Seguidores

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Mais tesouros do baú de memórias

Enviadas pela minha madrinha, Natália 'Cavaca', e pelo meu padrinho, Sr. Pe. Matos, amigo de Forninhos e 'fotógrafo', que tem memórias de uma época, época complicada, diga-se, porque a Guerra do Ultramar condicionou a vida da nossa gente, vamos olhar mais umas fotos dessa época que, demonstram que a vida tinha de continuar, assente nas tradições, na fé e no são convívio entre jovens e crianças:


1963 - Isto era em Forninhos? Em que local?


E quem se recorda desta procissão de entrada? 
Na parte da frente vai a cruz processional, rodeada pelas velas, 
postas nos castiçais.

Estes "miúdos" por onde andam?


Quem "do Curso" se reverá, ou encontrará nesta foto?


A qualidade das imagens não é a melhor, mas penso que dá para ver que a última foto foi tirada na Capela da Senhora dos Verdes. Quem se recorda destes tempos?

Obrigada madrinha e padrinho por esta partilha.

19 comentários:

  1. Como deve ser legal se alguém aparecer e te ajudar a recordar sobre essas fotos,né? Torço pra que haja essa interação! beijos,chica

    ResponderEliminar
  2. A CAIXA DE PANDORA

    Segundo a mitologia grega, Pandora foi a primeira mulher criada pelo deus grego de nome Zeus.
    A curiosidade dela, fê-la um dia abrir uma caixa que continha todos os males.
    Ainda que avisada de que seria melhor não o fazer, a sua curiosidade falou mais alto.
    Todos os males escaparam e, ao tentar fechá-la novamente, apenas conseguiu que lá dentro apenas ficasse a esperança.
    Talvez da fuga dos males, tenha resultado tanto mal espalhado pelo mundo.
    Passado muito, muito tempo, houve felizmente algém em Forninhos, que teve o engenho e a ousadia, sem receios, de abrir novamente essa caixa e deixar que a esperança saísse e nos tocasse.
    Na forma de tantos escritos e comentários, estas fotos, como muitas outras, extremamente tocantes, cada qual com sua lembrança e sua história, são aonde ainda vamos bebendo a tradição e tentamos reconhecermo-nos ou reconhecer alguém.
    Estas fotos, são relíquias e lições de vida, embrulhadas e embaladas na Caixa de Pandora.
    Vejam a juventude (mais garotada à altura) existente na nossa terra!
    Penso que já me reconheci nalguma.
    Mas as meninas, além de vestirem melhor eram mais bonitas; nós parecemos uns fedelhitos.
    Obrigado Paula, por este soberbo trabalho.

    ResponderEliminar
  3. Me encantan estas Fotografías llenas de Recuerdos y nostalgias.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  4. Acho que práticamente só reconheço as pessoas mais "velhas".
    1ª. foto: O padre Matos e ao lado daquela senhora alta, parece a Dolores Guerrilha de véu na cabeça.
    2ª. foto: Natália Cavaca e Emília Carau.Será a cerimónia da Profissão de Fé?
    3ª. foto: Com os livros encostados ao peito, penso ser a Luzia.
    4ª. foto: Penso que na fila de trás, a terceira e a quarta, são respectivamente a Ema e a Darcília.
    5ª. foto: Lamento não reconhecer ninguém, mas fico contente pela animação reinante no grupo.
    Reconhecer os mais velhos, torna-se fácil, ou mais fácil para nós que éramos crianças.
    Estas pessoas que citei, é que poderiam ajudar a identificar este "bando de perdigotos"
    Parecemos todos iguais...

    ResponderEliminar
  5. Se fizermos uma sondagem, acho que quase todas as pessoas se recordarão destes tempos, mas eu só tenho pena de não conseguir identificar em que local de Forninhos foi tirada a 1.ª fotografia e também saber a que se deve a animação da última.

    ResponderEliminar
  6. Nestas fotos ve se bem que havia muita juventude nessa época e muito bem asseados.Tenho pena de não poder ajudar a identificar as pessoas, nem o lugar onde foi tirada a foto .Eu não tenho lembrança do Sr padre Matos, mas a minha Mae falava muito nele para min e como se o conhecesse . Bonitas fotos .

    ResponderEliminar
  7. É estranho a gente olhar para estas fotos e ver como o tempo voou.
    A Manuela tem razão em referir "todos bem asseados".
    Por serem dias especiais.
    Mas especiais porque motivo?
    Adorava saber.
    As três primeiras fotos, de cariz religioso, pressupõem a celebração de algo muito bonito e solene, basta vermos a saudosa "farda" da Cruzada.
    A quarta foto, é de grupo e querem deixar o registo de algo que concluiram.
    Mas o quê?
    Se por um lado me parecem pelo modo de vestir, igual, fazerem parte de um rancho, por outra também parece que acabaram algum curso.
    Na última e mais animada, o que será que se passou?
    Responda quem puder e souber.

    ResponderEliminar
  8. Respeita a 4.ª foto à festa das raparigas que frequentaram naquela época, durante 2 anos, o curso. No final, recebiam o seu diploma (tenho comigo o momento da entrega à minha mãe e à Darcília).
    Nesta foto está a minha madrinha e minha mãe, Natália e Ema, respectivamente. Também reconheço a tia Odete e a Darcília. Deste dia, já outras fotos aqui foram editadas, em 23 de Fevereiro de 2011.

    ResponderEliminar
  9. Já pensei e voltei a pensar e é com muita pena minha que não consigo identificar em que sítio de Forninhos foi tirada a 1ª fotografia, nessa fotografia só conheço o Padre Matos e uma das mulheres que estão por trás parece a nossa avó Coelha, não sei se é ou não.
    Na 2ª fotografia só consigo conhecer a nossa Madrinha Natália e a minha tia Emília.
    3ª e 4ª só a Madrinha e na 5ª não conheço ninguém, mas no meio dessa garotada toda, deve estar a minha irmã Zita em 63 ela tinha sete anos e algumas dessas crianças devem ter essa idade.

    ResponderEliminar
  10. Caros amigos, com a ajuda da minha madrinha vou tentar identificar quem ela conseguiu reconhecer:

    - São todos da Matela os da 5.ª foto.

    - 4.ª foto, da esquerda para a direita: Lurdes "do Alexandre"; Odete; Mabília; Darcília; Ema. Da direita para a esquerda: Emília "da tia Alice"; uma auxiliar do Curso; Luciana (?) e Natália.

    - Respeita a 3.ª foto a um dia de Comunhão Solene e Profissão de Fé. A Luzia é a rapariga dos catecismos e à sua direita está a Lurdes Saraiva (irmã do Xicoalmeida) e a Ana dos Anjos.

    2.ª foto:
    - Emília "Carau" (de preto) e Natália "Cavaca" e a menina vestida de Cruzada junto à Natália é a Fátima do tio Casimiro. O menino mais afastado do grupo será o Venâncio.
    - Os meninos das velas, um deles é filho do tio Abel, talvez o Simão; o outro, é filho do tio "Papa" e da esquerda para a direita temos, de boina, o filho do tio Porfírio "Forra" e o Zé António "Guerrilha" e por trás deles está a catequista Ana "Brasileira".
    - Quem pega na bandeira da Cruzada é o Zé "Pêgo".
    - Outro que se identifica bem é o Zé Carlos, que viria a casar com a Santa.

    Respeita esta imagem (2.ª foto) a uma procissão que se fazia todos os 3.ºs Domingos do mês, antes de missa. As crianças alinhavam no adro e seguiam assim para dentro da Igreja.

    Nota:
    Estou a tentar saber em que sítio foi tirada a 1.ª fotografia.

    ResponderEliminar
  11. Na minha teimosia, continuo a pensar que esta foto foi tirada em Forninhos.
    Por detrás da cabeça do Padre Matos, a senhora a tapar os olhos, talvez pelo sol, parece-me mesmo a saudosa Tia Maria Coelha.
    E por detrás da menina, com lenço branco na cabeça (que me parece a Dolores), a senhora com lenço preto na cabeça, parece ser a minha tia Rosa, irmã da minha mãe.
    Para deslindar isto, só há duas hipóteses:
    Ou chamamos a Troika ou o padre Fontes de vilar de Perdizes.
    Como dizem os alentejanos: "isto é que vai aqui uma açorda..."

    ResponderEliminar
  12. Já contactei o Sr. Pe. Matos, que diz ter pena em não se lembrar. Por isso lembro, mais uma vez, que para enriquecimento da história da nossa terra, os testemunhos fotográficos são uma mais valia, mas também são os mais velhos quem ainda podem dizer-nos um pouco da história de Forninhos do Século passado.

    Foi tirada na Matela ou em Forninhos?

    ResponderEliminar
  13. Forninhos!
    Nem a Matela tinha tanta garotada.
    Não sei é o sítio.

    ("Rais parta" a foto que arranjou aqui uma encrenca... e das boas!).

    ResponderEliminar
  14. Eu ainda não era nascida em 1963, mas quando vi essa fotografia, achei que, por um lado, a escada fotografada pudesse ser a da casa do meu tio Armando Albuquerque, no Lugar, mas por outro, como não tenho memória da casa que se vê em frente, não tenho mesmo ideia como era a rua e casas nesse tempo. Agora é diferente.
    Mais palpites?

    ResponderEliminar
  15. Já estou a ficar maluco com a foto.
    Arranjas-te aqui uma brincadeira bonita.
    Certo que dá pica, mas...
    Vamos pensar:
    Temos pessoas, à priori reconhecidas como sendo de Forninhos.
    Portanto assunto arrumado(?).
    Temos uma casa moderna, e ao fundo uma tradicional. E por detrás as
    matas.
    O meu palpite continua a apontar para o sitio do Lugar e os
    pinheiros serem os que descem da Matela; mais, aqueles lencinhos na
    cabeça de algumas meninas, mostra que ou iam para a igreja ou de lá
    vinham, portanto devem estar perto da igreja.
    "Porra", mas em que sítio?
    A casa velha parece-me ser a do Sr.Zé Vaz.
    Brincando:
    Há uma solução, coloca-se um vídeo no Youtube com a foto.
    Se o outro senhor, procura o guerrilheiro, nós procuramos o fotógrafo e,
    quando for encontrado, a gente pergunta em que sítio foi?
    Que achas?
    Se ele morreu é uma gaita.
    Tal o mistério, ainda fica conhecida como A LENDA DA FOTO.

    ResponderEliminar
  16. O mistério da foto que vai virar lenda.
    A foto é real, as pessoas são reais, as casas são reais, o pinhal é real.
    Alguém tem a chave para este segredo?
    Olhem que ele há cada uma...

    ResponderEliminar
  17. Bom dia, por aqui se pode ver como o tempo voa, em tão pouco tempo, para o espaço tempo de uma comunidade, pode-se ver que a paisagem mudou e se transformou de forma a que alguns lugares sejam para nós totalmente desconhecidos ou irreconheciveis, algumas dessa crianças, hoje homens e mulheres, saberão dar a conhecer onde essas fotos foram tiradas, pelo menos a 1ª foto, as outras são faceis de identificar.

    ResponderEliminar
  18. Dá vontade de dizer…mistérioooo!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizes bem, mistério!
      Vai ficar na história como uma lenda.
      A não ser que a passemos na televisão, num daqueles canais em que as pessoas se reencontram passadas anos e anos....
      Dava uma boa série policial!

      Eliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.