Seguidores

quinta-feira, 19 de junho de 2014

A Profissão de Fé ou a Comunhão Solene


Esta fotografia ficou aqui perdida no computador. É de uma festa ou celebração da catequese, chamada de Profissão de Fé ou a Comunhão Solene e que ocorre sensivelmente por volta dos 10 ou 11 anos das crianças, pré-adolescentes. 
Pretende ser uma confirmação própria, livre e individual de cada cristão face aos compromissos antes assumidos pelos pais e pelos padrinhos aquando do Sacramento do Baptismo. 
Por regra, em Portugal, realiza-se no dia do Corpo de Deus, mas eu fiz a minha Profissão de Fé, no dia 18 de Julho, Dia da Padroeira de Forninhos, Santa Marinha, com o Sr. Pe. Barranha e entre outras coisas recordo-me do refrão de um cântico:

Compromissos tomei no Baptismo
Mas foram outros por mim a falar
Hoje quero aqui livremente
Os meus Votos aqui renovar.

Ultimamente acho que, por haver poucas crianças, realizava-se apenas de 2 em 2 anos e significa a festa do sexto ano de catequese, mas durante muitas décadas, todos os anos, este era um dia especial para as crianças, catequistas, famílias e toda a comunidade forninhense...todos a seu modo participavam na festa.


*****
Nota: A foto de um dia inesquecível, de certeza...este, foi cortesia da Darcília Gonçalves.

28 comentários:

  1. Linda foto e adorei a quadrinha para a festa! Realmente, no batismo outros falam por nós! beijos,chica

    ResponderEliminar
  2. Curiosamente nao tinha qualquer lembranca da Profissao de Fe.
    Agora vendo esta foto, as memorias acordam, tal como um album de familia.
    Revejo com carinho as "nossas" catequistas, as meninas e meninos, quase todos da mesma idade, e tambem me vejo a mim proprio, na malandrice habitual de puto reguila que sai do enquadramento dos meninos e vem, vaidoso, para a primeira fila, espreitar por entre as "mulheres".
    E ta como o cantigo...

    "... Hoje quero aqui livremente
    os meus Votos aqui renovar..."

    Da continuidade de pagina a pagina se ir construindo e registando coisas reais de geracoes diferentes, como as que carinhosamente e com sentimento, a Paula nos vem legando.
    Parabens, na certeza que muitos ficarao contentes e comovidos, tal como eu, de aqui se reverem.

    ResponderEliminar
  3. Realmente esta data importante e querida, da nossa primeira comunhão ficará gravada para sempre. Achei muito linda a imagem e o refrão da música.
    Beijos,
    Mariangela

    ResponderEliminar
  4. Festa bonita, Paula! Foto muito significativa!
    Gostei dos versos do cântico, alegre e gracioso!!
    Beijos... Vi o seu comentário por lá... Boto fé, será joia d++++...

    ResponderEliminar
  5. Fiz a minha em Luanda e andava na 4-ª classe.

    Foi um dia especial, embora continue a achar mais importante a primeira comunhão.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também acho mais importante o 1.º dia em que pela 1.ª vez recebemos o Senhor!

      Beijinhos.

      Eliminar
  6. Agradeço a visita!
    A foto fala por si!
    Eu fiz a "comunhão solene" em Silva Porto com um hábito de freira!
    Deu-me a ideia de digitalizar as minhas recordações e partilhar convosco!
    Tudo de bom!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faça isso Graça.
      Foram celebrações tão especiais que é sempre bom recordar.
      Eu vesti um vestido branco quando fiz a minha e lembro-me levar a vela do meu baptizado (que muitos sequer tinham e tiveram de comprar). Mas nesta foto vejo crianças com velas e com ramos de flores.
      Deduzo que terminada a cerimónia ofertavam as flores a Nossa Senhora (?).
      Eu não tenho lembrança de levar um ramo de flores.
      Tudo de bom pa si tb.

      Eliminar
    2. Se bem me lembro, Paula, na epoca desta foto, a instrucao religiosa era muito severa e seguida "religiosamente".
      Dai as velas do baptismo tal como as roupas usadas, serem cuidadosamente guardadas em alguma arca para a altura da Profissao de Fe, mesmo que na maioria dos casos, tal a abundancia de filhos, fossem passando de uns para os outros, o que nao era o caso da velas, com aquelas fitinhas presas. Cada qual tinha a sua.
      Quem tivesse um raminho, por norma levava a vela por entre as flores e assim nao sendo, a vela ia na mao.
      Infelizmente naquele tempo, havia quem na cerimonia da Profissao nao tivesse nem ramos, nem velas.
      Mas estavam ali pelo principal, tementes a Deus, mostrando a Fe!

      Eliminar
  7. Oi querida,a fotografia é fantástica!! A quadra que escreveste a negrito está perfeita!! Conheço essa musica "eu gosto é do verão" mas na minha opinião não se adapta para o tema da dani mas segundo me pareceu tu deves adorar essa musica e tambem deves gostar imenso de musica portuguesa!! Beijinhos e excelente fim-de-semana!! mundomusicaldacarolina.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  8. Curiosamente estas catequistas acompanhavam as criancas na sua preparacao para a primeira comunhao ate a Profissao de Fe.
    Destas, ainda em menos de um ano, revi meia duzia e descendo as escadas da foto, la estao a Emilia e a Luzia abracadas, Mariana, Dores e Ana Brasileira que ainda hoje continua a dar catequese.
    Era entregues a estas senhoras que os nossos pais partiam tranquilos para a faina da lavoura.
    Um beijo e bem haja a elas todas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto as catequistas são as mesmas daquela foto da primeira comunhão que já publicamos aqui, embora de anos diferentes. Daí também eu deduzir que estas catequistas acompanhavam as crianças desde a primeira comunhão até à profissão de fé e quiçá crisma.
      Mas se desejares saberes os nomes de todas (a Dores não faz parte do grupo de catequistas) vai a

      http://onovoblogdosforninhenses.blogspot.pt/2013/09/do-bau-as-catequistas-e-as-criancas-da.html.

      Eliminar
  9. Que gracinha de foto! Uma tradição muito bonita! bjs,

    ResponderEliminar
  10. Dia esse muito importante, quando ainda éramos todos inocentes e confessávamos ao padre os pecados... como, por exemplo, não ter feito os deveres antes de brincar, ou ter comido na cozinha a fatia de bolo antes do jantar!...
    Como eu era de estatura muito pequenina... fiz a 1ª. comunhão (solene) com 10 anos, de vestido branco comprido... como uma noiva!
    Bonita foto, apesar de muitas crianças estarem com ar triste. Acho que, nessa cerimónia, sorrir seria pecado!...
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teresinha, era até pecado comer antes da comunhão, ou seja, tinha-se de comungar em jejum. E, em Forninhos, até se diz que no dia da 1.ª comunhão ou da profissão de fé não se podia beber água (muito menos comer, portanto) e no crisma também não. Se as catequistas soubessem que a criança "x" bebeu água, esta só já fazia a comunhão ou profissão de fé no ano seguinte. Mas pior era o crisma, pois o Bispo de Viseu não vinha a Forninhos todos os anos. No ano em que me crismei dizia-se que já ali não vinha há 20 anos!
      Veja bem: quem não recebesse a bênção por ter bebido água, por exemplo, tinha de esperar anos e anos e se calhar alguns, hoje adultos, ainda estão por crismar.
      Já ouvi algumas histórias sobre...
      Beijos**

      Eliminar
    2. Ah!
      Quanto à falta de sorrisos nas fotos de antigamente, acho que era mesmo assim, não era permitido sorrir em demasia nas fotos...e as "vestes" algumas eram mesmo parecidas com as das noivas e noivos!

      Eliminar
  11. O que eu recordo melhor foi que não fiz a profissão de fé com os da minha idade, mas juntamente com o grupo dos mais velhos, porque o Sr. Pe. Barranha assim entendeu. Estava, disse, muito bem preparada, sabia bem a doutrina.
    Claro que alguns pré-adolescentes não me queriam no seu grupo (já na altura era persona non grata) lol.
    Isto foi algo que me marcou, assim como os ensaios preparativos da cerimónia que incluíam cânticos também.

    ResponderEliminar
  12. Deus te abençoe nesse dia de Corpus Christi, todos somos irmãos em Cristo Jesus. Uma bonita imagem da sua infância. Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar
  13. Muito interessante! Desejo a vc um lindo final de semana. bjsss

    ResponderEliminar
  14. Eu participei , só não era livre eu tinha que fazer e ponto final ,
    meu pai mandava e tinha que fazer, fiz comunhão e crisma,
    o que pra mim não adiantou , pois não aprendi nada , agora que tenho lido bastante a bíblia, e entendo.
    Bom fim de semana,.
    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nessas idades, pode aprender-se, mas entender nem por isso...é verdade!
      Mas era um ritual que os pais achavam importante realizar e, se calhar, para os pais nos dias de hoje continua a ser.
      Eu a última vez que assisti à cerimónia, em Forninhos, foi no dia 18 de Julho de 2010, mas o que vi foi somente um acto de exibicionismo, mais virado para a imagem e menos para a vertente religiosa e espiritual.
      Mas acredito que ainda há paróquias portuguesas que lutam contra as “feiras de vaidades”.
      Bom fim-de-semana.

      Eliminar
  15. Que foto tão gira!
    Eu fiz e foi um grande dia.
    Beijo

    ResponderEliminar
  16. Pelo que recordo, a Profissao de Fe, tinha mais um ar de festa e estavamos mais a vontade, mais nao fora estarmos mais cresciditos, mas a Comunhao Solene...
    Na preparacao para tal e nos dias que a antecediam, adormeciamos a pensar no inferno, no diabo com rabo e de forquilha na mao, rindo ao lado daquele mar de fogo que nos esperava por mau comportamento.
    E a Confissao...a Penitencia "carregadinha" de Pai Nosso e Ave Maria, enquanto os nossos amigos esperavam para a brincadeira no adro e ficavam intrigados pela demora. Devia ter ido cheio de pecados para ficar tanto tempo a "pagar" por eles.
    Nao se podia tocar com a hostia sagrada nos dentes, tinha de ser em jejum, etc.
    Na vespera da Comunhao, houve a confissao que em nada acalmou o nervosismo. Sei que passei por casa da minha avo e na malandrice do costume, surripiei um ovo da cesta e com um furo de cada lado, foi chupado num instante. Soube bem e nem me lembrei da solenidade do dia seguinte e se tal nao bastasse, ainda foi agarrada a mim uma caixa de fosforos para a "tribo" acender a fogueira das nossas brincadeiras. Houve um qualquer que alertou que estavamos a pecar e decidimos voltar a igreja para nos confessarmos novamente, agora destes pecados que vieram depois de absolvidos os outros, mas chegados ao Largo da Lameira, por ali ficamos, nao fossemos ficar mais tempo de castigo em Penitencia.
    No dia seguinte, eramos os filhos mais belos do mundo, puros como uns anjinhos!
    Ate diziam, "olhem para eles, nao fazem mal a ninguem, que ricos filhos...".

    ResponderEliminar
  17. Xico, intitulei este post "Profissão de Fé ou Comunhão Solene" por achar que a Profissão de Fé é celebrada também com o nome de Comunhão Solene. Não sei se estou certa, mas quando falas dos preparativos para tal...dia...deduzo que te referes à Primeira Comunhão ou Primeira Comunhão Solene, que também é conhecida por "Primeira Eucaristia".
    Era tal qual o que dizes...aquele nervoso antes da confissão e depois a preocupação de não pecar para poder comungar...a seguir o cuidado da hóstia sagrada não tocar nos dentes, mas sim deixá-la dissolver-se na boca. Na minha meninice leva-se isto tão a sério que era um banquete quando íamos a casa do Sr. Padre e a criada nos oferecia as sobras das hóstias e podíamos trincá-las. Estas sobras, claro, não eram de hóstias consagradas nas missas e sim sobras das que "fabricavam" numa máquina.
    Cheguei a ver a irmã do Sr. Pe. Barranha fazer hóstias.
    Hoje provavelmente as hóstias são encomendadas a uma fábrica, em quantidade pré-calculada para os gastos diários das missas, mas dantes era diferente; a máquina de fazer hóstias é que deve-se ter evaporado como tantas outras coisas de antigamente.

    ResponderEliminar
  18. Eu fiz todo o catecismo e as comunhões. Eram parte integrante do processo de alfabetização nacional.
    Foram momentos emocianantes..
    Adorei ler este texto.
    Bom Domingo. Beijo. D


    http://acontarvindodoceu.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada.
      Quem vivia em regiões rurais, fazia todo o catecismo e os dias das comunhões eram semelhantes pelo nosso país. Por exemplo, na profissão de fé o ritual fundamental da celebração era/é o Credo, mas a partir desse momento e dessa idade acho que cabia a cada um desenvolver o seu credo e tristes são os que ainda hoje andam ao sabor daquilo que os outros dizem ou fazem...e a tudo dizem "Amén".
      Beijo e bom domingo tb.

      Eliminar
  19. Boa tarde Paula, que momento lindo! Recordar o que antigamente se chamava de Comunhão Solene, traz-me gratas recordações! Era um momento muito marcante e adorei a quadra que recorda!
    No meu caso lembro-me de uma das perguntas que nem sabia o que significava: "renuncias a satanás?! A cerimónia tinha uma carga emotiva muito grande e só a presença do Sr Bispo era um acontecimento!
    Muito obrigada por partilhar! A foto uma preciosidade!
    Beijinhos e excelente domingo.
    Ailime

    ResponderEliminar
  20. Pois, nessa celebração todos juntos, mas em nome individual, cada comprometia-se a renunciar ao mal (simbolizado por Satanás) e depois proferia a sua crença na fé em Deus e na sua Igreja.
    Mas nessa idade alguém sabia a que renunciava ou acreditava?
    Fazia parte dos ensaios responder: Sim, renuncio" "Sim, creio".
    Mas acho que o ritual funciona até hoje, Ailime!
    Beijos e 1 excelente domingo tb.

    ResponderEliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.