Seguidores

domingo, 20 de janeiro de 2019

Forninhos na Revista de História da Sociedade e da Cultura

Depois de "Forninhos na História da Diocese", João Nunes volta com este trabalho sobre Forninhos. "As fontes utilizadas são de tipologia variada: registos paroquiais; inventários; relatórios; censos... certas fontes do Arquivo Histórico Militar permitiram ainda sinalizar a existência de vias de comunicação relevantes, que atravessavam o planalto beirão, no séc. XIX, sendo que uma das principais passava precisamente por Forninhos"


Já conheciámos o itenerário que ligava Viseu a Trancoso: Viseu -Povilde-Roriz-Esmolfe-Sezures-Forninhos-Penaverde-Casaes do Monte-Venda do Cego-Trancoso (este era o itenerário que fazia o Correio entre Viseu e Trancoso); através deste artigo ficamos agora a conhecer uma importante via de comunicação interior/litoral que ligava Almeida a Coimbra, cujo percurso era o seguinte: 
"Almeida, Pinhel, Trancoso, Forninhos, Viseu, Sabugosa, Criz, Galhano, Coimbra (Eliot 1811:298)".
A Travessia do Dão junto a Forninhos, como já o escrevi, acabava por ser feita através da ponte de madeira mencionada na correspondência de António Joaquim de Morais, oficial da Secretaria de Estados dos Negócios Estrangeiros e de Guerra, datada de 14 de Dezembro de 1805.

A freguesia
É composta por duas povoações: Forninhos e Valagotes

Forninhos "Até ao Séc. XVI, a localidade chamava-se Fornos; em 1258, possuía esta designação, sendo que no ano de 1527 ainda se mantinha este topónimo. Na segunda metade do Séc. XVI, passa, contudo, a ser utilizado o diminuitivo para a designar. Em 1590, já aparece referenciada enquanto tal; num registo de batismo da vizinha paróquia das Antas, lê-se que os padrinhos eram oriundos de Forninhos (ADV, Paróquia das Antas, Mistos, Cx I, n.º l, fl. 3)".

Importante
Tínhamos recuado até ao processo dum membro do Clero, que era natural de Fornos de Algodres, mas morador em Santa Marinha de Forninhos, o qual foi acusado (concubinato) em 16 de Abril de 1617, portanto já nessa altura esta povoação era Forninhos. Mas agora temos um registo de batismo de 1590.

Valagotes "No século XVI ou alvores do séculos XVII, surgiu a povoação dos Valagotes; em inícios do século XVII, o local já era habitado sendo designado "quinta dos Valagotos". "Num baptizado ocorrido em 1634 foram madrinhas "Maria Vaz e Catarina Luiz mulher de Francisco Fernandes moradoras na Quinta dos Valagotes desta freguesia". 
"A designação "quinta" indicia  que se constituiu a partir de uma unidade de exploração agrícola".

Continua...
No próximo post serão abordados os grupos sociais de Forninhos a partir de diversos registos.

sábado, 12 de janeiro de 2019

Do cagadouro à retrete


O

Situavam-se por toda a aldeia, coexistiam com os homens e periodicamente matavam a torto e a direito. Na época contemporânea, a freguesia de Forninhos foi afectada por várias epidemias, por detrás das epidemias estava o estado deplorável de salubridade.
Mas, primeiro há que explicar o que eram os cagadouros. Eram autênticas estrumeiras públicas, onde as pessoas vazavam os penicos e onde principalmente "arreavam a calça", tudo normal para a época, até a ignorância do perigo que era ter uma estrumeira/lixeira a céu aberto, com a consequente difusão de bactérias, principalmente na época de chuvas. Em 1911, num relatório dirigido à Direcção das obras públicas do Distrito da Guarda, refere-se:
"São causas de insulabridade as estrumeiras nas lojas, pateos e nas ruas. A água do único chafariz que a povoação tem, em ocasião de chuvas fortes é de fácil inquinação por as enxurradas se misturarem com ella. A água provem de duas minas e a entrada para uma d´ellas em declive até serve de latrina da vizinhança como tive ocasião de ver!! De modo que, quando chove fortemente, a enxurrada lá arrasta para dentro da mina toda a inundice e porcarias depositadas à entrada da mesma. De tanta inundice, pois, e da inquinação das águas deverão provir por certo as graves doenças que de tempos a tempos afligem a população". (artigo de João Nunes, sobre Forninhos, Revista de História da Sociedade e da Cultura, n.º 18/2018). 
Eu, confesso que não fazia ideia de que na minha terra em 1911 houvesse apenas um chafariz! Quando era pequena havia vários.
Tinha-se de passar com cuidado, de noite é que era mais complicado, então no tempo chuvoso era mesmo uma lástima; mesmo de dia podia-se levar com uma penicada em cima.  Era assim em toda a parte. Ficou célebre o rei francês que levou com os dejetos que a mulher atirara para a rua. A fim de evitar que tal voltasse a acontecer, não proibiu aquele mau hábito, apenas impôs a obrigação de gritar "Água vai!" antes de lançar as porcarias pela janela, a fim de as pessoas terem tempo de se desviarem.



Depois nos anos 70 começaram a aparecer as retretes de madeira, construídas nos pátios das casas e quintais, com um buraco para os despejos. As coisas foram melhorando, mas muito lentamente, até chegarmos ao final dessa década. Forninhos teve então rede de água e embora a rede de esgotos chegasse mais tarde, algumas pessoas começaram a ter quarto-de-banho e notou-se uma gradual diminuição da utilização dos cagadouros, pelo menos já não faziam fila indiana...

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Capela elevada a Imóvel de Interesse Público

A Capela de Nossa Senhora dos Verdes, de Forninhos, concelho de Aguiar da Beira, distrito da Guarda, mas Diocese de Viseu, incluindo a sua decoração interior, nomeadamente as obras de talha e as pinturas, foi classificada como Imóvel de Interesse Público, por decreto do governo n.º 8/83 publicado no Diário da República em 24 de Janeiro (ver decreto).
Porque em Forninhos quando fazem qualquer coisa sofrida fazem questão de vincar que a lua desceu à terra, quero mostrar neste inicio de 2019 que esta classificação se calhar (tudo indica que sim) só foi possível devido ao requerimento de uma ou mais pessoas, graças à Comissão de Obras da freguesia de Forninhos de 1980, constituída pelo Sr. Constantino, Sr. Almeida, Sr. José  Rodrigues e o Pároco da aldeia: Manuel Barranha.


capa do processo com n.º66


(X) À atenção do Instituto Português do Património Cultural, em que se anexou o requerimento da Comissão de Obras de Forninhos, de 15.4.80, dirigido ao Exmo. Senhor Dr. Vasco Pulido Valente, Secretário do Estado da Cultura, e  foi exposto o seguinte:


1) Do reduzido património cultural e artístico herdado dos nossos antepassados tem a nossa freguesia um santuário dedicado a "Nossa Senhora dos Verdes" construído em estilo arquitectónico "Barroco simples", "D. João V".

2) O estado de degradação, em que há anos se encontra, pede urgentes obras de restauro e conservação.

3) O santuário em questão é um centro importante de encontro e de manifestações culturais, humanitárias e religiosas das populações desta região beirã.

4) A freguesia de Forninhos está a mobilizar-se no sentido do restauro deste nosso santuário o que só por si se sente impossibilitada de realizar.


5) As obras de restauro para se respeitar o estilo original de construção prevemos que envolverão centenas de contos.

6) Por tudo o que fica exposto vinhamos na pessoa do Exmo. Secretário de Estado da Cultura e respectiva Secretaria de Estado solicitar ao Governo da Nação que nos ajude a salvar o pouco que temos da herança artística dos nossos antepassados.
Não pedimos que venham fazer-nos sem mais a obra; mas que nos ajudem subsidiando o nosso esforço.
Prevemos que as obras ultrapassarão em muito o meio milhar de contos.

7) Parece-nos uma altura excelente para a nossa gente ficar a saber que temos um Gorverno, hoje, que tem mais alguma coisa que palavras diante das reais necessidades do seu povo.

8) Querendo desde já acreditar no Governo da Nação e nos seus servidores mais responssáveis, cumprimentando sua Ex.ª o Senhor Secretário do Estado da Cultura, respeitosamente assinam pela Comissão de Obras:
Constantino de Almeida
António de Almeida
José Rodrigues Ferreira
Pe. Manuel Antunes dos Santos Barranha

Levado este requerimento a bom porto, foi obtida verba e, assim, a nossa Capela entre 1982/1985 beneficiou de limpeza e conservação da talha dourada e pintura e ainda foi elevada a Imóvel de Interesse Público; em 1988 foi colocada placa de betão no alpendre, substituídas as coberturas e picados os rebocos exteriores (ver fotos após restauro)

-Secretaria de Estado e da Cultura, Gabinete 1, cx. 168, n.º 5
PT/TT/SEC-GAB 1/001/0168/000005
"Imagens cedidas pelo ANTT" - o seu uso carece da devida autorização da DGLAB.

Através de mais esta memória, recordamos também os verdadeiros "grandes" homens, de valor!

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

FELIZ 2019



São os votos sinceros do Blog dos Forninhenses para os seus colaboradores e leitores em geral.
Bem-hajam todos pelo vosso carinho ao longo de mais um ano.
Beijinhos e abraços.
Xico e Paula.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Natal 2018

Ontem foi dia de Natal. Para a maioria das pessoas o dia terá sido feliz, mas outras houveram com razões para estarem tristes, perderam alguém de família ou descobriram que sofrem de uma doença grave, motivos que só cada um sabe e mais magoam, ainda por cima nesta altura... nem sempre o dia e Natal é um momento de partilha de alegrias.


O céu este ano ganhou mais uma estrela

Com esta imagem, quero 
desejar-vos Boas Festas!!! Próspero 2019!!! e quero ao mesmo tempo prestar a minha homenagem ao meu querido tio Zé (natural da aldeia da Matela), aquele homem de sorrisos puros e alegres e que no passado sábado, 21 de Dezembro, partiu para a vida eterna, levando a sua alegria, para Lá partilhar.
Já sabem o motivo porque não vim antes desejar-vos Votos de Boas Festas do ano de 2018, nem fui aos vossos blogs. 
Espero que tenham tido umas prendinhas e o mais importante que tenham conseguido estar com os que mais amam.

domingo, 9 de dezembro de 2018

Não se deve apanhar musgo?

"Não há legislação própria e apesar de ser uma espécie protegida, o musgo é colhido às centenas de quilos na época natalícia" (é uma maneira de algumas pessoas fazerem algum dinheiro com a sua venda, tem sido vendida cada caixa com 3 "placas" de bom musgo entre € 6,00 a € 7,50). 
Conclusão: O musgo não deve ser apanhado. O ciclo agradece, o solo, os insectos e outros organismos. Há vários países que têm campanhas nesta altura para protegê-los.


Aqui fica uma informação importante acerca da apanha desenfreada do musgo, que está a pôr em perigo grande percentagem das cerca de 715 espécies que existem em Portugal e consequentemente o futuro da nossa terra, como diz o "lema".
Mas eu fico um pouco intrigada com isto, porque na minha meninice, quando se pensava em Natal, pensava-se logo no musgo. É verdade que na Galileia não devia haver muito musgo, devia ser mais areia, mas o nosso presépio sempre foi muito verde. 
O Espírito de Natal começava nos lugares mais simples, nas matas, quando iamos apanhar o musgo para o presépio da escola. Embora haja muito e em muitos lugares, havia sempre quem sabia onde havia o musgo mais fofo e verde para o presépio. 
Agora, não se deve apanhar mais o musgo?
Mas há tanto musgo em Forninhos!
Dizem os entendidos que a colheita de uns pequenos pedaços de musgo é mínimo, mas as enormes "rapadelas" para comercializar têm fortes consequências.
"O musgo pode ser substituído por pequenas searas de cevada, trigo ou centeio. As sementes demoram, uma, duas semanas a germinar e depois duram muito tempo, podendo ser transpantadas..."
Bem me lembro das searinhas de trigo, uma tradição que resultava muito bem como decoração do presépio da nossa Igreja.