Seguidores

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Forninhos no mapa da história

Clique para ampliar

Este mapa militar, feito em 1808, é da nossa região. Parece-me que o itinerário era o mesmo que fazia o Correio entre Viseu e Trancoso ao tempo das memórias paroquiais - 1758 - pois pode ver-se Sezures, Forninhos, Penaverde, Cazaes (Casaes do Monte) e Trancoso. 
O itinerário completo por nós conhecido passava pela Insua, Esmolfe, Sezures, Boco, Quinta da Ponte, Forninhos, Penaverde, Casal do Monte, Venda do Cepo, Trancoso.
Também se vê neste mapa mais umas localidades do concelho de Penalva do Castelo: Antas e Vila Cova e do concelho de Fornos (sem Algodres), além do Casal do Monte, consegue-se ver ainda Maceira e Juncais (Juncal).
Agora, para comparação, publica-se um mapa, feito em 1915, já mais de acordo com a realidade que hoje conhecemos, em que já aparece a Venda do Cepo e Fornos (com Algodres) já não aparece na margem sul do Mondego.

Mapa 1915
Mas pondo de parte o mapa de 1915, concentre-mo-nos no de 1808, visto que é provável que foi por esta estrada que nas vésperas da batalha de Aljubarrota, em Abril ou Maio de 1385, passaram as tropas espanholas, que iriam conhecer uma pesada derrota em Trancoso.
Itinerário seguido na Beira Alta, que se encontra em livros da especialidade e se refere à História Geral: Valverde, Pereiro, Pinhel, Póvoa de El-Rei, Trancoso, Venda do Cepo, Casal do Monte, Penaverde, FORNINHOS, Cesures, Esmolfe, Penalva do Castelo, Insua, Róriz, Povolide, Corvos à Nogueira, Rio de Loba, Viseu.
No regresso a Viseu teria sido a batalha de Trancoso.
Porém, não escapa à observação de muitos investigadores (no caso, aos que "investigaram" a terra dos nossos avós) que grande parte do trajecto seguido pelos soldados do Oitavo Corpo do Exército Francês, sob o comando de Junot, em Setembro de 1810, foi também o do Fronteiro castelhano em 1385.
Se há provas da passagem dos exércitos franceses por Forninhos?
Não há, simplesmente porque "todos os caminhos vão dar a Roma"!
Partindo de Trancoso podem os exércitos ter rumado a Viseu através de outro itinerário.

22 comentários:

  1. Muito interessante.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito interessante. E dá que pensar...que nessa época, era mais fácil passar por Forninhos do que hoje!
      Um abraço.

      Eliminar
  2. Uma terra com ligação à nossa História! Tudo de bom e um dia destes irei aparecer para conhecer!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É com muito orgulho e muitas vezes com surpresa que dou comigo a pensar: "mas como é que a minha aldeia tem tanta história?".
      Bj**

      Eliminar
  3. Forninhos, uma localidade cheia de história que se perde no tempo.

    É de enaltecer o vosso trabalho de pesquisa para que não caia no esquecimento.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto muito de fazer 'post´s históricos' e tento que se guarde uma parte do que testemunha a nossa identidade colectiva, seja ela qual fôr.
      Beijinhos.

      Eliminar
  4. Mais uma informação que leio com imenso agrado.
    Os meus ascendentes paternos são dessa zona, tendo o meu pai nascido na Guarda.
    Tenho imensa pena de não ter tido acesso às partituras e composições do meu avô paterno, Miguel Nunes da Silva, que, na altura, foi conhecido pelo Miguel da rebeca. Tocava e compunha peças para violino. O irmão, meu tio-avô, Alberto da Silva, foi professor no liceu da Guarda.
    De repente, nas tuas pesquisas, ainda me dás informações! Adoraria!
    Beijinhos, Paula

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Teresinha.
      Talvez as partiduras do seu avô se encontrem em uma biblioteca da Guarda para que os músicos do presente e do futuro possam consultar a sua obra.
      Sobre o assunto gostava de ajudar mais, mas...
      Beijinhos & Abraço.

      Eliminar
  5. Que vergonha, já nem me recordava da batalha de Trancoso, nem em que altura teria sido...!
    Quanto às tropas comandadas por Junot, se não existem dados históricos da sua passagem na mesma rota, não poderá afirmar-se que o trajecto tenha sido o mesmo. Adivinhação não combina com factos históricos, embora seja certo que "todos os caminhos vão dar a Roma". ;-)
    Bela pesquisa, Paula!
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quase não se fala das invasões castelhanas Laura!
      Das invasões francesas, como a terceira se fez sentir na nossa Beira, o que a história diz é que partindo de Pinhel, passaram em Trancoso, rumando a Viseu. Se terão pisado a terra de Forninhos não sei, o que sei é que existiam outros itinerários para Viseu que não passavam por Forninhos. Até li num livro da região que de Trancoso para Viseu estiveram acampados em Maceira, que é concelho de Fornos de Algodres, portanto, o mais provável é que aí existisse alguma ligação para Viseu.
      Mas acreditar nas investigações de "investigadores de meia tijela" até lendas relacionadas com as invasões francesas se contam em Forninhos! É pena, até hoje 25 de Novembro 2015 eu não conhecer tais lendas ou tradições orais!
      Cpts.

      Eliminar
  6. Boa noite Paula,
    Uma informação importante sobre a relevância de Forninhos na nossa História.
    Gostei de relembrar a batalha de Trancoso e as Invasões Francesas e observar nos mapas a localização de muitas vilas e aldeias relacionadas.
    Com o tempo vamos perdendo algumas memórias (falo por mim) e é sempre útil recordar!
    (Já agora digo que visitei Almeida e Trancoso há já alguns anos;)), afinal tão próximas de Forninhos)!
    Um excelente texto de investigação!
    Beijinhos e continuação de boa semana.
    Ailime

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esteve mesmo perto de Forninhos Ailime! De Trancoso a Forninhos são cerca de 26 quilómetros, só que naquele tempo a distância era medida em léguas e não em quilómetros (1 légua = 5/6Km).
      Beijinhos.

      Eliminar
  7. Houvera interesse e coragem em se fazer uma pesquisa seria e Forninhos poderia e porventura devia figurar num roteiro historico de manifesto interesse para alem do falhado arqueologico.
    Olhando para tras e nas suas mais que comprovadas marcas que se encontram por estes caminhos, passaram suevos e visigodos, lusitanos, romanos, espanhois e franceses, entre outros.Como muitas estorias por apurar e que com o tempo se vao adulterando e perdendo.
    Por tal por vezes sinto uma revolta incontida pelo modo como se aborda a tematica da importancia de Forninhos em tempos recuados.
    Parece que a energia e coragem que tinham os seus nativos na alcantilada serra de S. Pedro se perdeu na magia do canto das moiras encantas e agora mais abaixo, no vale, tal ficou enterrada, contrariamente a outros gentes que apesar dos nomes terem mudado, como Castendo para Penalva, Cabra para Ribamondego e outros tantos na regiao, apresentam projectos serios para aprofundar a sua origem e autenticidade em prol da comunidade e sem recorrer a "Legiao Estrangeira" a soldo.
    Deixo apenas no ar uma pergunta, sera que os estudiosos puseram a hipotese de por aqui passarem tambem peregrinos a caminho de Santiago de Compostela?
    Registos de tal existem e em lugares nao muito distantes. Ponte do Abade dos que vinham da Senhora da Lapa passando por Aguiar da Beira a caminho de Trancoso. De Mangualde e Penalva, seguiam o curso do rio Dao e em Mareco, ainda fazem caminhadas em homenagem aos peregrinos que rumavam a Santiago, num percurso de oito quilometros a que chamam Caminho dos Galegos.
    Parabens Paula, excelente post!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na volta até o elefante Salomão (o tal do livro de Saramago) passou por Forninhos!
      Mas, sabes, chego à conclusão que o mal não foi dos "estudiosos", mas de quem usou o dinheiro público para promover a ignorância e a incultura.
      Um exemplo entre muitos:
      "...Forninhos não ficou indiferente a esses episódios marcantes, muitos deles transformados em lendas e tradições orais como é o caso das Invasões Francesas.", uma pura invenção que não tem qualquer suporte documental e oral.

      Eliminar
  8. Não tenho capacidade de reter todos os locais por onde passo quando vou a essa zona. O que sinto é que é dos roteiros mais agradáveis de se fazer pela variedade da paisagem, sua história, seus castelos- Trancoso, Penalva, Santuário da Sra da Lapa- e tantos mais, Ah...e a pitoresca vila de Forninhos com a sua igreja,
    Parabéns Paula por todo o trabalho de pesquisa
    Beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. .......E as Termas da Cavaca ??!!
      Um lugar mítico , com história , abandonado , digno de cenário para um filme do Harry Potter !!
      Era um passeio bonito , nas minhas passagens por Forninhos .
      Anos 90 . Agora não sei ....??

      Belo " post" . Rico em História !
      Parabéns á autora !

      Abr
      MG

      Eliminar
    2. Agradeço à Manuela a emoção que me provocou com as linhas que escreveu.
      Este post não é só sobre Forninhos, é sobre a Beira toda.
      Beijinhos.

      António Gouveia, as Caldas da Cavaca foram reactivadas em 2008 para tratar da saúde e matar saudades, mas de lá para cá muita coisa mudou. Um dia ainda dedico umas linhas às Termas das Caldas.
      Abraço.

      Eliminar
    3. Obrigado, Paula

      Outro passeio com Forninhos " como ilha" é sair de manhã para Sul ,
      direção de Fornos , Celorico e Vila Franca das Naves e entrar pela Sra dos Verdes ao fim do dia. Muito interessante !!...
      De Vila Franca das Naves lembro-me da Cooperativa com os seus depósitos de vinho , se a memória não me atreiçoa ( ?! )
      É impressionante os caminhos , os lugares , as pastagens , leitarias e queijarias em redor de Forninhos....
      Recuando ás Invasões Francesas, pois , só um enorme trabalho de investigação, pode ajudar a perceber o que se passou !!
      Tarefa que não será para todos !!

      Sobre Patrimómio , lembrei-me de vocês quando passei há dias nas costas do Castelo de S Jorge , voltado para a Sé . As ruinas do Teatro Romano mereciam melhor estrutura e apresentação ....??
      Património reconhecido desde 1967 , com milhares de turistas todos os dias ali a passar ......em Lisboa , claro .
      Enfim....

      Abr
      AMG

      Eliminar
  9. Foi o que me aprouve trazer, algo, na simplicidade do poeta...
    "...Amigo
    Maior que o pensamento
    Por essa estrada amigo vem
    Não percas tempo que o vento
    É meu amigo também
    Em terras
    Em todas as fronteiras
    Seja benvindo quem vier por bem
    Se alguém houver que não queira
    Trá-lo contigo também
    Aqueles
    Aqueles que ficaram
    (Em toda a parte todo o mundo tem)
    Em sonhos me visitaram
    Traz outro amigo também...".

    Por tal, vou escabulhar um pouco os sentimentos das gentes que sentem uma alma forninnhense, mais de ca que os de ca e sem enganos, pois tal houver, que me desmintam.
    Um dia, houve um doidivinas "escloresado" que intitulou este Blog como "pagina \carioca". Uma Honra por vir de gentes cultas que nos honram por saberem e sentirem...e partilharem raizes dos seus antepassados, iguais aos nossos, irmaos!
    Deixem que a gente prossiga com calma a manifesta vontade, na procura da verdade das nossas origens que nada nos envergonham.
    Releio os comentarios supra e temos mais coragem...
    Gentes que por aqui perto andaram por perto, outros que aqui estiveram
    vindos de um local que amo, Terras do Bouro.
    Permitam sem menosprezo pelos outros.
    Um risco, mas...
    Laura, falar com a noite adiantada, sentir o cheiro da madrugada.
    Teresinha, um dia irei ler a historia dos seus...
    Ailime, "parte" o coracao pela irmandade dos mesmos costumes, ainda por cima o avo...
    Mas neste meu comentario,, a grande poetisa e fratena amiga que tenho de enaltecerA poetisa e escritora terrabourense Dra. Manuela Barroso, a «Nelinha», filha do saudoso senhor Nogueira e da dona «Cilinha» Barroso – S. Pantaleão/Balança – apresentou no dia 5 de maio, às 16:00 horas, a sua mais recente obra: «Inquietudes».
    Foi a Forninhos e tal conhecer, pena a gente nao se ter encontrado.
    Perguntam, tudo is to a proposito de que?
    Do Post!
    Os caminhos para tal serem, devem ser palmilhados, tal como eu durante anos fiz no caminho transverso da mata da Albergaria edescendo por Travassos ao lugar de Terras do Bouro.
    A professora fez o inverso, Quinta de Sto. Estevao e chegou a Forninhos no dia de pascoa passado.
    Singulares os caminhos...


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já antes da "página carioca" tinha chamado a este Blog "blog de latrina", mas decerto conheces o ditado: "Chama-a puta a ela, antes que ela te chame a ti". Tomara ele na altura ter comentadores cultos como nós hoje temos!
      Mas também te digo, de todos, para mim, ele era (e é) o mais inteligente!

      Eliminar
  10. Olá Paula... Forninhos e sua participação na história!
    Pesquisando sempre e divulgando carinhosamente a sua terrinha... Isso mesmo!...
    Um bom sábado! Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem de ser Anete.
      Estes mapas já foram publicados noutros Blog´s da região, mas cada blogger publica à sua maneira e eu quis mostrar isso mesmo, a possível participação de uma aldeia tão pequenina (Forninhos) na História Geral!
      Beijinhos.

      Eliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.