Seguidores

sábado, 5 de dezembro de 2015

Searinhas de trigo do presépio

No dia 8 de Dezembro, dia de Nossa Senhora da Conceição, em Forninhos, à semelhança de outras aldeias do país, era dia de semear os canteirinhos de trigo para o presépio (= sementeiras ou searas do Menino Jesus). Era um belo trabalho feito com dedicação pelas mulheres solteiras que se dedicavam às práticas da Igreja e da Religião Católica.

presépio da igreja - ano 2011
Merece aqui especial menção a tia Augusta Saraiva e a tia Augusta 'velha', a tia Cecília e a tia Anunciação e sua irmã Luz, que durante muitos anos os colocaram no presépio da igreja.
Porque em Forninhos não se dá continuidade a este costume ou tradição? 
Durante o ano enquanto comungam até cantam tantas vezes O "meu pão sagrado". Depois existe tanto terreno no adro da igreja para receber esta sementeira que chegado o dia de Reis (6 de Janeiro) até podiam transplantar as searinhas para a terra, pois parece que nem palhinhas suficientes há para adornar a cabana onde nascera o Menino Jesus.

Meu pão sagrado

Procurei-te todo o dia
Mas não Te encontrei
Busquei-Te no irmão,
Mas não te amei.

Meu pão sagrado
Corpo de Cristo
Jesus está em mim.

Convidas teus filhos
Banquete Divino
Na mesa Teu Pão 
Na mesa Teu Vinho.

Refrão

Espiga de trigo
Unidos no amor
Seara madura
És vida, És sol.
(...)

Ainda vão a tempo de semear, nos pequenos pires ou num vaso o trigo.

32 comentários:

  1. Este costume ainda existe em vários pontos do país:
    No Algarve, o presépio é adornado com estes canteirinhos e laranjas que rodeiam o Menino.
    No concelho de Tavira, semeiam grão de bico, no dia 1 de Dezembro, a fim de haver tempo suficiente para a germinação, para adornar o presépio.
    Em Elvas, também era hábito decorar o presépio com o trigo grelado (searinhas), mas nesta região são feitas um mês antes do dia de Natal.
    Na Madeira, o presépio é muito similar ao Algarvio sendo igualmente adornado com as searinhas de trigo.
    Nos Açores também podemos encontrar uma tradição similar à do Algarve e da Madeira, mas à semente que germina dão o nome de ervilhaca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. P.S: Descobri que este costume existe em vários pontos do país nas minhas buscas na Internet.

      Eliminar
    2. Na Ilha da Madeira os mais " antigos" faziam um Presépio em escadinhas, em que , uma Imagem do Menino, em Grande, ocupava
      o lugar mais alto .Searinhas de trigo e fruta ...luz ! Preenchiam todo
      o espaço.....
      Em minha casa , e , de um modo geral , na minha familia, não se fazia esse Presépio...mas sim, a Gruta de Belém . Meu Grande Primo, Marco Nuno, " o escuteiro" demorava um mês a fazer o Presépio . 20 metros quadrados de Arte , Talento , Empenho , Amor Próprio . Tudo com musgo , pedra , água corrente , madeira , e , claro , as Imagens da Familia de Belém da Galileia !!
      Marcão , filho de uma tia , irmã de meu Pai , que muito me ajudou !!
      As saudades de um Natal em que , erámos uma Familia , só uma !!!!

      Na Madeira ....tudo " para" entre 23 Dezembro e 2 de Janeiro !
      Muito negócio e pouca Fé ???

      Abr
      MG

      Eliminar
    3. Vi na «net» algumas imagens desses presépios em escadinha, a lembrar um altar com a imagem do Deus Menino no lugar mais alto. A mim, dizem-me que em Forninhos as searinhas só eram colocadas no presépio da igreja; também não seriam muitos aqueles que faziam presépio em casa!
      Mas o meu natal de criança tinha muito mais a ver com o presépio do que com a árvore ou pai Natal.
      O espírito de natal começava quando íamos apanhar o musgo. Acho que nesse tempo quando se pensava em Natal, pensava-se logo em musgo para atapetar o chão e assim tornar mais acolhedor as imagens do presépio.
      Outros tempos outras eras, outra alegria e, no caso, outro empenho por parte de quem se dedicava à igreja sem interesses!
      Abr./bom domingo.

      Eliminar
    4. As searinhas eram estrategicamente colocadas , semeadas, eram vasos pequenos de barro , ou mais tarde de plástico, não sei o que diziam os meus antepassados ? Mas creio que quando as
      searinhas não cresciam, advinhava-se um ano fraco, nas colheitas . Quando cresciam depressa advinhava-se fartura no campo ?? Não tenho a certeza , mas creio que era isso ...
      A fruta e o milho , e não só , junto do Menino era revelador da FÉ do Povo e a Esperança de que o Divino ajudaria na "labuta da Vida" !!

      Hoje , o Natal , não é a mesma coisa . Discute-se brinquedos de alta tecnologia que custam 100 /200 euros !!
      Há 40 anos preparava-se o Natal " por dentro ".A minha Mãe obrigava--
      --nos a ir á confissão , se não fossêmos não podiamos comungar na Noite da Consoada ( que discussões tive com minha Mãe sobre a temática da confissão !!??)

      Os brinquedos eram as bonecas para as meninas e os carrinhos para os meninos . Tive um dia um avião com luzes e que andava pela casa , mudava de rumo conforme batia na parede !! Loucura aos 10 anos ??
      Na Madeira não se vive intensamente a Noite da Consoada , como no Continente, não existe a tradição do bacalhau ,além da Missa e da canja , o importante era o Almoço do Dia de Natal !! Coelho , perú , frango do campo , tinto , saladas e doces de toda a espécie !! Licores de café , maracujá , aguardente com mel e claro, bolo de mel e broas de mel e filhóses ....para entrada !!
      Carne de vinho d' alhos ...preparada com um mês de antecedência com sal e ervas aromáticas . Aliás , a morte do porco pelo dia 15 , marcava o inicio das festas !! Um ritual que acabou há muito !!
      Com a doença em morte da minha Mãe..." morreu" tudo e se já havia divisões , a partir daí , foi o descalabro !!

      Presépios?? O do meu primo Marco ! Indiscritivel ! Em casa do meu avô Francisco, onde a noite do Dia De Natal era a mais desejada do Ano !!
      Mas havia mais gente na familia " perfeitos " a fazer Presépios , meu tio J Manuel , notável , ocupando metade da sala e uma tia " velhota " de minha Mãe , que pintava o papel , e organizava um rochedo , com uma gruta para colocar a manjedoura com animais, São José , Maria e o Menino nas palhinhas !!

      O Natal do Funchal cidade , não tem nada a ver com o Natal do Campo , aí , a Fé , os cânticos , o Calor é bem mais notado e sentido !!!

      Abr
      MG

      Eliminar
    5. As “searinhas” acho que era/é para que o menino abençoasse o trigo, e as laranjas, um fruto sinal de riqueza, para que fossem abençoadas as árvores de fruto.
      Em Forninhos não havia laranjas, a laranjeira não é típica da nossa região, pois é uma árvore que se dá bem em clima temperado e húmido como é o sul do nosso país e em Forninhos o clima é frio e seco, por isso, revolta-me ler na monografia da terra de Forninhos que os nossos avós adicionavam sumo e raspa de laranjas à massa das filhoses ou nos doces de trigo e milho!!!
      Quanto ao resto. Todos sabemos que os interesses comerciais, estão a sobrepor-se ao verdadeiro Natal, mas nas aldeias beirãs, felizmente algumas tradições ainda se vão mantendo.
      Fiz um post sobre...se quiser espreitar:

      http://onovoblogdosforninhenses.blogspot.pt/2014/12/feliz-natal-2014.html

      Eliminar
    6. Obrigado Paula,

      Hoje tive com beirões tios da companheira...!!
      A questão dos furos de água ?? Falamos disso....
      Vi um senhor em Forninhos, por volta de 97 , com vime na mão ,
      sobre um terreno , ele descobria onde havia água ....!!
      A Paula e o Xico já falaram disso aqui no blog ??
      Gostava de aprofundar essa " curiosidade" ....??
      Soube hoje que na Matela havia outro homem com esse dom ...
      Descobrir onde fazer o furo....??!!

      Agora é Natal.....e este " post" nada tem a ver com isto....ocorreu-me
      porque já percebi que pouca gente sabe deste pormenor ??
      Quando for oportuno......( se me é permitido ) !!!

      Aproveito para convidar os Forninhenses a visitar a Madeira....
      Fim de ano é muito Bonito. Se for planeado não fica caro.....
      Tenho uma ilustre familia " amiga" que aluga casas por toda a Ilha....
      Posso fornecer contatos....
      Temos a Festa da Flor, em Maio...???
      A Festa do Vinho , em Setembro...??
      Festival do Atlântico em Julho ..??

      " Levei" á Madeira há 25 anos uma Forninhense, que já partiu ...
      No voo de regresso , rija , forte, beirã , não se assustou com o abanar
      do TP a furar as nuvens de Machico, ao contrário do ribatejano , Ti Antunes, que deu um grito, assustando a familia, já que sofria do coração, vinha o Benfica a bordo , com Toni e Shéu na comitiva ...!! Coisas .......

      Obrigado
      MG

      Eliminar
    7. Sim, já falamos dos védores (pronuncia-se mesmo assim: com o “e” aberto), aqui deixo o link:

      http://onovoblogdosforninhenses.blogspot.pt/2013/09/os-vedores.html

      Um abraço e espero um dia irmos à Madeira.

      Eliminar
    8. Obrigado, Paula

      Ja li . Impressionante !!!
      Ti Antonio Casão , terá sido esse vedero ( ?????)
      que vi actuar á procura de água e acertou . Havia lá água. Não tenho a certeza , já passaram mtos anos !
      Desculpem meter este assunto no meio do Lindo Post
      de Natal .!! Mas água é Vida ....

      Divirtam-se e sejam felizes !!
      Obrigado Paula , mais uma vez ..!
      Este blog é um Património que Forninhos tem de aproveitar , independentemente de " guerras " politicas e convicções de outra espécie qualquer !!

      Abr
      AMG

      Eliminar
  2. Interessante esta tradição! Por aqui nunca ouvi falar! Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A maior parte das pessoas desconhece este hábito ou tradição, mas ainda é uma tradição bem enraizada em algumas zonas rurais e em terras de gente do mar.
      Bom domingo!

      Eliminar
  3. A primeira vez que vi este trigo foi em Lagos quando a minha sogra era viva. Aqui na minha zona não é costume.
    Um abraço e bom Domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu cresci a ver musgo e searinhas no presépio da igreja. Também é muito típico colocar-se outras verduras no presépio como seja a hera. Dantes o presépio era erguido no altar de Nossa Senhora de Fátima e lembro-me que era forrado com muita hera. Depois mudaram-lhe o sítio e o presépio nunca mais foi o mesmo.
      Bom domingo também.
      Abraço.

      Eliminar
  4. Fico comovido com a referencia a minha tia Augusta Saraiva, irma do meu pai, como que duas casas numa apenas, para tal bastava subir a ladeira ingreme mas curta e volta e meia se comia numa ou na outra.
    A minha tia sempre foi uma senhora muito devota, solteira ate morrer e amiga de todos e todos dela amigos.Tinha um carinho especial por mim e por ele fui livrado de muitas patifarias. Uma Santa, ainda hoje dizem!
    Muito ligada a igreja, dava o maximo contributo por iniciativa propria ou como mordoma nos arranjos florais ou no preparo das vestes do cura ou padre da paroquia, sempre com o mesmo cuidado com que tratava e orientava as suas terras de lameiros, oliveiras, vinhos e hortas. Ela sabe que merecia de mim, muita mais que esta simples homenagem, mas de nariz torcido, desconfiava se era capacitado para tomar conta das searinhas, Estas de que a Paula fala e que tinham de botar boa figura no presepio da igreja, tal era o seu preceito.
    Recordo nos meus cinco ou nem tantos anitos, seguir os seus conselhos. Ajudar nas searinhas...
    O dia 8 de Dezembro e quem de tal se recorda, era sagrado entre o mais para com o Natal, a preparacao do presepio e por tal a sementeira e dias depois, cerca de duas semanas, o desabrochar da divindade da terra em homenagem ao Menino e Sua Mae.
    Na sala e perto da janela virada e sempre ensolarada para os lados da Matela carregados de pinhais, assentavam pratos e pratinhos, canecos e mais canecos humedecidos com grao de trigo.
    Por fora, no patio, um ou outro caldeiro de latoaria, ia acanando a agua quando tal qual chovia. Esta era a melhor para nao deixar passar sede as sementes.
    Dizia que vinha do ceu e porventura viria, pois que aquando chegava o Natal, o presepio estava verdejante.
    E deixem que recorde que num Natal depois do beijar do Menino, ela me colocou o braco e olhando para as searinhas me deu um beijo.
    Coisas que marcam para a vida, ela que nem era muito beijoqueira...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A tua tia Augusta era uma Santa mesmo!
      Era muito dedicada às práticas da Igreja e da Religião Católica, foi
      mordoma da igreja e foi também catequista sempre com uma conduta exemplar!
      Tinha eu 16 anos fui nomeada com ela e a Céu Guerrilha para a limpeza e arranjos da Igreja. Tive o privilégio de durante um ano seguido conviver com esta bondosa mulher e dela só tenho boas recordações.
      Tinha berço! Tanto quanto sei já os seus pais (teus avós, Francisco e Ana) foram exemplares no cumprimento da Lei de Deus e dos Homens e deixaram bom nome em Forninhos, sua terra natal.
      Fazem muita falta a Forninhos os homens e mulheres de antigamente!

      Eliminar
  5. Na minha casa nunca houve um presépio, mas recordo-me de na adolescência visitar casas de amigas aqui em Lagos, e terem presépios precisamente com estas pequenas searinhas de trigo e laranjas. Era muito bonito. No entanto nunca tinha ouvido falar da germinação do grão de bico, o que só demonstra que cada terra tem as suas peculiaridades.
    Embora eu não seja uma pessoa religiosa, gosto muito destas tradições de fé, que deveriam ser sempre preservadas.
    Bom fim de semana, Paula.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que um povo só é digno desse nome quando não renega o passado, que o estuda, que o preserva!
      Quanto a peculiaridades, Forninhos é uma aldeia com uma identidade própria, com passado, usos e costumes e um sem número de pequenas especificidades que lhe emprestam um carácter e encanto únicos, mas a nova geração, na ânsia de querer fazer melhor, de “modernizar,” leva-a a esquecer as nossas tradições, a nossa história e até as suas origens! E isto é grave quando se trata de pessoas que têm o poder de decisão, como são os quando ocupam lugares na Igreja e na Junta.
      Bom domingo, Laura.
      Bj**

      Eliminar
    2. Assino por baixo. As tradições só enriquecem a vivência comum. Eu, por exemplo, embora não seja crente, ao visitar igrejas e assistir a procissões, faz-me comungar da paz ali tão presente.
      xx

      Eliminar
  6. Oi Paula!
    Que bela tradição, semear o trigo em vasos para adornar o presépio, adorei, como deve ficar lindo! Essa tradição deve continuar, pois é algo muito especial, é uma forma de homenagem viva, e o trigo ou outra dessas plantas com certeza dá um toque a mais aos enfeites tradicionais, adorei saber desse costume, tudo que envolve a natureza me encanta.
    Paula, ando meio ausente, agora devido a uma crise de coluna,(hernia de disco) tenho tido muitas dores, mas já com alguma melhora devido a fisioterapia.
    Beijos e um bom mês de Dezembro pra você e o Xico.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fátima, desejo-lhe as melhoras e que continue a encontrar algum tempo para partilhar connosco as suas plantinhas. Quando fiz este post lembrei dos seus mini-jardins!
      Além das searas, conforme as localidade é também típico colocar-se outras verduras no presépio, como milho, favas, ervilhas. Eu quis este fim de semana comprar trigo para fazer uma searinha e só encontrei trigo triturado à venda, talvez encontre amanhã numa típica mercearia. Se encontrar, vou semear :-))
      Beijos & Abraço.

      Eliminar
  7. Boa noite Paula, não conhecia esse costume que acho maravilhoso até pelo significado do trigo e do pão que na Consagração se transforma no Corpo do Senhor.
    O cântico tem um poema muito belo alusivo a este facto.
    Uma pena que não seja dada continuidade a esse costume tão genuíno repleto de significado.
    Beijinhos e bom domingo.
    Ailime

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente Ailime, o trigo tem uma ligação muito forte à comunhão na Igreja, até porque as hóstias são feitas a partir da farinha deste cereal. Daí a escolha deste cântico, que sempre que vou à missa a Forninhos (coincidência ou não) ouço cantar e dá gosto ouvir, pois é um cântico bonito e todos o cantam sem desafinar!
      Beijinhos e resto de bom domingo!

      Eliminar
  8. Cultivar momentos assim é importante, por que não retomar, não é mesmo?! São gestos e costumes com significados bonitos!
    O poema gostei muito, Paula.
    Beijinhos e abraços neste domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como a Anete sabe, é nas coisas mais simples e singelas que reside a maior beleza e não é só na natureza, é também nos pequenos gestos humanos, por isso é que homenageamos aqui as mulheres que um dia se dedicaram às boas práticas da Igreja e da Religião Católica e que tão esquecidas estão!
      Um grande abraço.

      Eliminar
  9. Era uma tradição na minha casa todos os anos semeávamos o trigo para depois pôr no presépio.
    Um abraço e bom Domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que fiz este post, pois vejo que a maior parte das pessoas diz que conhece esta tradição, ainda bem!
      Abraço.

      Eliminar
  10. Confesso que não conhecia essa tradição.

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitos desconhecem, mas agora podem ficar a conhecer.

      Abr./Paula.

      Eliminar
  11. Que linda tradição, fico triste por se perder. Mas fica a lembrança e quem sabe um dia as solteira continuam fazendo a plantação do trigo. Dia 8 de dezembro terá festa na igreja é o dia de nossa padroeira.Temos muitas coisas em comum, mesmo estando longe.
    Tenha um ótimo início de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é Anajá, há um oceano a separar-nos, mas temos muita coisa igual.
      Em Portugal, até há alguns anos atrás, o dia da mãe era comemorado no dia 8 de Dezembro, dia da Imaculada Conceição, padroeira e rainha de Portugal, mas por razões comerciais o dia da mãe passou para o 1º domingo de Maio, sinais dos tempos!
      Também o Estado por razões económicas e a Igreja porque anda sempre de mãos dadas com o Governo acabaram com alguns feriados, felizmente que o dia 8 de Dezembro não passou a ser festejado no domingo seguinte, assim, amanhã é feriado nacional e farei o meu presépio, como é de tradição.
      Se vão fazer searinhas de trigo para o presépio da igreja...a ver vamos como dizem os cegos!
      Beijinhos e boa festa por aí.

      Eliminar
  12. Como é acolhedor passear por aqui.

    Que se mantenham as boas tradições.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode parecer uma redundância, mas eu também não me canso de dizer: "Que se mantenham as boas tradições".

      Beijinhos.

      Eliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.