Seguidores

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

A Pardamaia, a Ceramica, os Romanos e os Fornos!

Os meus amigos naturais e residentes em Forninhos, vão decerto desculpar-me (ou não) em meter "ceitoira" em seara alheia. Mas depois de um artigo focando este tema e depois de ler atentamente todos os comentários, ocorreu-me uma ideia; quem sabe de louco, mas terá provavelmente o mesmo valor que outros, de pessoas que não são especialistas na matéria!
Devo desde já esclarecer, que não sou arqueólogo, nem tenho formação cientifica nesta área, sou unicamente uma pessoa que adora a historia e tudo quanto a ela diga respeito.
E como quando comecei nas minhas lides bloguisticas, já há quase 9 anos, tive a felicidade de conhecer virtualmente, alguns amigos da vossa linda freguesia, alguns dos quais felizmente, deixaram de ser virtuais o ano passado. E devido ao facto, de nos unirem algumas tradicoes, o "voto" da Senhora dos Verdes, e a proximidade geográfica, atrevo-me a fazer algumas sugestões acerca do tema que e o titulo desta entrada!
Ora tenho lido, que na Pardamaia foram encontrados muitos restos de cerâmica; que uns supõem datar da época da romanização, quanto outros sugerem poder ser da época medieval, ou ate da moderna. Li também que no livro escrito a relativamente pouco tempo, sugere aqui ter existido uma "villae" romana.
Sem meter para aqui o machado que provavelmente será mais antigo, gostaria de propor aos meus amigos uma outra versão, porque com historia ou sem ela, gosto de acreditar em coisas que façam sentido.
E indiscutivel (ou não) que Forninhos na nossa época baixo medieval (que e quando começa a aparecer, documentação escrita sobre esta região) se chamava "Lugar de, ou dos Fornos". Acredito piamente, (e isto tambem se aplica para Fornos, da minha naturalidade) que esses fornos para serem identificadores de uma povoação ou lugar, nunca poderiam ser de pão, coisa que era, e e cozida, em todas as povoacoes e quintas. Portanto para ser identificador teriam que ser ou de cal, ou o mais provável, e que fossem de cerâmica!
Já li algures, que há ou houve, um local onde se observou argilas ou vestígios delas, ora na nossa Beira granítica, só poderia haver fornos cerâmicos onde houvesse argila.
Agora que a nossa região e por conseguinte Forninhos também foi romanizada, não haverá muitas duvidas, e, embora não muito abundantes, apareceram vestígios desse tempo, que podem estar relocalizados, como a edicula encontrada no actual território da freguesia de Penaverde, ou a base de coluna da capela de Valagotes, mas que são prova de que a romanização também aqui chegou, isto para não falar-mos do penedo com inscricoes, que se encontra na serra!
Ora a hipótese que eu gostaria de colocar a vossa discussão e a seguinte:

Será que todos nos, não temos um pouco de razão? Que terá existido aqui na "Pardamaia" ou noutro lugar uma, ou mais "villae" agrícolas romanas, que numa dessas vilas, se explorou argila, que ai existiram fornos cerâmicos, e que devido a isso a actual freguesia de Forninhos era na época baixo-medieval, "Fornos" ou lugar dos Fornos?

Também pode ser, que a origem dos "Fornos" seja já alto-medieval mas a razão seja a mesma.
Quero acreditar que se se fizesse, uma escavacao profunda, ao redor do lugar da arrasada capela (quero pensar mais que foi igreja) de S. Pedro, quem sabe se não descobria, que essa capela teria origem nos primeiros tempos do cristianismo, portanto ainda na época romana?

8 comentários:

  1. Tudo que tenho visto aqui, com o intuito de acrescentar, é válido e fica registrado para a história de Forninhos.Uma linda história, bem mostrada sempre por aqui! abraço.chica

    ResponderEliminar
  2. Amigo Cardoso, para mim é um prazer ler coisas destas!
    Para já, só quero registar 2 (duas) coisas:

    1.ª Durante toda a minha vida nunca ouvi falar da "villae" romana no lugar da Pardamaia, mas acredito que existiram essas quintas agrícolas da época romana. Próximo, há um lugar que chamam "Casal" ou "O Casal". Sempre achei o nome interessante e, para mim, faz mais sentido ter havido ali uma quinta agrícola, "ou, pelo menos um casal com alguma dimensão.", do que noutro lugar. Cacos de cerâmica não existem só na Pardamaia!

    2.ª Sobre o nome das nossas terras, ou seja, Fornos, havia por aqui argila e de certeza que houve por aqui gente ligada aos fornos ou "fábrica".

    ResponderEliminar
  3. Voltemos então à Pardamaia e seus mistérios, tais que como dizia Camões, já é "um contentamento descontente".
    Afinal quais os pergaminhos deste local, para tal relevância: cacos, pura e simplesmente.,. não que eventualmente não indiciem vestígios da época da ocupação romana, mas daí a ir ao ponto de o eleger como "villa", há que ser prudente. Convenhamos.
    Será que ali houve fornos de cerâmica? tem lógica que sim, afinal o sítio da Pardamaia era e é abundante em argila. Recordo-me de há cinquenta anos atrás, ali ir pela mão do meu avô Francisco ver os homens que trazia ao dia, "saibrar" para ele fazer mais uma vinha nova e eles de agulha e enxada em punho, desnudavam aquela terra alaranjada, mistura de areia granítica e argila. que com as alterações se transformava.
    Qual o porquê de pretensamente se querer eleger a Pardamaia, como o "TAL" sítio, se pelos nossos campos férteis abundam tantos destes vestígios, que constantemente apareciam á frente de uma relha de arado ou no aplainar do campo por uma grade?
    Talvez por estar à mão de semear dos mestres arqueólogos para quem as telhas despedaçadas já eram o "EUREKA"?
    Que mais vestígios nos trouxeram, além disto que pode muito bem ser derivado a restos de cardenhas ou miseráveis palheiros que remodelados deixavam ficar os restos, agora romanizados?
    Até podem e quero crer, que sejam romanos, mas para se chegar ao ponto de ser um lugar "algo" importante, aonde param as pedras aparelhadas e restos de mosaicos que a Roma antiga tanto preservava?
    A lógica apontaria para o sítio do Casal, esse sim advindo de local habitado, até pelas férteis propriedades agrícolas, mas não, tem de tudo estar à mão de semear.
    Já agora, deixo uma questão aos senhores arqueólogos: será que foram investigar o sítio do Picoto? sim porque é referido no seu termo como poste ou coluna de pedra colocado como marco divisório no cimo de um monte, e como existe em Forninhos, quem sabe não traria um bocadinho de história a acrescentar à "Coisa", com a qual me vou entretendo a fazer um ou outro puzzle.
    Só por isso valeu o "donativo" dos dez eurinhos...

    ResponderEliminar
  4. Nada mais lógico que tivessem aí existido fornos de cerâmica, já que a argila é tão abundante. Que esses fornos venham já desde a ocupação romana, é uma conclusão um pouco apressada...Não pode ser uma questão de suposição, em de haver prova.
    Gosto da boa discussão que conseguem travar aqui, e de como uma terra tão pequena acaba por suscitar interesse; em quem lá nasceu, e não só.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas decerto vê que o blog tem poucos comentadores de Forninhos e arredores. Veja que, neste post, já não houve interesse para discutir se houve em Forninhos uma ou mais "villae" agrícolas romanas, se numa dessas villas se explorou argila, se aí existiram fornos cerâmicos, etc. e tal...
      Mas também é muito difícil exigir a uma terra onde reina o interesse partidário sobre o interesse público, que se tenha um debate sério e preciso, porque se isso fosse norma de certeza que não se escreviam tantas asneiras.

      Eliminar
  5. De facto, o sítio da Pardamaia tem algumas extensões de terreno argiloso branco que servem para a cultura da vinha, mas já me disseram que também havia o barro amarelo (argila) que, os nossos antepassados usaram antes da cal e cimento, para calafetarem o interior das casas.
    A romanização obrigou os lusitanos a descerem dos castros e foi assim, de certeza que pelos campos de Forninhos surgiram as propriedades agrícolas (vilas romanas). Mas que provas há na Pardamaia que permitam afirmar que foi há 2000 anos uma villa romana?
    Cacos?
    Pois é...o fácil é concluir, que numa terra fértil, haveria uma quinta agrícola romana. O difícil é fazer todo um trabalho de investigação no campo...
    Deviam, porque lhes competia,era ir ver paredes de casas agrícolas e muros então construídos, as pedras aparelhadas, colunas e outras ruínas também.
    No último "Dia da Freguesia" alguém falou que ali quando lavravam a terra, apanhavam cerâmica por S. Pedro fora e que até tigelas de cerâmica apanharam.
    Se hoje um tractor lavrar a terra, com certeza, que continua a aparecer cacos de cerâmica e ninguém afirma estarmos em presença de uma villa romana.

    ResponderEliminar
  6. Cardoso, Paula e Xico...
    Perguntas bem intencionadas que desvendam segredos históricos! Vale a pena investigá-los e conhecer mais a querida Forninhos...
    Relato bastante oportuno!

    Um abraço... Um Final de Semana Abençoado...

    ResponderEliminar
  7. Cardoso, Paula e Xico costuma-se dizer que da "discussão nasce a luz" e assim com mais este excelente artigo se vai investigando a História de Forninhos. Abraços. Ailime

    ResponderEliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.