Seguidores

sábado, 14 de março de 2015

Restaurar ou modificar?

Vários autores defendem que a capela foi erigida em louvor a Nossa Senhora dos Verdes - padroeira dos renovos agrícolas - com o objectivo de agradecer o milagre acontecido na Era de 1720, quando uma praga de gafanhotos se abateu sobre os campos da região, desaparecendo, somente, graças à intervenção de Nossa Senhora. Acho que estão enganados, pois tudo aponta para uma construção anterior, século XVII, pois sabe-se que está gravada na parede da nave, lado direito, a Era de 1696 (com o reboco das paredes e pintura de cor branco, em 2009, foi tapada), sendo assim é hoje quase certo que a ermida já existia aquando do voto, ou seja, antes de 1720. Segundo a lenda a capela foi construída devido ao aparecimento de uma imagem de Nossa Senhora numa fonte ou nascente situada junto ao local.

Antes, caiada
Depois, com a pedra à vista
Hoje, rebocada  e pintada
Capela N.S. Verdes: Era 1696
Mas ao longo dos anos, várias obras foram mudando o exterior da capela, quem prestar atenção descobre as diferenças entre as três imagens.

50 comentários:

  1. Gosto quando prédios ou igrejas são restaurados, mantendo o original! abraços, lindo fds! chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu, chica! O valor do original é verdadeiramente superior àquele que, no caso, é alegado pelos (ir)responsáveis pela obra desta capela!
      Bom fs/Bjs.

      Eliminar
  2. A Capela de Nossa Senhora dos Verdes, foi classificada como Imovel de Interesse Publico, por decreto governamental publicado no Diário da República em 24 de Janeiro de 1983.
    Em Forninhos, nos ultimos anos as coisas andam a bel prazer de quem "manda" e por tal no alheamento de regras, tais como o estabelecido para o efeito. Vejamos...
    Diário da República, 1.ª série — N.º 113 — 15 de Junho de 2009
    Artigo 1.º
    1 — O presente decreto -lei estabelece o regime jurídico
    dos estudos, projectos, relatórios, obras ou intervenções
    sobre bens culturais classificados, ou em vias de classificação,
    de interesse nacional, de interesse público ou de
    interesse municipal.
    Artigo 2.º
    1 — Os estudos, projectos, relatórios, obras ou intervenções
    sobre bens culturais obedecem aos seguintes
    princípios:
    a) Prevenção, garantindo como regra o carácter prévio e
    sistemático da apreciação, acompanhamento e ponderação
    das obras ou intervenções e actos susceptíveis de afectar
    a integridade de bens culturais de forma a impedir a sua
    fragmentação, desfiguração, degradação, perda física ou
    de autenticidade;
    d) Fiscalização, promovendo o controlo das obras ou
    intervenções em bens culturais de acordo com os estudos
    e projectos aprovados;

    Tal escrevo pela simples razao de me custar a creditar que este templo, de relevo nacional, tenha seguido o normativo institucional aquando as "obras" que sofreu.
    Nao acredito que um organismo estatal tivesse o desplante de ordenar que fosse proscrita a Era de 1696 das suas paredes, porventura a ultima renovacao do seu bilhete de identidade, pois e porventura vem a sua idade de muitos anos atras!
    Nao percebo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando se fazem obras num imóvel de interesse público como é o Santuário da Nossa Senhora dos Verdes, são seguidas mediante um projecto elaborado por entidade competente para o efeito. Que existiu esse projecto, existiu; diziam até que a obra (de 2009) seguiu o parecer de pessoal qualificado do IGESPAR; agora desconheço o que esses "técnicos" aprovaram, nem sei se foram ao terreno ou se simplesmente fizerem o parecer no conforto dos seus gabinetes! Na minha opinião - que vale o que vale - achei estranho aprovarem a colocação de paralelos ao redor da capela, até porque o terreiro é também um monumento histórico e como tal deveria ser tratado, e aprovarem o reboco da Era de 1696 também foi estranho!
      Se tal esteve incluído no projecto então é muito mau e é sinal que há "técnicos" a aprovar coisas sem cabimento; se foi uma alteração ao projecto também é muito mau, porque não é uma pessoa ou uma entidade (autárquica ou religiosa) que tinha legitimidade para fazer modificações/alterações a esse projecto!
      É que ninguém NUNCA nos explicou tal.
      Agora, gostei das obras que foram feitas no telhado e alpendre!

      Eliminar
  3. Faz-me confusão, custa-me a compreender, como nos dias de hoje (6 anos atrás), se cometeu tamanho erro e irregularidade. Irregularidade porquê, porque é norma, em Forninhos, serem os mordomos da festa que administram os bens relativos, quer á Capela, quer aos Santos a ela ligados. Sabedor que o monumento foi considerado, ANTERIORMENTE, obra de interesse público, não podendo sofrer alterações, sem consentimento do Ministério da Cultura.
    Lamento que a estas modificações esteja ligado, uma pessoa formada, que hoje faz parte de uma Associação de Defesa do Património Cultural e Natural do Concelho de Aguiar da Beira. (Cada leitor tire a sua elação).
    Em Forninhos instalou-se um ditadura política, com poder absolutista, querendo mandar na Igreja (religião) e na politica. Lei do quero, posso e mando. Não pode ser, Forninhos é de 200 pessoas, não de 140.
    Em 2013, neste recinto, a Comissão de Festas teve que cancelar, uma das festas, porque se começou a misturar politica com religião, estando um grupo musical a atuar, na sua terceira musica.
    Senhora dos Verdes e venda ilícita dos Baldios fez nascer o Forninhos Transparente, com o intuito de denunciar estes atentados e irregularidades que o poder absolutista está a instalar em Forninhos.
    Há que acabar com isto.

    Outra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Henrique, o principal culpado (para mim) foi quem autorizou essa pessoa formada a mandar na obra e a gastar todo o dinheiro angariado pelas diversas Comissões de Festas - o Sr. Padre - mas em Forninhos é mesmo assim, quem manda faz o que lhe apetece!
      Dá ideia que esses Senhores/e/Senhoras que pertencem a entidades religiosas e autárquicas comem muito queijo. Esquecem-se que não gerem coisas de sua propriedade particular e, por isso, não podem fazer o que querem, têm regras a cumprir!
      Concordo contigo: "Em Forninhos instalou-se um ditadura política, com poder absolutista...".
      Desejo-te bom trabalho no "Forninhos Transparente" ;-) não vai ser fácil, porque as pessoas hoje são muito hipócritas, preferem o opaco.

      Eliminar
    2. Referes que essa pessoa hoje faz parte de uma Associação de Defesa do Património Cultural e Natural do Concelho de Aguiar da Beira. Desconhecia isso, pelo que pergunto agora:
      - o que vão dizer os restantes membros dessa Associação quando tiverem conhecimento de que vendeu baldios de uma freguesia - Forninhos?
      - O que têm a dizer sobre as obras da capela (últimas)?
      - E essa Associação de Defesa do Património Cultural o que é que já fez em relação à monografia de Forninhos, que é adquirida na Junta como sendo um historial da freguesia e que não passa de um albúm de fotografias com legendas que enganam os leitores?
      Todos tínhamos a ganhar se realmente essa Associação viesse defender o nosso património de verdade!

      Eliminar
  4. Existem muitos intervenções no património que são autênticas aberrações. Que em vez de restaurações, são modificações. A verdade é que a maior parte das pessoas, nem parece interessar-se pela questão, e muitas vezes também não terá conhecimentos para perceber se a obra de recuperação foi ou não bem feita. Como tal, basta que surja tudo com ar arranjado e pintado, sem que se dê importância a como os edifícios teriam originalmente sido, e assim se tem vindo a deteriorar património.
    Desmandos à solta!
    Bom fim de semana, Paula! Confesso que a Capela da Nossa Senhora dos Verdes me agrada mais ao olhar, em pedra! Teria até mais a ver com a região.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi exactamente o que aconteceu!
      A maioria não tem conhecimentos para perceber se a obra foi ou não bem feita, bastou-lhes ver tudo com ar arranjado e pintado para as elogiarem, mesmo as alterações!
      É com muita pena que vejo que se gastou todo o dinheiro angariado pelas Comissões de Festas e as paredes afinal estão cheias de fissuras e humidade, quando se mantivessem a pedra à vista evitavam tal, pelo menos, as fissuras. Além de que colocaram um passeio em cubos de granito, para impermeabilizar (disseram) a área da capela! Mas desde quando os cubos de granito impedem as humidades?
      Um "melhoramento" desnecessário, dinheiro mal gasto, quer no material, quer na mão-de-obra, que poderia ser usado para outros melhoramentos realmente necessários!
      O reboco das paredes e pintura de cor branco até deixou a capela bonita, mas acho que com pedra à vista ficava também bonita, afinal este monumento foi construído em granito (tipo de pedra predominante em toda a Beira Alta).
      Felizmente ali por 1982/1985 retiraram-lhes a cal.
      Bj**

      Eliminar
    2. E está tudo dito!
      xx

      Eliminar
  5. Sou apologista de se conservar o nosso património, restaurando e nunca modificando!!!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tendo em conta as 3 imagens, não deixa de ser a Capela de Nossa Senhora dos Verdes um bom exemplo de restauro. No que toca ao terreiro, é que houve uma grande alteração, no piso verde natureza foi colocado um passeio (ou troço) em paralelos (cubos de granito). Para alguns pode ter sido um bom negócio, mas o que é certo é que os passeios feitos em alguns locais parecem bem esteticamente, noutros deixa muito a desejar!
      Beijinhos.

      Eliminar
  6. Qualquer edificação, de comprovado valor arquitetônico de uma época, torna-se um patrimônio para uma cidade, fazem parte integrante da comunidade onde se insere. Considero um crime, alterar a sua aparência e estrutura, interna ou externa. Sou pela sua restauração, preservação e conservação.
    Importante postagem!
    Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu, há 5 anos atrás, quando ainda decorriam as obras iniciadas em Agosto/2009, opus-me à alteração da aparência externa, porque não entendia qual o critério para a alteração do terreiro, mas na altura não ouvi grandes argumentações contra e, assim concluíram a obra a seu bel prazer.
      Agora, como costume, após a “terra queimada” fica a indignação e a memória.
      Um abraço.

      Eliminar
  7. Paula,

    Com certeza, minha opinião é restaurar e não modificar.
    Uma capela tão linda e importante, não deveria ser modificada em sua arquitetura original.
    Um lindo Domingo! Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabe Lucinha, ao longo dos anos, várias obras foram mudando o exterior da capela, mas se calhar a maior alteração foi quando os nossos antepassados, em data que não conseguimos precisar, acrescentaram o alpendre e a sacristia. Pena a monografia de Forninhos nada dizer a respeito, mas nós que conhecemos a nossa história temos o dever de a divulgar, doa a quem doer!
      Depois, alterou-se o alpendre e, claro, a nível das paredes houve alterações várias nas últimas décadas. Mas do que eu não gostei nada foi da alteração ao terreiro, é confundir a Senhora dos Verdes com o Senhor dos Caminhos!
      Bom domingo! Bjs**

      Eliminar
  8. SE se puder conservar pelo restauro...excelente!
    Eu optaria pela pedra à vista!
    Mas importa que não a façam desaparecer e que requalifiquem o espaço envolvente!
    Bom domingo!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, que não aconteça o que aconteceu a uma outra nossa capela, que foi abandonada e ruiu de tal modo que quem hoje se aventurar na sinalização do local onde estaria não encontrará «nada», embora nos queiram impingir de que no local são visíveis restos dessa capela.
      Resto dum bom domingo!

      Eliminar
  9. A Senhora dos Verdes deveria ter, penso eu, uma projecao maior.
    Quando se entra no recinto, crentes e menos crentes, sentem que este local tem algo como que de mistico. E tem como se pode observar duas vezes por ano.
    Mas nao tem o respeito de todos, Ladroes foram levando parte do seu patrimonio, tal como os Serafinzinhos e outros objectos de culto.
    "Outros" mais modernos, tentam apagar a sua historia, tapando a vista ao olho da lei.
    Este espaco merece uma envolvente condigna e tem tudo para tal, a vista, a floresta, os acessos e acima de tudo a Capela que infelizmente serve para autarcas irem deixando a marca do poder, como dizendo que "fiz isto e aquilo" e outros a seguir "eu remediei isto e aquilo", como se este monumento fosse um Outdoor de propaganda politica, mas se ate ja teve a "honra" de campanha eleitoral...
    Pelo andar da carruagem, nada me admira que um dia o seu tecto Riquissimo, seja encontrado nalgum museu estrangeiro ou seminario nacional.
    Tudo para proteger o patrimonio...dos outros!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os Serafinzinhos toda a gente sabe que foram roubados aquando das obras feitas no ano de 1959. Será que as paredes da capela em 1959 já eram caiadas?

      Há uma cantiga que diz:

      Na parte nascente fica
      Branca ermida da Senhora
      Nós dos Verdes lhe chamamos
      Por ser deles protectora.

      Eliminar
    2. Deixa que diga, tanto vituosismo soa a estranho.
      Vou ser claro!
      O poder local em Forninhos, quase sempre foi "trabalhado" nos modos do antigamente, seja na subserviencia no agradecer em votos, algo que faziam ser favor, quando era obrigacao legal.
      O vandalismo emocional, utilizou por tal a igreja e afinidades colectivas. Perfeito!
      Na conjugacao desta "mistela" que alguns temem e muitos veneram ( e celebram a "convite" de uns dos maiores responsaveis pela degradacao cultural de uma aldeia, basta um passeio excursionista...), tudo pode ser feito.
      Um raro local de culto e historico, jamais podia servir de aproveitamentos pessoais, como continua na demanda sempre dos mesmos que meteram a bel prazer, os tentaculos em tudo o que brilha.
      Por fora, a Capela esta bonita a quem por ali passa, desconhecendo a sua historia genuina. Esta estilizada...
      Por dentro, vi no ano transacto o continuar do seu declinio, resto de enxame de abelhas e os restos dissecados de um esquilo...
      Se fosse estranho a esta aldeia, jamais saberia o que quer que fosse da sua historia, apesar das ditas placas...

      Eliminar
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. Por vezes, as críticas, faz-nos crescer.

      Eliminar
    4. Só quando fui mordomo, em 2013, juntamente com a Paula, é que notei a verdadeira dimensão da fé, que as gentes das aldeias vizinhas têm com esta Capela e sua Santa. Para mim, esta capela tem um valor quer religioso, quer como monumento semelhante à Igreja Matriz. Ouvi vários comentários de visitantes convidados por gente da aldeia, que esta Capela, não só o edifício mas também o seu teto, tem um valor incalculável. Há que preservar.
      A sua última remodelação, na minha opinião, foi um autentico desastre. Tirando o telhado, nada a dizer, todo o resto foi só estrago. Estrago que esteve à vista e ainda está. Em 2013 a iluminação teve que ser alterada, não só porque não havia luz e quando se conseguiu que houvesse, uma das luminárias começou a arder, valeu-nos que foi no final da missa. A parede do lado Sul tem uma fissura que vai do telhado ao chão. A porta lateral tem uma almofada a cair. Os janelos, os fechos não chegam ao furo da parede. e muito mais coisas. Porque não se chamou os empreiteiros, acionando as garantias?
      Nota 1: Comentário inserido pela 2.ª vez mas editado. Sem a critica a uma das pessoas que supervisionou a obra em questão. Critica que fiz com sentido positivo não com intensão do deita abaixo. Não gostou de ser criticado, respeitei, retirando a parte do comentário que a ele se referia. Também havia duas incorreções de cargos que lhe atribuí o que já lhe pedi desculpas, verbalmente.
      Nota 2: Uma das pessoas que que fizeram o estudo para livro, foi da mesma opinião, dizendo que foi um erro tapar as datas das pedras na parede. Isto na minha presença e do Sr. Ricardo Guerra.

      Eliminar
  11. Para Santos Lopes:
    Quem fala assim não é gago!
    Não faz sentido gastar todo o dinheiro angariado pelas diversas Comissões e passado um tempo ver-se tantos defeitos. Para mim, fizeram uma plástica à capela, embora diga(m) que a obra (a de 2009) seguiu o parecer de pessoal qualificado do IGESPAR! Dizem “eles” - os caciques de Forninhos!
    Mas sabes que gastaram o dinheiro da Capela porque apesar de todos os esforços com o encaminhamento e acompanhamento do Projecto para este Santuário, a verba que tanto jeito dava foi indeferida. O que já nem sei se foi negativo ou positivo. Se com poucos euros fizeram estragos, com muitos imagino…ainda era erguida uma estátua ao Presidente da Junta em pleno centro do Terreiro!
    Todos sabem que eu nunca morri de de amores por esse executivo, porque eleito à conta de um clientalismo fanático, agora não fazia ideia que deixou um défice superior a dez mil euros. Quer dizer então que se não fosse a venda do baldio…
    O pior é que Forninhos fica sem património e só há dinheiro para bombas e estalinhos!

    XicoAlmeida,
    O que o Ricardo Guerra diz, a mim, entra-me por um ouvido e sai-me pelo outro e eu apesar de ter bem definida a minha opinião sobre ele, não posso porém deixar de respeitar a sua forma de pensar e agir.

    Para Santos Lopes e XicoAlmeida:
    Voltando à capela, continuo na minha: o padre é que é o maior culpado. Delegou no Presidente da Junta – no Ricardo Guerra – todos os poderes, só pelo facto de ter sido ele que iniciou e acompanhou o Projecto respeitante a obras a realizar no Santuário de Nossa Senhora dos Verdes. O padre, segundo palavras da população, na altura “andava em ondas com o Ricardo”.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. P.S - Queria dizer "segundo palavras de alguns populares".

      Eliminar
  12. Apenas para "arejar", pois quem conhece a nossa terra, sabe que muitas pessoas continuam a ficar de boca aberta (por fanatismo), mediante a homilia do sr. padre ou autarcas.
    Se perguntarem que tal, a resposta continua a mesma de dezenas de anos atras...falam muito bem! Sem nada perceberem e assim se enganam os "tolos" com bolos...
    BOCAGE E O LADRAO
    Conta-se que Bocage, ao chegar a casa um certo dia, ouviu um barulho estranho vindo do quintal. Era um ladrão que tentava levar os seus patos de estimação. Aproximou-se vagarosamente, surpreendeu o indivíduo ao tentar pular o muro e disse-lhe:
    - Ó bucéfalo anácrono! Não te interpelo pelo valor intrínseco dos bípedes palmípedes, mas sim pelo acto vil e sorrateiro de profanares o recôndito da minha habitação, levando os meus ovíparos à sorrelfa e à socapa.
    Se fazes isso por necessidade, transijo... mas se é para zombares da minha elevada prosopopeia de cidadão digno e honrado, dar-te-ei com a minha bengala fosfórica bem no alto da tua sinagoga, e fá-lo-ei com tal ímpeto que te reduzirei à quinquagésima potência que o vulgo denomina nada.
    E o ladrão, confuso, diz...
    - Senhor, afinal levo ou deixo os patos? (perguntou o ladrão atónito, sem nada ter percebido).
    (Manuel Maria Barbosa du Bocage)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ontem como hoje, a “coisa” é a mesma. Mas é triste constatar que, desde o século XIX até hoje, século XXI, os métodos são os mesmos e continuam eficazes!

      Eliminar
  13. Pienso que el Patrimonio se ha de restaurar y no modificar. Si cambiamos su aspecto la obra original no conserva su verdadero valor etnológico y espiritual; por lo cual su memoria pretende ser cambiada,por ignorancia o por mala gestión analítica.
    El Santuário de Nossa Senhora dos Verdes es muy bonito y acogedor. Además está situado en un paraje de un verdor intenso.
    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em relação ao último parágrafo do Pedro vou deixar um trecho de que gosto e encontrei na monografia de Aguiar da Beira (nosso concelho) e que tem muito a ver com a imagem primeira: "...cerca de um quilómetro, a subir, da sede da freguesia e em direcção de Valagotes e Pena Verde, à direita da estrada, abre-se um terreiro ou chã rodeada de pinhal, onde se avista o templo de Nossa Senhora dos Verdes, com um cruzeiro junto, qual guardião da formosa capela de invocação da advogada dos frutos e das sementeiras.".
      Hoje já existem três cruzeiros junto.
      Abraço.

      Eliminar
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho um apreço muito grande por pessoas como tu, Henrique, que são frontais.
      Agora começo a perceber o défice (€ 24.000 (do baldio) - € 10.000 e tal). Tendo em conta que a Junta teve todos os apoios da Câmara acrescida da "bondade" dos "brasileiros" dos Valagotes não entendo tais contas...
      Só hoje entendi a tua pergunta, lá no 'post' intitulado "NETOS DE UM DEUS MENOR". Será que a fantástica obra "Forninhos, terra dos nossos avós" levou mesmo parte da verba recebida do baldio?

      Eliminar
    2. Reconhecer os nossos erros, é uma grande virtude.

      Eliminar
    3. Este comentário eliminado, o conteúdo referia-se a um SMS do Sr. Ricardo Guerra me enviou e não gostou que fosse publicado. Concordei prontamente, daí a sua eliminação.

      Eliminar
  15. Boa tarde Paula, uma capela muito bonita!
    Penso que é importante que o Património ao longo dos anos seja restaurado! No entanto a traça original e pinturas devem ser mantidas!
    Neste caso da vossa Capela gostaria mais que mostrasse a bela pedra da vossa região!
    Mas isto é uma opinião muito pessoal, pois não sei como foi a construção e não estou dentro dos estilos;))!
    Beijinhos,
    Ailime
    (A igreja da minha terra foi decepada e altamente destruída até no interior: restauros que deixaram muito a desejar. Se morasse lá na altura muito me teriam ouvido.).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito património é descaracterizado e destruído, muito por culpa de instituições criadas recentemente e que, ao fim ao cabo, nada trouxeram de novo em termos de desenvolvimento.
      Quem vive fora pouco pode fazer, porque não faz parte parte dos corpos sociais dessas instituições, mas sempre podemos dizer que deveria haver maior rotatividade dos mesmos para que não houvesse todo este clima de desconfiança à solta. Pelo menos em Forninhos concentram poder a mais nas mesmas pessoas e não pode/deve ser!
      Beijinhos.

      Eliminar
  16. Xico, penso que o património deve ser restaurado, sim, mas nunca modificado.
    bj

    ResponderEliminar
  17. P.S. Segundo um velhote da aldeia do Lago , na Amieira/alentejo a quem perguntei a razão dos garrafões , respondeu-me:
    Modernices, menina...dizem que espantam as moscas no Verão.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  18. Remar contra a maré, cansa, e muito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixa lá Henrique. São poucos os que remam contra a maré, mas é preciso não esquecer que vão no sentido da nascente!

      Eliminar
  19. Boa tarde!
    Chamo a atenção dos leitores que comentam que, daqui para a frente, tenham mais cuidado com o que escrevem. Este blog não tem os comentários moderados, para que responsabilidade passe para quem escreve e não fique com quem publica. Assim, para que conste, os comentários deste 'post' foram removidos pelos comentadores!
    Obrigada.
    A administradora.

    ResponderEliminar
  20. Deixa que te diga em primeiro lugar que fiquei "incomodado" com esta pretensa chamada de atencao.
    Se retirei um comentario (sem ser a primeira vez), foi pela simples razao de entender que por vezes o espaco condiciona o explanar mais longo de uma dissertacao.
    Ou seja, entendi (sem isto ser uma justificacao), que o que tinha e tenho para dizer ao "fantasma da opera" que alimenta o folguedo a seu belo prazer, tera de ser forcosamente um dia (vai ter de parar de se esconder...), cara a cara!
    Dai o meu "incomodo" pois sempre aqui dei a cara de forma frontal e ate hoje nunca desmentido por ninguem, sendo que a prova foi que fui censurado e proibido de comentar nos "orgaos" civis e pseudo religiosos da freguesia.
    Uma boa tarde!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Relativamente ao assunto acho que fizeste muito bem em remover esse comentário e não vejo nenhum mal na minha chamada de atenção, até porque o que eu digo não ofende nem prejudica ninguém.
      Sei que não foi removido por cobardia. Quando digo que fizeste muito bem é porque sou de opinião que as mensagens trocadas "internamente" não devem ser aqui publicadas.

      Eliminar
  21. Tive que eliminar dois comentários, um porque tinha uma afirmação que tinha que confirmar e estou longe para isso e outro, acreditem, por motivos emocionais, além de ambos, quase na sua totalidade, estarem corretos, como não dá para alterar, foi tudo para a reciclagem. Há coisas que não se podem contar, portanto, nada de perguntas. Segredo profissional.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas podes sempre fazer copy-paste, corrigir, publicar e então eliminar o anterior comentário. Correcção feita, não há problema. O problema agora é que ficam publicadas respostas minhas que não fazem sentido.
      Dizes que há coisas que não se podem contar, mas sempre digo que o esconder apenas as alimenta!
      Boa noite, Henrique.

      Eliminar
  22. Linda capela, Paula! É importante a conservação e restauração!
    Notei várias mudanças ao redor... Creio que acréscimos, melhoras!?
    Paisagem bonita!
    Das férias, UM GRANDE ABRAÇO...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, mesmo com acréscimos o nosso Santuário não deixou de ser belo.
      Um abraço e cont. de boas férias.

      Eliminar
  23. Foi uma pena terem coberto com reboco e pintura essa pedra datada, era digna de ser mostrada!
    Faz todo o sentido que a capela (talvez mais pequena) e a imagem da Virgem, ja existissem antes da praga dos gafanhotos, pois so assim se explica o voto, nao se faz um voto a uma capela que nao existia!

    Um abraço amigo.

    ResponderEliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.