Seguidores

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Hortas

Nas hortas e quintais de Forninhos já temos:

batatas crescidas,
favas,
alhos,
ervilhas e alfaces,
morangueiros,
as macieiras em flor
e videiras a brotar.
Somente para elucidação de alguns leitores que porventura desconheçam: Forninhos é terra fértil. Produz milho, feijão, batata, vinho, azeite etc... nos terrenos vulgarmente designados por 'Olivais', 'Gândara', 'Cabreira', 'Picão', 'Santa Maria', 'Estracada', 'Cerca', 'Androas', etc etc. onde o agricultor ainda hoje levanta muros, pesquisa águas, planta videiras e árvores...procurando assim valorizar as propriedades.

26 comentários:

  1. Quanta coisa boa produz Forninhos e adorei as fotos. Beijos e dia 8 maio, teu lindo céu estará lá , bem cedinho! Adorei, obrigadão,chica

    ResponderEliminar
  2. Una gran Tierra Fértil llena de riquezas que con el trabajo del hombre se hace más productiva.
    Abraços e beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certo, Pedro.
      Com trabalho e suor o homem está sempre na esperança e fé, do que semeia e planta vai colher...ganha amor à terra e tenta despertar nos filhos o mesmo amor, mas por consequência do êxodo rural da camada mais jovem para os meios urbanos e estrangeiro muitos, muitos, terrenos vão ficando incultos e muitos filhos nem conhecem as demarcações - os marcos.

      Abraço e Boa Semana.

      Eliminar
  3. Que bom saber mais de Forninhos! Salvei a imagem "das macieiras em flor", OK?! HUMMM... A amiga Chica falou que no dia 08/maio seu céu estará lá, então creio que será esta imagem, né, o que é bom a gente soma/multiplica e divide, não é mesmo?...

    A blogosfera é joia quando há essa camaradagem cultural e construtiva, concorda??

    Um BEIJÃO... Gostei do seu comentário no Vida & Plenitude ainda há pouco!

    ResponderEliminar
  4. Obrigada por querer levar a imagem da macieira florida. Por acaso enviei-a à chica porque a tirei a pensar no "céus e palavras", mas a Anete está à vontade (já sabe). O que hoje costumo dizer é que os blogues dão-me a possibilidade de dar a conhecer a minha terra e de conhecer a cultura e pessoas de lugares diferentes.
    Sublinho ainda a linda expressão: "...o que é bom a gente soma/multiplica e divide...".

    Bjo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, querida, breve usarei a sua imagem com todo carinho...

      Muita paz e boa noite...

      Eliminar
  5. Paula,

    Pensei na Chica, assim que vi a imagem do céu. Rs.
    Que lindas as plantações de batatas, favas, morangos e a linda maceira em flor.
    Como é lindo poder acompanhar isso, em estações diferentes do ano.
    Você sabe que sou apaixonada por hortas, e amei conhecer e saber sobre a terra fértil de Forninhos.
    Um lindo dia! Abraços.

    ResponderEliminar
  6. Paula,

    Esqueci de mencionar a brotação das videiras. Muito lindo também. Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu esqueci de mencionar que em Forninhos ainda há um certo prazer por parte das pessoas em cultivar os seus terrenos, daí se ver terras muito bem amanhadas (tal como as imagens mostram).

      Bjos

      Eliminar
  7. Sem palavras...
    Primeiro deixa agradecer tão belas imagens que quase não precisam de palavras.
    Neste momento não estou em Lisboa, estou em Forninhos a devorar cada pedacinho destas fotos.
    As batatas que em quinze dias estão fora da terra.
    As videiras a quem a geada queimou a rama e voltam na segunda camada.
    Aqui está o esplendor da natureza e a alegria na força do trabalho.
    Na nossa terra ainda se trata do cultivo como se um filho fosse.
    Com um céu deslumbrante que chega a comover.
    Muito, muito bom!
    Obrigada.

    ResponderEliminar
  8. As hortas são um pouco o espelho de alma dos agricultores.
    Há muita vaidade em ter a horta "um brinquinho", bem amanhada, regadinha e viçosa para os primeiros "mimos", desde a fava, ervilha, a couve, a alface, a cebola, até à salsa.
    É tão mimada que por vezes os canteiros têm flores!

    ResponderEliminar
  9. A horta tem a sua dimensão, talhada para o sustento da casa, mas ainda para quem pode, se valoriza e muito, o quintal.
    É o que está à porta de casa, prontinho para as primeiras necessidades, uma alface para a salada, uma oliveira ou limoeiro para a sombra das galinhas, até uma "praia" para o gato.
    Por vezes nos cantos, alecrim e flores.
    E lá se vai ao quintal buscar umas coisitas para a janta.
    Mesmo à mão de semear...

    ResponderEliminar
  10. É mesmo isso Xico. As hortas e quintais e até as courelas são terrenos de cultivo de pequena e média dimensão próximos das casas de habitação. Aos terrenos de grande dimensão ou já mais afastados da aldeia acho que não é hábito chamar-lhes hortas e quintais. Jugo que dizem "vou até às Androas" ou "Vou ali aos Olivais". Mas os terrenos, todos, fazem Forninhos também.
    Quanto às imagens:
    Mostrar o que se produz nesta terra é só mais um gesto de amor ao meu torrão natal e homenagem ao trabalho dos nossos agricultores.

    ResponderEliminar
  11. Viver nas nossas aldeias tambem tem as suas vantagens, ir ao quintal apanhar hortaliça, passar pela arvore e apanhar um fruto é um previlegio, mas semear, ver nascer e crescer uma planta, ver uma arvore brutar os seu rebentos, florir e crescsr os seu frutos, é um prazer que, só nós os que vivemos na natureza desfrutamos.
    podem ter inveja, pois eu sou preveligiado.

    ResponderEliminar
  12. Pois é. Não há fruto que saiba tão bem, como o que colhe directamente da árvore, e então para quem tem o privilégio de ter um quintal junto da sua casa, melhor ainda!
    É como os morangos. Digam lá se não sabe bem apanhar uma mão cheia, lavá-los e comê-los de imediato?

    ResponderEliminar
  13. Xico e Paula,

    Gostei tanto dessas imagens que voltei para vê-las.
    É muito gostoso plantar, cuidar, colher e comer, aquilo que semeamos com as próprias mãos.
    Um lindo dia pra vocês. Abraços.

    ResponderEliminar
  14. Depois do dilúvio da Páscoa, estive em Forninhos cerca de 10 dias a limpar o terreno e a adubar as minhas árvores, além de ter plantado cebolas, alfaces, couves, tomateiros e, semeado algumas coisas. Hoje já não se vêm os campos cheios de centeio, trigo, cevada ou linho. Das árvores que mais recordo da minha infância, são as cerejeiras, as figueiras, as macieiras e os castanheiros.
    A cerejeira tem um lugar especial na minha memória, pois além de ser muito bonita, era das primeiras a dar fruto, quando as aulas estavam a terminar e as férias a chegar. O castanheiro era o último a dar fruto; fazíamos muitos magustos acompanhados com requeijões e pão-leve.
    Hoje sou um bocado louco por árvores e admirador da natureza.
    Em meados de Junho voltarei a Forninhos para matar saudades e rever amigos.
    Um abraço,

    ResponderEliminar
  15. Olá, vim até aqui através do céu de Paula publicada na Chica do Brasil e do comentário da Lucinha que tanto prezo. E gostei imenso, porque me fez recordar as minhas raízes onde até aos treze anos em que pude desfrutar de tudo o que a nossa terra nos pode oferecer. Muitas saudades desses tempos. Foi muito conhecer o vosso Blogue. Bjs Aiime

    ResponderEliminar
  16. Horta que se preze, tem de ter o espantalho.
    Sementeira feita, lá vem a passarada, acutilante e gulosa na procura das sementes.
    Com paciência e sem medos, disfarçados com um casaco roto por cima da palha, os espantas. Barrigudos, atrofiados, sem rosto.
    Cada horta tinha o seu, à semelhança do dono ou para gozar com o vizinho.
    Acho que nunca meteram medo aos pardais, melros e rolas, nem às perdizes porque a natureza é um pedaço de todos.
    Mas este CÉU é o mais lindo do mundo!

    ResponderEliminar
  17. Ainda bem que a chuva se foi, para que se podesse então inicar as sementeiras e o plantio, dá muito trabalho e cansaço esta tarefa, mas não deixa de ser feita com amor e dedicação, por isso, como estas belas fotos mostram a terra nos presenteia com as suas colheitas, como é bom ver a fruta,as couves, alfaces, favas e demais verduras todas alinhadas nos seus canteiros, cheias de vivacidade frescas e limpas, que até dá vontade de as comer logo ali, por mim quem não escapa logo são os tomates, pepinos e até as cebolas quando pequenas e com um pouco de sal são para mim um belo manjar.
    Abençoada terra que nos oferece todos estes frutos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá João, fizeste-me recuar no tempo em que na leira se escolhia o tomate mais recente, não completamente madura e se rachava em quatro e lá vão umas pedritas de sal.
      Já se levava no bolso para o efeito.
      Com a cebola a mesma coisa, mas cebola escolhida a dedo, tenra e suculenta.
      Penso haver quem as temperasse com um pouco de vinho quando não havia vinagre à mão de semear.
      Com um pedaço de broa ou pão centeio, estava a merenda adiantada...

      Um abraço.

      Eliminar
  18. Olá Xico!
    Além das cebolas também era costume rachar um pepino ou tomate, deitar-lhe umas pedras de sal grosso retirado das salgadeiras e toca a comer. No campo também era habitual comer "Sopa de cavalo cansado, que consistia em deitar num alguidar, pão, vinho, açúcar e água fresca do poço, mexia-se e toca a comer; era um belo manjar.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  19. É verdade amigo João, essa sopa era um manjar, ainda me lembro, mas como erámos miúdos estavamos como que proibidos por causa do vinho e de facto levava aquela água gelada tirada a picanço.
    E na sementeira do centeio, para dar alento ao lavrador, eram as gemadas de ovos com vinho e açucar.
    Até o arado voava!

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  20. Já os de compra, mesmo com os temperos, não ficam tão saborosos, nem se pode dizer que sejam um manjar!

    Abraço e Bom Domingo.

    ResponderEliminar
  21. A terra já acordada
    Ansiosa por poder
    Abraçar-se à enxada
    Para voltar a nascer

    Fica mais bela sua face
    Com cara quase de menino
    Vem a mim querida alface
    Não fiques parado pepino

    A terra anseia o rebento
    Da horta para quem ouve
    Vem a mim crescer pimento
    Vem também ó bela couve

    Seu regaço fica cheio
    De tanta coisa plantada
    Vai dizendo de permeio
    Venham ter à vossa amada

    Venha do poço a água
    Prontinha para a regar
    E lavar-lhe qualquer mágoa
    E a horta regalar

    Do céu a água que cai
    É por Deus abençoada
    Está feliz não solta um ai
    A alegria mata a mágoa

    Volta a ter tudo a crescer
    Está feliz e contente
    Os filhos estão a crescer
    Tão bem e tão de repente

    E á familia agradece
    Por dela assim bem tratar
    Á mesa ninguém padece
    Podem comer e fartar


    ResponderEliminar
  22. Que interessante essa horta, Xico!
    Gostaria de conhecer a vila de Forninhos...

    Abração!

    ResponderEliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.