Seguidores

sexta-feira, 22 de março de 2013

Os Doces



Os doces, assim simplesmente chamados, já se perdem nas memórias do tempo, à semelhança do bolo de azeite sempre foram referências por altura da Páscoa. Como se vai perdendo a maneira antiga como eram feitos, fica aqui a receita "a olho", dada por gente antiga que continua a tradição. Quem não se lembra da expressão "vá lá, não te acanhes e mete um doce à boca"?
Aqui vai:
Parte os ovos e deita num alguidar, juntando açucar a gosto e bate bem batido. De seguida, junta três partes de farinha de trigo e uma de milho, para os doces ficarem rijinhos. Deita um bocadinho de aguardente, de azeite e de leite. Adiciona farinha se precisar. Junta uma colher de chá de fermento Royal e outra de soda.
Bate tudo muito bem ou na batedeira ou e de preferência com uma colher de pau.
Tende a massa num tabuleiro às colheradas e vai ao forno bem quentinho, para subirem.
Fácil e delicioso.
Antigamente guardavam-se na maceira e duravam imenso tempo.

Feliz Páscoa a todos e que sejamos doces uns com os outros!

22 comentários:

  1. É verdade, não têm outro nome: são apenas doces. E quem se lembra dizer: "ó mãe, hoje vai fazer doces no forno?". Mas a vida era um bocado madrasta nesse tempos, normalmente só por altura da Páscoa é que se faziam e comiam doces.

    Os "das latas", feitos com farinha de milho, são os meus preferidos!

    Parabéns Xico pelo post. Continua...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Paula, é de facto preciso continuar, não só quando há doces, mas também amarguras.
      As "latas", meio espalmadas, por vezes meio encardidas, quem ainda as fazia, era o Vasco latoeiro da Matela,

      Eliminar
  2. Fiquei com água na boca! Que lindos e apetitosos! Boa receita! Feliz Páscoa ! beijos,chica

    ResponderEliminar
  3. Boa noite, de facto esses bolos (doces) são mesmo bons, nunca os tinha comido, só quando comecei a frequentar essa vossa terra, quando os vi fazer pela primeira vez até achei uma certa graça, pois nunca tinha visto formas (latas como ai lhe chamam) pois até aisó as tinha visto individualmente enão juntas, é como os bolos de azeite munca tinha ouvido falar deles e uma coisa vos posso dizer, são os meus preferidos então acabados de sair do forno melhores ainda.
    Uma boa Páscoa .

    ResponderEliminar
  4. Xico Almeida,

    Se tivesse uma tigela cheia aqui, eu comeria todos. E já que o povo falava; "vá lá, não te acanhes e mete um doce à boca", nesse caso, eu não perderia tempo. Risos
    Muito bom aprender sobre as diferentes tradições da Páscoa.
    Obrigada, e pra você também uma Feliz Páscoa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lucinha,
      Se eu pudesse lhe enviava, com prazer.
      Feliz Páscoa para si e que o céu lhe continue sorrindo.

      Abraço grande.

      Eliminar
  5. Há muitos anos que não como estes bolos apetitosos, quando era pequena na altura das festas a minha mãe fazia sempre estes bolos, estava sempre desejosa de os comer nem saía de ao pé do forno, mas antes de os comer adorava rapar o alguidar da massa, sabia tão bem naquele tempo, hoje quando faço algum bolo já nem apetece rapar o alguidar, bons tempos de que me deixaram algumas saudades.

    ResponderEliminar
  6. Esta altura da Páscoa era um frenesim.
    Choviam pedidos a qem tinha fornos particulares nos páteos:
    "Ó tia Agustinha, amanhã posso cá vir fazer os bolos e uns docitos?"
    Cada um trazia a sua lenha, normalmente de urgueita.
    "Ó tia Alzira, empresta-me as suas latas para fazer uns doces, que chegam logo os meus filhos de Lisboa, trago-lhas bem lavadinhas".
    Havia solidariedade.
    Enquanto os doces se faziam no forno, conversava-se, conversas doces, penso eu.
    É verdade Maria, rapava-se o alguidar e era tão bom.
    Por vezes eramos apanhados com a mão na massa.
    Gulosos!

    ResponderEliminar
  7. Até me chegou aqui o cheirinho dos doces no forno....Umm!
    A doçura da nossa terra é uma doçura que se recomenda.
    Gosto muito do bolo de azeite da Páscoa e menos de doces, mas lembro-me a minha mãe sempre fazer:
    - queques (feitos nas formas de 'poças'), que quando eu era miúda só algumas pessoas tinham estas latas. Acho que as primeiras vieram da América;
    - os doces de farinha de milho (das latas), tipo broas; e
    - doces sequilhos, feitos de massa do pão leve, massa fina.
    A minha mãe fazia os sequilhos ou como diziam na nossa terra s' esquilhas, especialmente para o meu pai.
    Quem se lembra destes doces de massa fina, que eram também feitos nas latas?

    ResponderEliminar
  8. Mas que cheirinho havia na Lameira quando saiam os bolos de azeite e doces do forno . Os doces de massa fina sao muito bons, mas para mim os que levam farinha de milho ainda eram melhores ,esses doces também tinham por nome biscoitos . Quando íamos para o forno coser os doces avia uma coisa que nunca gostei de fazer era lavar essas formas de poças ,pois era sempre a min que mandavam fazer . Feliz Páscoa a todos .

    ResponderEliminar
  9. Por vezes fazemos aqui comentários azedos, mas sérios, para chamar a atenção a alguns aspectos negativos da nossa terra.
    Mas neste Post, só temos comentários doces.
    Não é tão bom?
    Preparem-se, já cheira á Páscoa!

    ResponderEliminar
  10. Mas repara que há o cuidado de não os deixar levedar muito, pois podem desintegrar como o molotof…
    Também fiquei a pensar que já se sente o cheiro da Páscoa a cada hora...dos bolos de azeite, das bolas de carne, dos doces e de tudo a que a Páscoa tem direito.

    ResponderEliminar
  11. Os sequilhos, feitos daquela massa do pão leve (estou a ver a Maria a rapar o tacho...), eram mais finos e ficavam mais caros por causa dos ingredientes.
    Muito diferentes dos doces e ficavam meio espalmados, mas eram gulosos.
    Gostava de os comer no próprio dia, ao contrário dos doces que comia em qualquer altura.
    Esta semana, vai ser uma "barrigada" de coisas doces...

    ResponderEliminar
  12. Xico, obrigadão pelos carinhos e linda semana! chica e desejo boas barrigadas de doces,rs

    ResponderEliminar
  13. Isso é muito egoísmo Xico ...comer e não oferecer nada a ninguém...

    Outro pormenor, sinal de outros tempos, era a presença da maceira do pão (ou será masseira?) na casa das famílias forninhenses, onde se amassava e nela se guardava os doces da Páscoa, marmelada, ovos, etc...
    Antigamente não só as latas dos doces se emprestavam, também quem tinha uma maceira era pessoa muito requisitada para a emprestar. A minha mãe amassava sempre os bolos na maceira da minha tinha Júlia.
    Bons tempos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando as coisas são tão boas, apetece guardar só para nós, mas não é o caso, apenas a distância não permite, como disse á Lucinha, se pudesse mandava...
      A palavra correcta é masseira.
      Lembra-me a casa dos meus avós paternos, tinham uma na cozinha e servia quase de despensa.
      De facto bons tempos!

      Eliminar
  14. Anónimo3/25/2013

    Doces da Páscoa de Forninhos.

    Os doces faziam-se nos fornos de cozer pão e nesta semana da Páscoa, nos últimos 3 ou 4 dias, os fornos do povo e os particulares não paravam de cozer trigas-milhas, bolos de azeite e doces que faziam soltar pelas ruas o seu cheirinho agradável e inconfundível. Em Forninhos, minha terra natal, quase toda a gente fazia bolos de azeite, mas os doces como os que a foto demonstra toda a gente os fazia, sem excepção, pois nem toda a gente fazia os bolos de azeite e o pão-leve por ficarem caros, mas os doces todas as famílias mesmos as mais pobres os faziam e na visita pascal na mesa do folar, como lhe chamavam, não podia falta o célebre prato de doces.
    Em casa dos meus pais, para além dos famosos bolos de azeite e o pão-leve (pão-de-ló) fazia-se sempre uma grande cesta de doces. Era uma receita feita a olho que levava ovos, açúcar, azeite, leite (quando não havia leite punha-se soro), farinha de trigo onde se misturava alguma farinha de milho amarelo e um bocadinho de bicarbonato de soda para os fazer crescer e estoirar a poupa.
    As latas onde se coziam os doces andavam de mão em mão entre famílias e vizinhança, que nem dava para sair dos fornos.
    Enquanto estas iguarias da Páscoa duravam, os dias que se seguiam e até acabarem, eram dias muito felizes.
    Feliz Páscoa com a sua tradição de beleza florida, asseada e gulosa.

    Margarida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Maragarida,
      "...um bocadinho de bicabornato de soda para os fazer crescer e estoirar a poupa..."
      De facto os arreganhados, eram os mais apetecíveis.
      Bela recordação de quem se recorada das tradições como poucos.
      Obrigado.

      Eliminar
  15. Na minha aldeia chamavam-se "biscoitos" ou ate "matrafoes", e que bons que eles sao, a ver se ainda consigo comer alguns la para Maio!

    Um abraco e uma excelente Pascoa a todos, nao se esquecam que a "Santa Eufemia" e segunda feira da Pascoa!

    Um abraco a todos.

    ResponderEliminar
  16. Conhecia que os doces/biscoitos são conhecidos como "matrafões" e noutras terras de "farta-brutos".

    Boa semana Santa e Pascal.

    ResponderEliminar
  17. Anónimo3/26/2013

    Prezado al cardoso,
    Eu também conhecia, não de Forninhos, mas de outras paragens, o nome de matrafões. E é certo que além de lhe chamarem matrafões, também lhe chamam farta-brutos, devido à sua substância alimentar.
    Em Forninhos sempre lhe chamaram de doces, um nome pequenino cheio de carinho e doçura.
    Felicito-o pela contribuição dada à forma como na sua terra denominam os doces em questão. Era bom que houvesse outros comentadores de referência a outros nomes.
    Feliz Páscoa!

    Margarida.

    ResponderEliminar
  18. Ahh lembro bem desses docinhos dourados, são muito bons. Tive uma familiar que me trouxe uma vez uns parecidos de Fornos, sabe onde fica Xiquinho? São feitos com aguardente não é verdade?, se bem que por lá faziam com vinho, segundo o que me disseram. Tenho imensa vontade de ir ai a Forninhos e trazer uns para mim, e Xico, se estiver lá, o que me diz a ir beber uns favaios?
    Beijinhos para todos vocês
    A Corveira

    ResponderEliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.