliminar
  4. A imagem de Santa Marinha, aqui representada e Nossa Senhora dos Verdes, para mim são das mais belas Santas que conheço, e claro por pertencerem ao nosso Forninhos.
    É verdade, começou o verão e com ele vem as Festas; uma já se foi a próxima será melhor.

    ResponderEliminar
  5. Neste tema em honra de Santa Marinha, coloca-se a hipótese, em opinião pessoal, de poder ter havido uma dupla devoção a S. Pedro e Santa Marinha. Sou mais apologista desta.
    Santa Marinha, teve fervorosa e intensa popularidade durante a Idade Média.
    Por isso mesmo pode-se afirmar, sem receio de contraditório, que são antiquíssimas as paróquias das quais é padroeira, porque a sua veneração não é moderna.
    E remontando Forninhos a muitos séculos atrás, tem cabimento esta hipótese.
    Seja como for é a nossa Padroeira.

    ResponderEliminar
  6. Festa de Santa Marinha.
    Mais uma homenagem hoje lhe foi prestada na crença e devoção dos forninhenses.
    Missa às 10 horas e procissão às 11 horas com a irmandade e o resto do povo.
    Disseram-me que ia lindo o andor, enfeitado com cravos brancos e levado pelas raparigas, dando a volta ao povoado.
    Ela merece e é um orgulho para a nossa terra tê-la como padroeira.
    Em Portugal, existem mais de 4.200 paróquias e apenas 52 a têm como Padroeira, dada a antiguidade da sua veneração.
    Que a festa continue bonita, mesmo "num dia de fazer".

    ResponderEliminar
  7. Paula, o verão é bem alegre por aí, não é mesmo? Muitas festividades e celebrações! Que coisa boa!!

    Sabe, o comentário que não ficou registrado, Paula, chegou por e-mail e não no spam, onde sempre olho também... Obrigada pela observação...

    E suas férias?! Um abraço

    ResponderEliminar
  8. Embora sem documentos nenhuns, estou convencida que Santa Marinha é a primitiva padroeira de Forninhos. Já esta imagem, que até tem o tamanho ideal para ser colocada no nicho do altar-mor da Igreja, penso que não é a original e digo isto somente porque não é uma imagem em pedra, como é a da Senhora dos Verdes e a de S. Pedro de Verona.
    A título de informação acrescento que a forma de representação iconográfica é um livro fechado na mão (símbolo da pureza), pelo que as flores de cor branca ficam muito bem no seu andor; e a palma na outra mão é o símbolo do martírio. A palma que aqui vêem, entretanto, partiu-se e desapareceu!
    Também informo que a imagem da nossa padroeira foi uma das que foi para restauro e à semelhança da S. dos Verdes veio com cores diferentes!!!
    Na minha ultima estadia em Forninhos, não tive tempo para a fotografar, mas conto fazê-lo nas férias (Agosto).
    Agradeço a fotografia ao amigo Henrique Lopes.

    ResponderEliminar
  9. Ora boa tarde para Forninhos!
    Gostei de ler toda essa informação sobre a Padroeira Santa Marinha.Grata pela partilha.
    Aprende-se sempre algo com estas leituras.
    Um abraço.
    M. Emília

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. É sempre um prazer saber que os leitores desfrutam de boa leitura :)
      Às vezes olho para trás e dá-me vontade de alterar alguns post´s, torná-los mais perfeitos, mas depois penso que é melhor não fazê-lo, pois a isso chama-se evolução;) e se hoje compreendo e conheço melhor a terra que me viu nascer foi porque desde que comecei a escrever esta página muita coisa já aprendi. Só em 2010 é que soube que dantes houve uma velha capela e que no século XVI já Santa Marinha era a padroeira. A isto é que se chama: viver e aprender!

      Eliminar
  10. Mais uma festa em Forninhos que não participo há muitos anos, espero que tenha sido uma bonita festa, e que continue a fazer esta festa por muitos anos.

    ResponderEliminar
  11. Es maravilloso que se sigan celebrando estas Fiestas Religiosas y Profanas...Muy buen Post.
    Abraços.

    ResponderEliminar

  12. Refrão


    A Vós hoje recorremos

    Ó Virgem Santa Marinha

    Sois a Nossa Padroeira

    Farol que nos ilumina


    Sua vida ainda em botão

    Ofereceu-a ao Senhor

    E Jesus bondosamente

    Ofereceu-lhe o seu amor

    Refrão


    A Vós hoje recorremos

    Ó Virgem Santa Marinha

    Sois a Nossa Padroeira

    Farol que nos ilumina


    A sorrir sofreu tormentos

    A cantar levou a Cruz

    Ainda neste mundo estava

    Já toda era de Jesus

    Refrão


    A Vós hoje recorremos

    Ó Virgem Santa Marinha

    Sois a Nossa Padroeira

    Farol que nos ilumina



    ASSIM SE CANTAVA E CANTA, COMO NO DIA DE HOJE, PENA A FALTA DA MELODIA, BONITA!

    ResponderEliminar
  13. Terra farta em festividades, mas ainda bem que assim é , sinónimo de que as tradições continuam, ao longo destes tempos, estou de acordo em certa medida, com a observação de que Santa Marinha seja a padroeira de Forninhos desde tempos remotos.

    ResponderEliminar
  14. É muito interessante observar os costumes do vosso povo nesse texto histórico-religioso. Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar
  15. Já tinha dito que a nossa padroeira "veste" agora cor diferente: castanho (parece).
    Será interessante ver o antes e o depois e entender o porquê destas transformações, o porquê da não manutenção da cor...de gerações!
    Um momento muito bom dum blog é o comentário, mais ainda quando acrescenta conhecimento. Se alguém quiser informar/explicar o porquê de pinturas diferentes, o blog dos forninhenses agradece.

    ResponderEliminar
  16. Gostaria de acrescentar conhecimento.
    Nao tenho, apenas vagas recordacoes de santos na casa do padre, com carradas de tinta sobreposta, tristes, sos e abandonados ao Deus Dara.
    Alguns com seculos.
    Porventura havera em Forninhos, pergaminhos sobre a originalidade das cores primitivas.
    Meu Deus, nem quero pensar que arte sacra seja restaurada ao gosto do fregues.
    Seria ignominia!

    ResponderEliminar
  17. Sou tambem dos que esta convencido, que o orago original de "Fornos" ou Forninhos tera sido e sempre Santa Marinha, sabemos que data seguramente e documentalmente pelo menos do seculo XVI, mas e de facto muito anterior!
    De facto e uma invocacao muito antiga da nossa peninsula Iberica, tanto a Santa Marinha, como a Santa Eufemia ou Santa Quiteria, que com as outras seis sao as lendarias 9 irmas virgens.
    S. Pedro tera sido, o patrono original da terra de Penaverde, antes da instituicao das suas quatro paroquias, que constituiram mais tarde o concelho.
    Vejamos que com a excepcao da invocacao da antiga vila, todas as tres paroquias tem santos de invocacao antiquissima; Sta. Marinha, Sta Agueda e S. Sebastiao!

    Um grande abraco de amizade.

    ResponderEliminar
  18. Actualmente o orago da freguesia de Penaverde é Nossa Senhora da Purificação. Ninguém sabe em que data substitui S. Pedro, o padroeiro histórico, mas já o teria sido em 1656 data em que se fundou a Irmandade debaixo da invocação da Virgem da Purificação.
    No Séc. XVI chama-se à igreja de Forninhos "igreja de Santa Marinha de Forninhos" e também digo que este título de certeza é muito anterior, pois no Séc. XI esta região já estaria em poder dos cristãos e começaria portanto a organização e ou reorganização das paróquias.
    A imagem de S. Pedro (de Verona), venerada na extinta capela de S. Pedro, nunca teve lugar na igreja de Forninhos, a não ser atrás da porta da Sacristia! E, é indesculpável que o pároco da altura ao invés de o colocar num altar, a tenha levado, de noite, para o Seminário de Fornos!
    S. Pedro, o primitivo patrono desta região, acabou por não ser o padroeiro de ninguém!

    Abraço.

    ResponderEliminar
  19. Infelizmente nao tenho tempo, menos, capaciade para contextualizar icones desta bela aldeia. Forninhos!
    O modo de escrira, se assim se chama, sai de memorias.
    Um diario lembrar e a Deus agradeco ter recordacoes.
    Como a de Santa Marinha, que indo a banhos, veio castanha, perdendo as cores de nossas recordacoes.
    Sem querer incomodar, pergunto quem tem a ousadia, falta de etica e poder para tal.
    Ou sera que querem transformer Forninhos, naquilo que nunca foi...
    BOM SENSO!

    ResponderEliminar
  20. Quando a nossa terra foi juridicamente constituída civil e religiosamente como freguesia, os seus naturais, talvez a gosto popular, entenderam escolher para sua padroeira - Santa Marinha - e o dia que oficialmente lhe foi designado é o dia 18 de Julho e neste dia e desde tempos imemoriais, é costume haver missa e procissão. Canta-se o "Salve Nobre Padroeira" e "A Vós hoje recorremos ó Virgem Santa Marinha".
    Mas a 17 de Julho, celebra-se o dia do Jubileu e há os ofícios na Igreja Matriz pelos irmãos falecidos. Ao fim da cerimónia, os fiéis dão a volta à Igreja. Estas cerimónias nunca se deixaram de realizar nos dias 17 e 18 de Julho de cada ano!
    A Irmandade de Santa Marinha, tem no texto dos seus estatutos, um ponto 6.º, do artigo 16.º que diz que no dia do Jubileu, cada irmão tem a obrigação de se confessar e comungar no dia do jubileu.
    Não pude averiguar se dantes os irmãos faziam romagem ao cemitério paroquial, mas como no passado o cemitério era junto à Igreja, possivelmente era costume a procissão ao cemitério.

    ResponderEliminar
  21. Este teu comentario com o seu conteudo, faz pensar. Seriamente!
    O elegerem Santa Marinha como Padroeira, devera ter sido a gosto popular, mas embuido na sua veneracao.
    Razoes havera e profundas, quais...
    A propria procissao, tem ou tinha uma religiosidadee e solenidade tal, que agora na distancia, fazemm meditar.
    O ceremonial desses dois dias, o Jubileu que antecede o dia da Padroeira, a obrigacao constante nos estatutos da nossa Irmandade de confessar e comungar, desconhecia.
    Quanto a romagem, tambem irei, penso como outros, saber como era.
    Abraco.

    ResponderEliminar
  22. Só hoje, vim reverencia Santa Marinha. Interessante, como a história, na escolha da padroeira, ou padreiro, se assemelham à histórias de muitas cidades no Brasil, especificamente ao Ceará, que conheço melhor, no que tange à religiosidade, também.
    A imagem de Santa Marinha é linda. Nunca tinha ouvido falar nela. Obrigada, pela excelente postagem
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  23. Olá Lúcia. Esta imagem é realmente linda.
    É difícil saber-se o porquê da escolha de Santa Marinha para padroeira de Forninhos, ou melhor, é difícil de determinar a idade aproximada da escolha. Já quanto à origem e cor da imagem a coisa muda de figura!
    Do meu ponto de vista, não acho que a imagem seja a original, como já referi antes.
    Abraço!

    ResponderEliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.