Seguidores

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

JÁ LÁ VEM O ANO NOVO


ESTA QUASE O ANO FEITO, MAS SOBRAM TANTAS FILHOSES, QUE GUARDAMOS COMO ENFEITO, DO TEMPO DOS NOSSOS AVÓS.
O PASSADO JÁ LA VAI, O PRESENTE P'RA VIVER, VEM JÁ LÁ O ANO NOVO, VAMOS COMER E BEBER.
VIVAMOS O 2011, COM ESPERANÇA E ALEGRIA, COM SAÚDE E HARMONIA , SÃO OS VOTOS QUE DESEJO, A TODA A NOSSA FREGUESIA.

FELIZ ANO NOVO PARA TODOS.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

OS COSCORÕES



Estes fritos de Natal fazem parte da tradição em vários locais:










****** FESTAS DOCES ******




RECEITA:

- 500 gr farinha
- 6 ovos
- 100 gr açúcar
- 100 gr manteiga
- 1 cálice de aguardente velha
- 1 cálice de Vinho do Porto
- 2 laranjas
- óleo, açúcar e canela q.b.

Peneira-se a farinha numa tigela grande, abre-se uma cova ao meio e coloca-se os ovos inteiros, o sumo das laranjas, o açúcar e raspa de laranja, o Vinho do Porto e a aguardente. Amassa-se tudo muito bem.
Derrete-se a manteiga em banho-maria e junta-se à massa, continuando a amassar até a massa ficar homogénea e moldável. Se fôr necessário adiciona-se mais um pouco de farinha.
Tapa-se com um pano limpo e deixe levedar em local morno, durante 2 horas. Findo esse tempo, com um rolo estende-se a massa até ficar com cerca de 1 a 2 milímetros e com uma carretilha corta-se em formato rectangular. Depois vai a fritar.
Deixar escorrer bem sobre papel absorvente e de seguida polvilhar com açúcar e canela.
Quanto mais fina ficar a massa, mais estaladiços os coscorões ficam.

Meninos, bom apetite.
J SEGURO
23/12/2011.

domingo, 26 de dezembro de 2010

Um cheirinho visual do natal forninhense

Em primeiro lugar, para os nossos bloguistas, conterrâneos e amigos, continuação de BOAS FESTAS ******FESTAS FELIZES ******


Começo por Vos mostrar alguns momentos doces desta época, feitos ainda de forma tradicional pela família Guerrilha, para que recordem os sabores e cheiros inconfundíveis destas iguarias e da felicidade associada à festa da família.






As filhós a sair com o seu tom dourado



As farófias, que por cá também são presença tradicional na mesa de Natal

Pelas 22 horas, acendeu-se o Cepo de Natal 2010, no Largo da Lameira, que aqueceu o ar e o ambiente. As pessoas, acabada a Ceia da Consoada, vieram até ao Cepo para cumprir a tradição, para conviver e falar desta noite especial e deste espaço fizeram uma boa "sala-de-estar".


No dia 25, pelas 10H15 na nossa igreja celebrou-se a Missa de Natal




e beijou-se o Menino

E assim se mantêm vivas tradições tão simples e tão nobres.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Tradições Gastronómicas de Natal

O Natal está cada vez mais próximo, já se sente o cheiro doce desta época. A porta do blog está aberta e a mesa posta, com algumas iguarias desta época, para os mais gulosos.
Podem servir-se: filhóses, fritas, bolo-rei, figos, avelãs, nozes, pinhões, pão-leve, arroz-doce e pão-leve, leite-creme:








... é o que desejo a todos os visitantes do Blog!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Tradições, Contos e Lendas de Natal

NA SAUDADE QUE A TODOS TOCA, MENOS NOVOS E MAIS VELHOS, TODOS TEMOS RECORDAÇÕES, QUE A MENORIA NAO ESQUECE, E A TODOS ENGRANDECE.
PERGUNTEM AOS PAIS OU AVÓS, O QUE ERA O PASSADO, O QUE MUDOU ENTRETANTO; PEÇAM-LHES HISTÓRIAS E PARTILHEM AQUI!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Decoração - Natal 2010

O Natal está à porta e, por isso, decidi enfeitar este nosso cantinho, para todos que por aqui passam. Esta é a forma escolhida para desejar a todos os bloguistas, amigos e conterrâneos em geral, um Feliz e Santo Natal:




Por fim, a imagem de que todos têm do Natal. As personagens/família mais os animais domésticos que ajudam a aquecer o ambiente.

Com votos de BOM NATAL

domingo, 12 de dezembro de 2010

Breve visita virtual à aldeia de hoje

A aldeia de Forninhos, localizada a Norte e Poente da Serra que a abriga do vento traiçoeiro que nunca é bem-vindo, o suão:




Ainda há muita casa bonita para restaurar, autênticos tesouros históricos destas aldeias da Beira Alta

Outras já foram restauradas preservando a traça antiga, que nos transmitem uma certa graça


Uma palavra de louvor para estes proprietários.


Também se vêem aqui e ali, algumas em reconstrução, embora aqui, não seja possível preservar o seu interior.

Mas ainda há os que fizeram essa aposta e restauraram a sua casa, com aproveitamento total dos madeiramentos interiores existentes, como podem ver na foto acima.

As ruas estreitas e empedradas, também emprestam uma graciosidade, que só sobressai nestas aldeias Beirãs.

E oxalá não venham mais fazedores de cimento armado.
ENCANTOS DUMA ALDEIA BEIRÃ, ONDE AINDA HÁ CASAS e RUAS RÚSTICAS

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Noivas e seus vestidos

Este post é dedicado às noivas, seus vestidos e acessórios. É uma forma de ver como era a moda e os costumes noutro tempo, além de, obviamente homenagear as bisavós, avós ou mães de hoje que foram noivas um dia e, ao mesmo tempo, olhar momentos de um tempo passado que não são hoje vistos assim.
.........................
Apresentamos:
Casal: Alfredo e Augusta (Joana), 14.SET.1961

Look anos 60

Vestido rodado (ou saia cintura alta rodada com uma blusa) e véu no cabelo. Antigamente o uso do véu simbolizava a pureza da noiva, hoje em dia não existe mais esta tradição, qualquer noiva pode optar por véu sem nenhuma restrição,
.........................

Os meus pais: Samuel e Ema, 04.ABR.1970

Look anos 70

mas não podemos negar que o véu possui um toque de romantismo e delicadeza.
.........................
Casal: Tónio e Lurdes, 15.DEZ.1984

os noivos e convidados arrasam com looks anos 80

Dispensar o véu e optar por um chapéu foi a escolha da Lurdes.
.........................

Esta fotografia foi tirada na Fonte da Lameira. Muitos jovens que nos visitam se calhar não se lembram da Fonte da Lameira assim.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Modos de Dizer: “Um frio de Rachar”

Expressões como “está um frio de rachar” ou “está um frio que corta” são usuais nos dias de muito frio e é quando mais apetece sermos aquecidos pelo fogo de uma bela fogueira:


Com este Post volto às expressões orais, modos de dizer, que não sendo exclusivamente forninhenses, fazem parte da nossa linguagem. Aqui ficam mais algumas frases sábias que o nosso povo usa para se referir aos dias de chuva e de muito vento:

- A propósito dos dias de chuva, há ditos populares que ainda se ouvem, como: “chove a cântaros”; “chove que Deus a dá”; “borriço”;” chuva de molha-tolos” ou "chuva molha-todos"...

- Quando havia muito vento ouvia-se, noutros tempos: "morreu um escrivão para os lados de Trancoso”; "anda o diabo à solta"...

Comentem estas expressões e sugiram mais.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Frutos de Outono: Míscaros

E porque mais do que nunca é importante a transmissão e divulgação do nosso património colectivo, a preservação e transmissão dos gostos, paladares, tradições de saberes dos nossos antepassados, hoje vamos falar de MÍSCAROS, um cogumelo que se apanha no Outono, durante os meses de Outubro, Novembro e princípios de Dezembro:



Agora é só raspá-los com a ajuda de uma faca, para retirar a terra que está junto ao pé e chapéu, lavá-los muito bem e depois deixá-los escorrer.

Para além da imagem aqui fica também uma receita tradicional local de MÍSCAROS COM TRIGO:

Principais ingredientes deste prato sazonal:
- Cebola,
- Míscaros q.b.(cogumelos amarelos q.b.)
- Azeite q.b.
- Sal q.b.
- 1 Folha de louro
- Pão de trigo q.b.
- Água q.b.

Preparação:
Num tacho, faça um refogado com cebola picada, folha de louro e azeite. Quando o refogado estiver alourado, junte os míscaros (previamente bem lavados), deixando refogar até cozer. Junte uma pitada de sal, mexa muito bem e acrescente um pouco de água se necessário. Após os míscaros estarem bem apurados, junte o pão a gosto. Quando o pão estiver bem embebido juntamente com o guisado dos míscaros, está pronto a servir.

BOM APETITE!

domingo, 21 de novembro de 2010

A Azeitona já está preta...e os Tordos já andam nela

A azeitona já está a ficar madura

e a horta só espera a geada e o azeite novo

O alguidar colectivo, que serviu para toda a família comer já se não usa,

mas a panela de ferro e a almotolia do azeite, ainda estão presentes.

O azeite não era usado somente como alimento, mas também para iluminar. As candeias, lamparinas, candeeiros, para iluminar os lares de muitos povos, eram abastecidos com azeite.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

A oliveira, a azeitona e o azeite

«Verde foi meu nascimento
E de luto me vesti
Para dar luz ao mundo
Mil tormentos padeci»
Aqui está ela verde com a promessa de contribuir para um bom azeite dourado

Porque continuamos a defender que para compreender o presente é preciso primeiro conhecer o passado, transcrevo um trecho dum livro que li, que podia muito bem ser o testemunho de um qualquer forninhense:

«(...) Depois tínhamos direito às batatas, mas com pouco azeite. Às vezes punha-se a panela das batatas em cima da mesa. No meio da mesma encontrava-se um prato onde o azeite flutuava no cimo da água. Tínhamos o direito de pegar nas rodelas das batatas e de as molhar no azeite mas só de um lado, para poupar o azeite.»

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Destilação do Bagaço em Alambique Tradicional

Este ano mostramos aqui a faina das vindimas em todo o seu esplendor e para dar continuidade a este tema, depois das uvas apanhadas e pisadas, depois do período de fermentação, depois do vinho retirado dos lagares para os pipos, hoje, para as vasilhas de inox, fica o canganho que vai servir para fazer a aguardente bagaceira. Esta tarefa está cada vez mais em declínio e cada vez se faz menos, mas ainda vai fazendo parte do quotidiano da nossa aldeia.


Vamos então espreitar o alambique da família Guerrilha, que sempre foi muito requisitado porque, de facto, eram poucas as pessoas que tinham o seu próprio alambique, e que é um dos poucos que ainda se mantém em funcionamento:






Que belo momento este em que as tarefas são vividas com sentido comunitário



Os participantes estão de parabéns e o blog dos forninhenses agradece à família Lopes pela recolha das fotos que agora ilustram esta postagem.