Seguidores

sábado, 1 de maio de 2010

Tradições do 1.º dia do mês de Maio

O porquê de castanhas neste Post do 1.º dia do mês de Maio?
Aqui tudo tem uma razão de ser. E hoje vamos lembrar uma tradição que se cumpria n´outros tempos no 1.º dia do mês de Maio. Ou seja, neste dia era costume perguntar-se aos miúdos: Já comeste a castanha hoje? Se não o burro engana-te!
Os tempos hoje são outros e é normal a venda de castanhas durante todo o ano, mas antigamente só se comiam castanhas frescas no Inverno ou então pilavam-se. Portanto, não era normal haver castanhas frescas em Maio, mas havia sempre quem as guardásse de propósito para esta altura. Lembro-me com saudade da minha avó "Coelha" que, neste dia, ofereceria-me a castanha e eu, claro, rilhava-a com gosto e assim já podia ouvir o burro ou passar por ele, pois ficava "vacinada" para todo o ano.

Um Bom mês de Maio a todos!

5 comentários:

  1. Pois ainda há muita gente que guarda as castanhas do inverno para esse dia, mas os mais novos já não sabem nada dessa tradição antiga. Está tudo muito diferente, nesse dia todas as pessoas procuravam se já tinham comido castanhas ou se tinham castanhas, hoje não acontece isso.

    ResponderEliminar
  2. Olá a todos.

    Havia realmente este dito, tinha que se comer uma castanha antes de se ver o burro, para não ser enganado.
    Só que agora, em forninhosn já não há burros, por isso, não é necessário comer a castanha, aliás, também já não há castanhas, nestas freguesias a sul do concelho, apareceu uma doença, nos castanheiros já a alguns anos, e nunca mais se desenvolveram, não sei porquê.
    Já quanto aos burros, é um animal protegido em algumas regiões por estar em vias de extinção.
    Em forninhos, creio que já não há nenhum. Quando as pessoas precisavam destes animais para transportar os estrumes (fertilizante orgânico) para as sementeiras, umas vezes na carroça outras em camgalhas, para quem não sabe, era uma espécie de albarda de madeira que era assente no lombo do bicho, e lá tinha de o carregar, mas hoje tudo mudou, alargaram-se os caminhos, e utilizam-se os tratotores.
    Também eram muito utilizados pelos moleiros no transporte das taleigas, (sacos com farinha).
    Algumas ruas de forninhos também eram estreitas, portanto, propícia a este tipo de transporte.
    Desviei-me um pouco das castanhas, mas o mês é dos burros.

    Um abraço a todos

    ResponderEliminar
  3. Esta é uma das nossas tradições que os tempos modernos não nos deixam preservar, mas que nós não deixamos no esquecimento ;)

    Quanto à castanha e ao castanheiro quero sublinhar que estão ligados a muitas tradições, orais (advinhas, cantigas, poemas), festivas, gastronómicas e até lúdicas (jogos). A verdade é que o castanheiro sempre teve um papel importante no nosso distrito, tanto que até é frequente haver nomes de terras ligados aos castanheiros, aliás, no nosso concelho existe uma freguesia com a denominação inerente ao castanheiro: Souto de AGB.

    ResponderEliminar
  4. Olá a todos.

    E porque ainda estamos no mês dos burros, não queria deixar a oportunidade para falar destes animais que tão úteis foram ao longo dos tempos, lembro por exemplo, que transporto a Virgem Mãe e seu Menino.
    Não entendo ainda hoje, como associam o burro a pessoas pouco inteligentes, expressão muito usada também nas escolas para aquelas crianças que têm mais dificuldades em assimilar a lição.
    Em certa altura da minha adolescência, eu utilizava uma carroça puxada por um burro, ou burra, já me não lembro, para ir ao lameiro ou nabal buscar alimento para as vacas, e quando a carroça ia vazia, aproveitava para fazer dela o meu “Ferrari”, claro, que o animal tinha de ser fustigado.
    Em certas alturas quando atingia uma certa velocidade, (velocidade de cruzeiro para aquele tipo de transporte) o burro ou burra, baixava a cabeça, e com um pequeno abrandamento a canga passava por cima e ia para o chão, saltava e esperava mais á frente, e o “piloto” estendia-se pelo chão fora. Isto acontecia frequentemente, e eu pergunto?
    O epíteto de burro como nós o idealizamos na nossa cabeça, aplica-se, neste caso, ao “motor” ou ao “piloto”?
    São as nossas histórias de vida vivida.

    Um abraço a todos, e não se riam muito.

    ResponderEliminar
  5. HEHEHEHE
    Também nas minhas brincadeiras de criança, era comum pegarmos nos carros-de-mãos e carroças que se encontravam nas ruas de Forninhos e qualquer um de nós fazer o papel deste animal que tanto já fez pela nossa lavoura, que tanto ajudou os nossos agricultores e, nessa altura, gritávamos bem alto:
    Arre Burro!!!
    Ora, neste contexto o “piloto” era o burro, pois claro ;)

    Outra “brincadeira”, ao que sei, tem a ver com a escola e aprendizagem. Ou seja, antigamente o mês de Maio era decisivo para as crianças que andassem na escola, irem ou não a exame, o que fazia toda a diferença. Ir, era passar, quase de certeza, pois a professora só levava aqueles que sabia capazes e que não chumbavam. Os que não iam, eram os "burros" como então se dizia, dos que não aprendiam. Não sei se era bem assim, mas estou a vender “a coisa” tal como a comprei ;) e isto explica porque se chama “burros” às pessoas desprovidas de inteligência, mas sinceramente também não sei porquê, pois o burro (animal de 4 patas) cumpre direitinho a sua função, faz o trabalho correctamente e quando bem treinado dificilmente faz alguma coisa errada.
    Havia um Sr. que foi meu vizinho, a quem chamavam o tio Agostinho “Gira-Discos” que tinha uma burra muito bem treinada, mas que de vez em quando empancava e este Sr. costumava dizer que “agora é que são elas” e isto porquê? Porque o burro não gosta de fazer nada forçado, é teimoso e quando cisma em não fazer algo, não faz! Portanto, concordo mais que se chame "burro" a um TEIMOSO, do que a alguém que não faz as coisas bem feitas ou não aprende, pois o burro é um animal que desde que bem conduzido faz o seu trabalho bem feito e estar a dar-lhe um sentido diferente parece-me, isso sim, que é burrice :)) talvez idiota seria o termo melhor aplicado.

    Também existem outras histórias e brincadeiras ligadas ao burro. Por exemplo, quando alguma criancita corta o cabelito ouvem-se “insultos” do género: “foste à tosquia como os burros”. Não tenho a certeza, mas acho que este tipo de “brincadeira” respeitava a quem cortava o cabelo no mês de Março, pois é o mês da tosquia dos burros (de 4 patas). Quanto ao facto de ao mês de Maio o povo ter-lhe dado o nome deste animal, julgo que tem a ver com o facto de as burras emprenharem neste mês de Maio e como andam 12 meses prenhas, os burritos nascem em Maio, daí o costume de comer a castanha, senão o burro engana-te!

    Alguém conhece outras versões?

    ResponderEliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.