Seguidores

domingo, 11 de outubro de 2015

O almejado "filão" do turismo

Forninhos tem duas casas de turismo rural e estas casas de turismo de aldeia surgiram com o apoio das autarquias, por serem uma mais valia, mas não sei porquê os autarcas não apostaram na atractividade da freguesia, de modo a torná-la visitável. Não é matéria nova, porque já escrevi estas linhas noutras ocasiões, mas já dizia Vergílio Ferreira «Não te coíbas de repetir o que já disseste, porque és pequeno e só assim talvez será possível que te ouçam».
Em cada semana, ao domingo, vamos trazer um pouco dos "atentados" ao património deste nosso recanto beirão.


Então, temos um Castro que não é nada mais, nada menos que o antepassado do Castelo, correspondendo a uma comunidade/aldeia rodeada de muralhas defensivas. 
Embora difíceis de identificar por se tratar de simples amontoados de pedra, temos ainda em S. Pedro, vestígios de casas da antiga aldeia, construídas antes da chegada dos romanos: eram casas redondas, feitas em granito, sem argamassa; vestígios de um cemitério paleo-cristão e há ainda a memória de um "templozinho medieval" que chegou quase aos nossos dias. 
Mas ao longo dos anos, este local tem vindo a ser alvo das mais diversas delapidações, desde a destruição da capela e das casas que dizem foram sendo destruídas pelas crianças que pastoreavam os rebanhos e que brincando se entretinham a estragar essas habitações (??), à abertura de um caminho rural por parte da Junta de Freguesia que destruiu parte do cemitério, plantação de eucaliptos por parte de particulares, "ataques" de pedreiros e de "caçadores de tesouros"...
Desde o início  d' O Forninhenses que alertamos as entidades competentes da importância deste sítio para a identidade de Forninhos. Há muito, registamos, situações anómalas como desaparecimento dos sarcófagos e recolha de pedras. Até hoje, acho que não estou enganada, não ligaram importância.
Dado tudo o que já aconteceu e de modo a evitar mais destruição, está mais que na hora de a Junta de Freguesia de Forninhos proteger "O Castelo" começando pelo levantamento do cadastro dos proprietários para levar a efeito, se necessário fôr, um processo de expropriação das parcelas das respectivas áreas a serem expropriadas.
Afinal nos tempos mais recentes, a Junta de Forninhos, tirou ao povo o que a este pertencia, ou seja, vendeu ilegalmente a particulares uma grande área de baldio e recebeu uns milhares de euros que acho podiam ser investidos pelos seus representantes na aquisição dos terrenos particulares. É que agora não há a desculpa de falta de dinheiro ou há?

35 comentários:

  1. Não duvido que a maior referência de Forninhos tem por nome a Nossa Senhora dos Verdes, a Cadeira do Rei e o Castro. Afinal pouco mais tem, tirando o rio abandonado. Durante a meia dúzia de anos que por aqui vou escrevendo, vi coisas do arco da velha ao ponto de ser excomungado pelos celibatários de várias tendências de libertinagem...
    Adiante e pegar o fio pelo pavio...
    Poucos agarraram o nada do muito que Forninhos podia dar, pois para tal tinha motivos, mas a volúpia dos ganhos toldou a sustentabilidade dos empreendimentos, tal como no antigamente no "atalhar" de águas em courelas. O eterno se não tenho, não vais ter...digo eu, porventura enganado.
    Sem um comungar conjunto, as vacas fogem ao rego e...a coisa descamba.
    Nenhuma das duas casas apoiadas financeiramente, teve a arte e engenho de promover a etnografia e gastronomia e elas que me desculpem pela ousadia da critica. Cama, mesa e roupa lavada não chega.
    Esta a minha primeira critica para a ausência de sensibilidade.
    A segunda, mais ligeira para a Igreja.
    Acomodou o tempo no seu calar. Tudo o que vier vem por bem, sinal de que estamos todos unidos, devotos dos nossos pecados e por tal ao comungar seremos perdoados. Tenho vistos tantas e tantos de mão no peito...
    Alguns que afinal ainda andaram por S. Pedro e agora tocam o sino, aquando a escavadora "limpava" os restos da capela e cemitério. Minto Sr. Adriano? Minto Sr. Cabral? Sendo tal, que me o digam e pedirei desculpas.
    Pois agora e afinal desafio o contraditório. Onde ficava a capela, quem mudou o caminho, quem escondeu os sarcofagos, quem vilipendiou as nossas memorias, afinal, quem foi ladrão, o mesmo que por ali estava ou ficou ao portao?
    Estes senhores deveriam ter sido postos em sentido muitos anos atrás.
    Pena que havia medos e por tal ficavam calados, mas os tempos mudaram.
    Escreveram uma "coisa" sobre Forninhos. O Ministério Publico que indague tal falsidade.
    Qual a credibilidade que um orgão de soberania tem se desconhece os seus domínios patrimoniais?
    Tudo nosso!
    Os maiores valores patrimoniais por históricos eram sua pertença?
    Claro para mostrar aos outros...
    O problema deste autarca de nome Ricardo Guerra, foi não saber respeitar em planos futuros, a maior valia que podia trazer o bem comum.
    Tinha na mente uma "coisa" que traria o seu nome inscrito, por mera referencia.
    Tinha e continua a ter o "careca" que não desgruda, porventura procurando as suas origens atrás de um penedo.
    E tem a minha pessoa dentro daquilo que pertence por direito legal a seus pais e sucessores, o Castro, a Cadeira do Rei e adiante...
    E senhor autarca, se quiser que publique estas nossas conversas nas quais me disponibilizei a colaborar, disponha, mas sem essa figura sinistra!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Xico,
      Vem de muito longe a tentativa de expropriação das terras do povo. Aquilino Ribeiro imortalizou em “Quando os Lobos Uivam” a luta, nos anos 40, dos povos da Serra de Milhafres, contra a pretensão de Salazar expropriar as terras comunitárias.
      Na história de Forninhos - enquanto freguesia - não houve só um Presidente de Junta que tirou baldios ao povo. Houve mais...
      Aliás, nem sei como ainda não venderam os baldios de S. Pedro: cemitério e local da capela (que não sabem onde fica), porque o resto não podem, é de particulares, tu sabe-lo bem!
      Mas deixaram levar todas as pedras da capela, sarcófagos e ultimamente, um machado e moedas romanas.
      Só um alerta: não deixem que a Junta limpe os vossos terrenos, pois correm o risco de um dia os registarem no Cartório de Aguiar da Beira por usucapião!
      Quanto às casas de turismo rural, parte da gastronomia, tenho opinião bem diferente, mas concordo que não chega cama, mesa e roupa lavada!

      Por tal podes ver, se te apetecer, o 'post' de 26 de Novembro de 2009:

      http://onovoblogdosforninhenses.blogspot.pt/2009/11/turismo-rural.html

      Eliminar
  2. El Patrimonio de un lugar es el testimonio del origen de nuestros antepasados. La huella que nos identifica y establece, por si mismo, el futuro desarrollo de esa Tierra y de sus habitantes que se muestran reacios a olvidar sus orígenes y sus raíces.
    Las Inversiones tienen que regirse, también, por el valor intrínseco de los Sentimientos y lograr un Futuro mejor, partiendo de un Pasado que enriquece el entorno y el paisaje.
    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabe Pedro, não é no tamanho físico ou populacional que se vê que uma terra é rica e grande, é nas pequenas coisas...e há pequenas coisas que podiam ser feitas a custos mínimos.
      Por exemplo:já pensei que quem quiser ir ao Castro, fica sem saber onde é. Não há placas de informação e pelo que ouvi dizer, presentemente o caminho está péssimo.
      Acho que o mais importante é servir Forninhos e não servir-mo-nos de Forninhos, isso sim, distingue uma pessoa de tantas outras.
      Um abraço com amizade

      Eliminar
  3. Nao tenho condicoes para escrever muito, vou so dizer duas coisas. Primeiro, em Forninhos, ultimamente, tudo o que se faz e de bradar aos ceus, senao vejamos,: uma capela murtuaria no primeiro andar, uma rotunda descentrada, com passadeiras em direccao ao centro e com uma paragem de autocarro, um mamarracho com telhado a gare do oriente a tapar a fonte da lameira, uma restruturacao do largo da lameira esquecendo a extencao ate ao fontanario mas nao esquecendo um parque infantil para talvez a treceira idade, a venda ilicita doa baldios, e ,e.,
    Dinheiro deve haver?Sei nao, entao mais de metade do primeiro baldio nao foi para compor as contas da ultima Junta, receberam 24 000 € e so deixaram para a Junta seguinte cerca de 11 000€. 13 000, foram logo abafados. O dinheiro caiu do ceu para essa Junta, estava no final do mandato e com de 13 000€ negativos, ia ser ca uma bronca!!
    Mais tarde, continuarei. Belo assunto, parabens Paula.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, a bronca ia ser grande, mas esse autarca com as suas habilidades e meladice safa-se sempre.
      Mas agora cabe à Junta que recebeu os € 11.000 e já vendeu também baldios investir o dinheiro em algo.
      Se nada fizerem e ainda apresentarem um défice maior, há que pedir uma auditoria às contas da Junta.
      Havemos de trazer também os fontanários e, claro, a reestruturação do largo da Lameira que devia ser extensível até à fonte da Lameira, sem dúvida!
      Boa semana.

      Eliminar
  4. Forninhos tem duas casas de aldeia abertas ao turismo e tal gestao a eles pertence individualmente e parto do principio que os subsidios recebidos foram bem empregues pelos projectos concebidos e aprovados. As contas a eles pertencem.
    Forninhos tem uma paisagem e historia deslumbrante. O genuino de uma aldeia da Beira Alta na sua maior essencia, ali transborda em cada esquina e nos relatos das suas gentes sobre os Seus!
    O turismo em Portugal, esta nos picos a nivel mundial, mas aqui parece que incomoda a abertura das suas fronteiras a gentes de fora por parte da autarquia.
    Explico.
    Ganhamos a presidencia da Junta. A Camara pode ser diferente, mas aqui quem manda somos nos...e por entre porcos assados em festarolas, cada dia que passa mais isola a aldeia. Orgulhosamente sozinhos...
    Sei que houve mais tentativas de negocio neste tipo de habitacao, sendo que as coisas e modos como decoreram nao me dizem respeito, mas por ser publico chamo pelo nome.
    Existe em Forninhos uma outra casa que se propos a este negocio.
    O senhor, de seu nome Eduardo Santos adquiriu e recuperou, com bom gosto por sinal, uma casa antiga. O negocio a ele pertence, tal como as possiveis desavencas com a do lado...coisas deles.
    Mas este senhor teve pelo menos o "merito" de se infiltrar nos agentes politicos locais como o conhecedor profundo das serranias doiradas de S. Pedro.
    Claro que partilhou os seus pseudos conhecimentos com as sumidades que escreveram a "coisa", esperando porventura uma enchente de turistas.
    Apostou no cavalo errado. Politicos inertes, mal vistos pelo nada feito e o muito desfeito.
    A mim custa mais que a estes senhores dizerem que coisas em S. Pedro estao ao abandono e o Ricardo sabe do que falo.
    Mas voltem anos atras, cinquenta, aquando nos e os meus pai ali andavamos a semear centeio no Castro e junto da Cadeira que nos pertence. Percebem...tem dono!
    Agora que a culpa nao morra solteira.
    Eu pessoalmente e o sr. Ricardo sabe, autorizei tudo o que se referia a estudos naquela area e maldito o dia, por no fim vir a saber que serviu de ensaio para uma obra "laureada" dos outros com conivencia dos nossos.
    Nao tivessem dono estas coisas e porventura estariam nos Valagotes...junto dos sarcofagos que serviam de pia para os animais.
    E quem tem as moedas e o machado romanos, deve estar farto de rir...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas há um ditado popular que diz: Quem ri por último ri melhor! Ditado que aplico a uns e a outros: uns julgando que nos enganavam com o machado, mas a gente apanhou-os na mentira; outros, julgavam que iam ganhar com isto, mas perderam o discernimento...
      Em relação ao "orgulhosamente sozinhos" há muito que aqui falamos de parcerias e cooperação com as outras freguesias e até concelhos que delimitam com Forninhos, mas lá está...preferem os divisionismos e virar as agulhas na direcção do nada.

      Eliminar
  5. Aqui venho novamente, agora mais bem calçado, digo, com o meu computador reparado, e desde já peço desculpa, pelo texto anterior, desprovido de acentos, pontos, vírgulas e por aí a fora, mas com um tablet é difícil de fazer o que queremos.
    Antes de mais nada, quero frisar que, o que escrevi e o que vou escrever, o faço com amor à minha terra FORNINHOS. Nesta altura das vindimas, ganhei uma alma nova, mais forças para me debater por causas injustas que nela se fazem. A venda ilícita dos Baldios (o que posso provar aos interessados) foi o transbordar da tolerância da paciência de um Forniense com caráter e personalidade, atributos que pouco abunda na povoação, mas tive oportunidade
    de confirmar, que algumas pessoas o têm, (mais à frente, explicarei). O primeiro Baldio, para ser registado em nome do comprador, teve que se requerer ao Usucapião,(lei que não concordo porque, por vezes, rouba legalmente o proprietário) e para calar o povo, o comprador convida todo o povo de Forninhos e Valagotes (200 pessoas adultas) para um almoço, no Parque de Nossa Sra. de Fátima, lugar onde tem a sua MARCA TERRITORIAL. Para espanto, não só, quase todo o povo marcou presença, como estiveram cerca de 400 pessoas ( segundo jornal regional). Por aqui se pode verificar a monopolização de interesses entre compadrios, e a plateia acompanha. Isto ficará registado, futuramente, è a vergonha das vergonhas, e ainda, perguntaram, às tais pessoas com caráter, porque não foram. Se ninguém travar estas gentes, Forninhos vai ser um terceiro mundo.
    Quanto aos achados do Castelo, do Castro, do Cemitério teve o mesmo destino que os Serafins, do S. Pedro, do relógio da Igreja, dos pilares de granito das latadas do Passal e ....
    Já agora, uma das sepulturas do cemitério de S. Pedro, está num dos jardins dos Brasileiros que compraram, ilicitamente, os Baldios.
    Quem é contras estas atrocidades, que se manifeste, que bata o pé a esta gente que se julga dona de Forninhos, que veja onde é empregue o dinheiro da Freguesia. Forninhos tem bastante património, mas alguém, se quer aproveitar dele. Por aqui me fico, mas não adormeço.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó Henrique se quem dizia/defendia que as urnas de S. Pedro deviam ser devolvidas, mas que ninguém estava interessado na sua recuperação, anda agora também a comer à conta desses senhores, o mais certo é não se importar minimamente que enfeitem o seu jardim!
      Aos Valagotes não foi parar só uma!!
      E se o jornal regional aponta cerca de 400 pessoas e Forninhos e Valagotes juntos se calhar não têm 200 habitantes, como é que pode ser isto?
      Algo vai muito mal e as pessoas de Forninhos perderam mesmo toda a vergonha (se é que ainda tinham alguma)!
      Uma coisa é certa, quem anda a vender os baldios foi quem mais criticou a venda dos pinheiros (para aquisição da compra da carrinha da Junta), mas afinal quem vendeu os criticados pinheiros nem um 8 deu ao casal popularmente chamado de "brasileiros" e eles deram-lhes um 80!

      Eliminar
  6. Olá amigo, passei por aqui para agradecer sua doce presença
    no meu cantinho.Obrigada !!!
    Abraços, Marie.

    ResponderEliminar
  7. Tão bom ler o texto e ver as discussões.Aprendemos sobre lá! bjs,m chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como alguém uma vez (Dez/2009) aqui disse "..é bom falarmos sem tabus daquilo que pensamos sobre qualquer que seja o assunto." E eu acrescento: deve-se discutir tudo (sobretudo o interessante). Bjos.

      Eliminar
  8. Muito bom vir aqui, e encontrar mais um lindo post sobre a historia de Forninhos.
    Volto durante a semana, para ler os que perdi.
    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto em vê-la por cá :-)
      Andou 'fugida'!

      Grande abraço.

      Eliminar
  9. Duas casas de turismo rural não é nada mau!...Mas se não se promoverem as boas condições de visitabilidade, o turismo não terá tendência a crescer como seria desejável. Sem placas a indicar as rotas para ver o que interessa, será difícil encontrar os locais dignos de visita.
    Não sei como crianças a pastorear rebanhos poderão ser consideradas responsáveis pela destruição do que quer que seja...e pelo desaparecimento dos sarcófagos ninguém parece saber ou querer responder. Que o "Castelo" possa vir ainda a ser protegido.
    Haja esperança numa maior dedicação à terra!
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é Laura, é de lamentar a falta de interesse das autoridades que deixaram perder um património tão importante!
      Em Forninhos não é preciso grandes investimentos, basta preservar o que ainda resta e corrigir alguns erros cometidos, mas enquanto houver receio em dizer o que pensam sobre a coisa pública, não haverá alternativa ao poder instalado e é uma pena, porque uma terra que recebeu de herança elementos arqueológicos que são testemunho histórico e cultural das civilizações que aqui habitaram ou transitaram, não merecia ser representada por pessoas que subestimam tal herança.
      A esperança é a última a morrer...

      Eliminar
  10. Oi Paula!
    Continue a denunciar esses abusos e também a incentivar os moradores a fazer o mesmo, pois apesar de o seu grito e o do xico serem ouvido por muitos, é preciso que toda população se envolva com a causa, afinal é a identidade de um povo que pode está ameaçada de desaparecer, e como você bem diz, não precisaria de grandes investimentos, e sim bastaria preservar o que ainda resta.
    Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa noite Paula,
      Permita-me que seja directa e use uma expressão informal: "quem fala assim, não é gaga"!
      Admira-o imenso, como tive ocasião de lhe dizer pessoalmente quando nos encontrámos em Lisboa com a Anete, pelo facto de defender com garra o Património da vossa aldeia!
      Continue sempre assim! Um dia alguém a ouvirá!
      Um beijinho e continuação de boa semana.
      Ailime

      Eliminar
    2. Respondendo às duas com a mesma resposta:
      Arrisco dizer que devido à partilha do que somos e sabemos, ouvem-nos bem! 417,915 visualizações é um número jeitoso para uma aldeia que tem pouco mais de 200 habitantes!
      Mas a autarquia é quem podia e devia dar o exemplo aos seus concidadãos começando por realizar uma sessão pública a fim de discutir o futuro da aldeia e da serra. Até podia lançar um concurso de ideias de como melhorar a aldeia e a serra.
      Beijos.

      Eliminar
  11. Confesso que fico comovido com determinados comentarios aqui trazidos.
    A semente de meia duzia de anos vai frutificando e trazendo proveitos.
    Primeiro, a vossa solidariedade por uma Causa que comungam na sua almejada realidade de dar continuidade a uma filosofia, tao simples e cara para todos, nao fosse o maldito interesse de gentes que nunca aprendeu o termo "comunidade unida".
    Na certeza porem de que ano apos ano, vamos indo mais alem sem proveitos pessoais, pelo contrario, cuspidos na cara em tantas vezes de "isto e aqulo.." e agora "temidos" por uns e respeitados por outros.
    Claro que anseiam pelas novidades do blog da Paula, Os Forninhenses, pela sua matriz.
    Tambem eu e por tal vou colaborando dentro do possivel num modo mais complementar de prosa e verso. Ela com os registos serios e documentados e eu com aquilo que melhor posso...estorias e enredos...reais.
    Por tal pergunto a quem e porque motivo nao se cria um movimento que salvaguarde a "Alma" forninhense?
    Pessoalmente estou receptivo a participar de alma e coracao em tal.
    Mas sem politiquices nem interesses pessoais. Apenas as gentes que adoram Forninhos, sejam de dentro ou de fora.
    E se tivermos de ser apenas os dois, ainda nao nos cansamos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Xico, é difícil exigir a uma terra onde reina o interesse partidário sobre o interesse público, que se tenha um debate sério e preciso, porque se isso fosse norma de certeza que não se cometiam tantas asneiras.
      Forninhos parou num tempo antes, ainda obedecem aos "senhores" da terra e é triste porque hoje sabem que só sabiam explorar os que dependiam deles.
      Em Forninhos, cada vez há mais irregularidades e desigualdades, portanto a "luta" que iniciamos em 2009 e continuará...

      Eliminar
    2. Ó idade, ainda não deu para perceberes, que no vosso caminho, vai mais gente atrás, e não só sou eu! O caminho é em frente.
      Abraço.

      Eliminar
    3. Boa noite Henrique.
      Jamais poria em causa a tua solidariedade por uma causa comum.
      A honra da nossa terra!
      Tens a coragem de "dar o corpo as balas", mas o mesmo nao se passa e por tal a minha revolta, com tantas e tantos que aqui vinham comentar meia duzia de anos atras, sem medos.
      Foram ficando pelo caminho por politiquices, embora a gente saiba que aquelas conversas de quando nos abordam e "sao os maiores", nao conseguem esconder falta de coragem.
      De um modo ou outro e face a esta dimensao, mais vale ficar calado e ler no remanso da noite.
      Quem quiser vir comentar, esta na mesma linha, nem mais atras ou a frente, na certeza porem de que um dia irao torcer a orelha pelo nada que fizerem sentados no sofa.
      Para o proximo mes, celebramos seis anos, muito tempo. Que venham mais seis e que continues por aqui a dar a conhecer e partilhar coisas que guardas tao bem!
      Abraco "idade" mais velho...

      Eliminar
    4. Forninhos, uma terra, uma povoação com património, história, tradição e costumes: por tudo isto, àqueles que tudo querem alterar, a minha batalha, só pararei, quando me for. Força para todos que comungam a mesma causa.
      Forninhos é bonito, Forninhos é lindo, em Forninhos está-se bem, em Forninhos vive-se bem, Forninhos é saudável, vamos lutar pelo bem dele, ele é nosso.

      Eliminar
  12. A denúncia pode ser uma forma de fazer reparar as injustiças.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que a lei nem sempre é justa, mas se não denunciarmos os abusos nunca se fará justiça. Se com isto aquele que abusa do poder fôr penalizado melhor ainda.
      Abraço amigo.

      Eliminar
  13. O vosso blog está de parabéns pois dá a conhecer uma localidade cheia de História e repleta de histórias que despertam a nossa curiosidade e aguça o nosso desejo de a conhecer! Um dia destes visito_vos! Uma noite tranquila!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Graça. Espero que o próximo 'post' avive ainda mais a vontade de viajar por estes lados numa visita.
      Beijos.

      Eliminar
  14. Tem mais impato escrever neste blog que em circuitos supostamente mais
    abrangentes , como jornais diários e regonais , lidos por milhares de pessoas
    onde a opiniâo vulgariza-se e perde-se a causa efeito da mensagem !!!
    É como atirar uma pedra no mar ou atirar uma pedra para uma banheira...
    Muito do que escrevi aqui em jeito de " Bruno Carvalho " em outos sitios foi zero. porque na multidão....eu sou uma areia , numa aldeia somos um Mundo !
    Imagino o impato que tem as " lutas " que travam os forninhenses junto do Poder Local ?? Interessante , continuem !!
    A história e todos os fenónemos que aqui expõem tem uma alma , que eu nunca tinha visto....em lugares tão pequenos e longe dos centros de decisão !!!

    Concordo com a denúncia , desde que fundamentada , mesmo que discutivel ,ela
    desperta sentimentos , pontos de vista , faz " abanar-nos " num Mundo cada vez mais complexo e dificil...?
    O blog de Forninhos é bom exemplo de como nos podemos ocupar do todo , de forma útil , coisa que é cada vez mais rara no Interior , nas aldeias , onde quase tudo se parece perder !!
    O pior que me aconteceu na Vida( entre outros coisas ) foi perder os elos com o passado , as casas que que meus avós viveram , caídas de história....
    Tive um bisavô que morreu com 102 anos , conheci-o ....!!

    Ninguém se interessou por isso , nem panelas nem tachos guardámos...
    A ganância e as carreiras foram colocadas á frente ....quando depois se olha para trás é tarde !! Não temos nada senão a memória ....!!

    Quis neste blog fazer a ponte entre ( tragédias e desastres ) promovi o passado com a esperança de um futuro MELHOR !!

    Devo á Paula e ao Xico .....e aos forninhenses !!
    Minha mãe queria que eu fosse padre , quis ser jornalista, faltou-me miléssimas , acabei comercial de carreira.... um dia quem sabe , pagarei pelos meus dois vicios , trabalhar muito para ganhar pouco e escrever muito para nada GANHAR ??!!

    Mas sinto-me bem a escrever.....na empresa onde trabalho , chamam-me o " telex" sempre a correr , e em tempo útil , como agora existe net em todo o lado , resolvo encomendas , cobranças e assistência á velocidade da luz...
    Mas...os nossos avós não seriam mais felizes , sem tudo isto ????

    Abr a todos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro António Gouveia:
      Há pessoas que acham que para mudar o que quer que seja em Forninhos tem de haver um projecto/um plano abrangente, começando por sensibilizar os detentores de áreas de lazer, para a importância da qualidade de serviços a prestar a quem nos visita, restauração das nossas casinhas de granito, mudança dos acrílicos (placas toponímicas), da revitalização da serra etc. e tal...
      Já eu costumo dizer que acredito em pessoas, não acredito em projectos, ou seja, todos os projectos são aquilo que as pessoas que os gerem fazem deles.
      Olhando esta foto, de alguns anos atrás, fica a sensação se a Junta amanhã nada fizer, não termos mais hipótese de irmos visitar e fotografar aqueles 'montes de pedras': castro e antiga aldeia, já que são de propriedade privada.
      Bom fds e obrigada pela manifestação de apreço.

      Eliminar
    2. Bem haja ,Paula !!

      As pessoas sempre em primeiro lugar.....!!
      Temos moldar o pensamento, passaram 40 anos que vivemos a liberdade de estar e pensar !!
      Não me importa , o sexo, a idade , a religião , o modo de vestir ....
      Aprendi a lidar com gente de todas as raças , tenho clientes nepaleses, indianos , turcos , ortodoxos , gays , lésbicas ,invisuais ....jeovás ( estive agora com um de Leiria ) etc etc etc
      Gostava que os portugueses se aproximassem no pensamento nórdico,
      não só no modo de produzir, como no modo de viver em sociedade !!

      Um dia , vendia vinho em part time, em Lisboa , aos Sabados, com outro madeirense radicado e estacionei o carro algures !!
      Um arrumador veio pedir - me uma moeda !! Não dei . Dei-lhe uma garrafa de vinho !! O sr já meio velhote , sujo, deu-me um meio abraço ...
      e disse - me : " Sabe , amigo , já bebi do melhor vinho , já tive uma grande vida , já tive projetos , mas , acredite , o pior de tudo , não é o dinheiro ,são as pessoas..... !!! "

      Aquilo que leio aqui , entre forninhenses , é só uma questão de vontade e ALMA....!! Com Alma e Amor e uma Sopa , consefue-se tudo. dizia a minha M JOSÉ. ,Bem , haja .

      No OBSERVADOR já promovi FORNINHOS !!!!
      Leio tudo ,vou tentar participar menos...por falta de tempo ..e porque não domino o concreto que vos incomoda no dia a dia da Aldeia !!

      Nota. Depois de cinco tentativas aqui de casa e de estações de correio
      para perceber como estava o meu pai . Eis que , graças , ao que aqui se escreveu de forma cobarde e anónima , já sei como está meu pai , quem cuida dele e quem não cuida...e vou viajar em breve para " paticipar " ativamente e contar aqui , se me deixarem .!!!!
      Até porque " anda um ladrão á solta desde 2001 ?? "
      Meu pai VAI MORRER com DIGNIDADE , quando DEUS quiser !!!!

      Força FORNINHOS ( com letra grande )
      Porque Madeira , escreve-se com LETRA GRANDE !!

      Eliminar
  15. Forninhos com as suas muitas peculiaridades! Lendo vocês e aprendendo/conhecendo mais detalhes... Um sítio cativante!

    Agora já em casa... Foram férias lindas demais...
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São elas (as peculiaridades) que dão vida ao património votado ao esquecimento.

      Bjs e bom regresso a casa :-)

      Eliminar
  16. É de lamentar ver património abandonado...são pedaços da nossa história...das nossas origens.

    Tem que haver solução para se eliminarem as injustiças.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.