Seguidores

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Festas e Romarias de Forninhos

Nossa Senhora dos Verdes

Desde a fundação da aldeia, há três dias que pertencem a Forninhos: a sétima Segunda-Feira a contar da Páscoa, do Divino Espírito Santo, o 18 de Julho da Padroeira Santa Marinha; o 15 de Agosto da Nossa Senhora dos Verdes. Pela tradição e por vontade da nossa gente que sempre se envolveu nas coisas que lhe pertencem, sempre houve festa nestes dias.
Serve esta introdução, para dar a conhecer aos meus amigos leitores, que só por vontade de um pequeníssimo grupo de residentes, que se ofereceu para tratar do que é possível, a festa do Espírito Santo vai realizar-se de hoje a 15 dias, i.é, no próximo dia 13 de Junho.
Que esta nota sirva de incremento para que as nossas festas e romarias continuem a correr de feição, e que não se deixe de cumprir o objectivo que levou os nossos antepassados a construir a Capela a Nossa Senhora dos Verdes.

20 comentários:

  1. Boa Noite, pois é sãoas nossas festas que com o passar dos anos, nos vão lembrando que o tempo continua a avançar, a nossa fé e a nossa querença ao divíno, é bom que não se deixe morrer estas tradições, pois caso contrário é uma entidade quese perde, e que depois só nos lembramos de quando em vez, e uma vez pedida será muito tarde que tudo volte a normal.

    ResponderEliminar
  2. As festas são a alegria de um povo, são dias de confraternização, é por este motivo que muitos planeiam a sua vinda nesta altura, é bom ver os forasteiros que acorrem às festas, embora não parecendo é um empurrão ao comércio local.

    ResponderEliminar
  3. Boa noite mais uma vez.
    caros amigos é com grande entusiasmo, que recebi a noticia que em Forninhos sempre vai haver Festa, Festa do Divino Espírito Santo, que se realiza sempre na 7ª Semana a seguir á Páscoa.
    É bom saber que alguém, mesmo com esforço, se prontificou a realizar estes festejos, pois seria uma pena não haver um pouco de musica para alegrar as pessoas, de dentro e de fora.
    Só de olhar para a Imagém de Nossa Senhora dos verdes, fico cheio de vontade de vizitar essa Linda Aldeia.
    Uma boa noite a todos.

    ResponderEliminar
  4. Fico bastante satisfeito ao ver que já consegui enviar um comentário, pois durante todo o dia tentei por várias vezes e de maneiras diferentes.
    Já estava triste, olhar para Nossa Senhora, lembrar-me dos festejos, da Procissão e não poder dizer nada. Mas como diz o ditado, " A esperança é a última a morrer".

    ResponderEliminar
  5. como podemos ver, as festas estao á porta

    ResponderEliminar
  6. Bom Dia a todos os meus amigo leitores,
    Antes de falar da festa do Espírito Santo, não resisto em destacar o dia 18 de Julho que no calendário litúrgico volta a pertencer, como sempre pertenceu, à nossa Paróquia, nos festejos à sua Padroeira, Santa Marinha, o que era de prever, bastava para tanto ver o calendário civil para concluir que quando se decide um qualquer evento civil é fundamental ter sempre presente o desenvolvimento de uma terra na época e no FUTURO (hoje) e que em democracia, impreterivelmente, tem de ficar escrito que a sua celebração terá lugar no próprio dia ou no Sábado ou no Domingo mais próximo da data em questão. Não é por vaidade, mas em resumo foi esta a mensagem que passei a quem a quisesse entender e ainda bem que na nossa terra já começam, finalmente, a entender o que é “Coisa Pública”. “A César o que é de César”.
    Espírito Santo:
    Ainda não consegui encontrar uma lógica para o que aconteceu, porque na aldeia onde nasci e cresci o problema nunca foram as pessoas, as pessoas sempre foram a solução. Bem-Hajam às pessoas que se ofereceram para realizar os nossos festejos e um Grande Bem-Haja ao Sr. Pe. Paulo pelo seu envolvimento, empenho, vontade, interesse e por tudo o resto. Se não fosse o Sr. Pe. Paulo este impasse “administrativo” não tinha este desfecho, ainda que temporário (atenção!).
    Sra. dos Verdes:
    Muitos de nós ficamo-nos pela festa da Sra. dos Verdes, no dia 15 de Agosto, mas outros nem sempre podem estar presentes, por isso nós vamos continuar por aqui…com atenção, dando notícias aos que têm menos possibilidades de ir a Forninhos devido à distância.

    Saudações esperançosas

    ResponderEliminar
  7. Boa tarde a todos.
    Este ano a festa do Espírito Santo coincide com o feriado em Lisboa, onde trabalham bastantes naturais de Forninhos, e, como também coincide com o Santo António, podemos fazer as fogueiras com o rosmaninho, uma vez que também se podem fazer neste dia e novamente no S. João e S. Pedro.
    Nunca entendi muito bem, porque é que esta festa se faz sempre na 2ª feira e não no domingo, uma vez que se diz, que é sete semanas depois da pascoa, alguém me sabe explicar?

    ResponderEliminar
  8. Faz-se sempre na 2.ª Feira porque segundo o calendário cristão ou bíblico (e não o civil) este 50.º dia a contar do Domingo de Páscoa é o dia de Pentecostes e comemora a descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos e seguidores de Cristo. Tal como o Dia do Corpo de Deus é sempre na 2.ª Quinta-Feira após o Pentecostes (60 dias após a Páscoa). Em Portugal o Dia do Corpo de Deus ainda é feriado, Dia Santo de Guarda, mas não sei se o Pentecostes ou Dia do Espírito Santo o foi também, mas em muitos países é feriado.
    E enquanto a Páscoa sempre foi uma festa caseira, Pentecostes era uma celebração agrícola, realizada no lugar onde se cultivava o trigo e a cevada, entre outros produtos agrícolas, por isso é que Nossa Senhora dos Verdes tem duas romarias no ano, na Segunda-Feira do Espírito Santo (Pentecostes) e a 15 de Agosto. A primeira romaria tem a ver com esta situação. A segunda romaria tem a ver com a lenda local em que a "Nossa Senhora" terá aparecido na nascente abaixo da Capela. O povo achou que a Senhora estaria bem era na igreja, local mais apropriado à santidade da Senhora e por isso para lá a levou. A Senhora, porém, misteriosamente voltava a ser encontrada na mesma nascente mas desta vez com vísivel milagre, por ser Agosto e estar rodeada de neve. O povo interpretou o pedido da Senhora em querer ficar naquele lugar, onde aí lhe erigiram a capela com a invocação a Nossa Senhora das Neves. Séculos mais tarde, uma terrível praga de gafanhotos assolou as culturas, pondo em causa o sustento da região. O povo invocou a nossa Senhora das Neves, a praga teve fim, e os campos reverdejaram. Em razão do sucedido, como agradecimento, mudaram o título da invocação para Nossa Senhora dos Verdes e até hoje lhe fazem a romaria em Agosto.
    Em todo o lado há lendas…e não fui eu que as fiz, mas seria bom que as ensinassem às crianças, pelo menos, na catequese, para que em adultos entendam o verdadeiro “espírito” e “alma” das nossas festas.
    Inté

    ResponderEliminar
  9. As festas por aqui já não são tão animadas, os jovens já não se anomam mais com este tipo de festas...infeismente!
    Tina (MEU CANTINHO NA ROÇA)

    ResponderEliminar
  10. São João a vinte e quatro
    São Pedro a vinte e nove.
    A treze o Santo António
    Por ser o Santo mais Nobre.

    Os tempos mudam-se e Forninhos perdeu mocidade e sem mocidade já nada é igual. Há uns 30/35 anos atrás era eu ainda criança, havia bailes aos Domingos ao som do gira-discos. Neste mês de Junho, que hoje se inicia, havia os arraiais populares do Santo António, S. João e S. Pedro. Para estes arraiais/festas populares nunca foi preciso Comissão de Festas, apenas era preciso arranjar uns molhos de rosmaninho e salpor para a fogueira e o resto vinha por acréscimo, ou seja, a animação era de acordo com o espírito dos presentes.
    Sei que em Forninhos o dia de S. Pedro também já foi “Dia Santo de Guarda”, consequência talvez da festa que se fazia na Capela de S. Pedro, que uns dizem ser na 5.ª Feira da Ascensão, outros, a 29 de Junho.
    Eu gostava de saber em que ano foi feita a última festa a S. Pedro e também desde quando se deixou de guardar Dia Santo, no dia de S. Pedro (29 de Junho).

    ResponderEliminar
  11. Boa tarde a para todos.
    Obrigado Paula pelo esclarecimento quanto á 2ª feira do Espirito Santo.
    Quanto á lenda da Sra. dos Verdes, desconhecia que já se chamou Sra das Neves, ou que, pelo menos há uma lenda.

    Já aí vem o santo António.
    E depois o são João.
    Lá vem o são Pedro.
    Para a reinação.

    São três santos populares.
    Qual deles é mais nobre.
    Santo António é dia treze.
    E são Pedro a vinte e nove.

    ResponderEliminar
  12. Boa Tarde.
    É com prazer que uma vez mais, se verifica que este Blog serve para divulgar o passado e o presente.
    Não é do meu conhecimento que outrora se faziam Festas em São Pedro, mas como todos os póvos este era mais um, e que tinha direito aos seus festejos. Para mim, e aqui, ainda hoje se celebra a Quinta Feira de Ascenção, ou seja um feriado no dia 02-06-2011.
    Os bailaricos sempre se fizeram em dias de arrail e não só, como alguém disse e é verdade, todos os Domingos em certos lugares, se faziam bailaricos ao toque de um Gira-Discos, onde todos os jovens da época se divertiam.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  13. A lenda de Nossa Senhora dos Verdes é uma lenda igual a tantas que por este país fora continuam a circular e que em redor dela existe a teoria de um milagre sucedido na era de 1720 aquando de uma praga de gafanhotos. O Quadro do “Milagre” que todos bem conhecem, representa essa calamidade, de uma comunidade que vê as searas todas destruídas pelos bichos e que só o apelo solidário dos moradores circunvizinhos à Senhora dos Verdes consegue travar. Sendo o Pentecostes uma festa agrícola, realizada no lugar onde se cultivava o trigo, a cevada e outros produtos agrícolas, desde esse época até hoje, no Pentecostes, na 2.ª Feira do Espírito Santo, vêm à Senhora dos Verdes, em romaria religiosa, as Irmandades de algumas paróquias vizinhas. Isto é adoptado como verdadeiro nos nossos dias.
    Para melhor nos conhecermos temos de gostar da nossa história, infelizmente eu cresci sem ler um único livro sobre a minha terra, hoje os jovens têm este blog online, penso que é um bom começo (digo eu).
    Felizmente li no site da JF de Forninhos que foi apresentada uma candidatura para futura publicação sobre a memória e história da Freguesia de Forninhos, ninguém mais do que eu torce para que esta publicação esteja à venda. Não escreve um livro quem quer, ou melhor, pode escrever-se, mas sai almanaque, por isso estou muito esperançosa que quem escrever este livro não irá só ao baú das fotografias, mas que se debruçará seriamente sobre a nossa história.
    Amanhã, 5.ª Feira da Ascensão, ou 5.ª Feira da Espiga, escrevo sobre a festa de S. Pedro na Lameira, Gralheira.

    ResponderEliminar
  14. Boa noite, caros leitores.
    É com agrado que verifico que a nossa " mestra", divulgou que alguém se prepara para escrever um livro, ou melhor existe uma cadidatura para o efeito; seria um grande passo, não só para conhecer Forninhos mas também as suas gentes, o seu passado, e melhor que tudo a sua história.
    Por estes factos, a junta de Freguesia de Forninhos está de parabens; podem continuar com estes eventos, estou solidário com essa equipa; Muito bem ajas.
    Gostaria de poder adquirir esse livro, quando estiver pronto, é claro.
    Boa sorte ao aventureiro.

    ResponderEliminar
  15. Caro serip assim houvesse mais notícias como esta que muito engrandecem o nome da nossa terra para este blog divulgar!! Segundo os seus responsáveis (ou será seu responsável?) a criação desta obra pretende valorizar a identidade e a história da nossa freguesia, ao mesmo tempo que dará a conhecer (digo eu) a vida deste território e da nossa gente ao longo de gerações até à actualidade.
    Como temos memória, o lugar de S. Pedro também foi um lugar de oração e de festa. S. Pedro tem história até aos nossos dias, embora sem Capela.
    Quando era a festa em S. Pedro?
    É uma pergunta que pode passar por qualquer cabeça.
    “Quando era a festa na Gralheira? Promovida pelas quatro freguesias do antigo “concilum” de Penaverde, realizava-se, segundo me informaram pessoas antigas, era em Quinta-Feira da Ascensão. Segundo informação, algumas vezes terá sido em 29 de Junho.”.
    Fonte: Livro «Penaverde sua Vila e Termo».
    Concluindo o Sr. Pe. Luís Lemos que segundo o maior número de informações foi em Quinta-Feira da Ascensão.
    Realizava-se também o Voto a S. Pedro a que eram obrigadas todas as freguesias do concelho de Penaverde que lá iam em Quinta-Feira da Ascensão, que se celebra hoje, 02.06.2011.
    Até à 1.ª metade do Séc. XX na nossa feguesia era costume visitar as Capelas com ladainhas. Ainda há quem lembre neste dia além do Voto à Senhora dos Verdes, ir à Capela de Santo António, Valagotes.
    Em Portugal a Quinta Feira da Ascensão (Quinta-Feira da Espiga) já foi Dia Santo, em alguns municípios ainda é, bem como em países como a França e Suíça. Aqui onde eu resido, neste dia vendem raminhos de espiga.

    Que os nossos emigrantes residentes na França, Suíça ou outro, gozem um bom feriado.

    ResponderEliminar
  16. Em tempos idos, as pessoas levavam a sua religiosidade muito a serio, embora, em alguns casos com exageros impostos pela igreja, que em certa altura se apercebia, pelo menos por parte de alguns elementos do clero, que os tempos estavam a mudar e havia a necessidade de acompanhar de algum modo as novas ideias para se não deixar ultrapassar; e assim, ainda hoje se verificam, embora com algumas alterações, muitas festas e romarias que se não sabe muito bem onde começa a religiosidade e acaba a festa popular.
    Compete ás pessoas envolvidas nestes eventos, terem o cuidado necessário para que, religiosidade, tradição e popularidade (festa do povo) se possam realizar em harmonia sem que qualquer delas se sobreponha á outra.

    ResponderEliminar
  17. É assim:
    Lembram-se quando falamos, no ano passado, sobre a hipótese de repensarem a festa do Espírito Santo, ou seja, ficar-se unicamente pela parte religiosa?
    A não aceitação por parte das pessoas nomeadas para constituírem a Comissão de Festas 2011/2012 fez com que isso acontecesse. “Deus escreve direito por linhas tortas”.
    Já a festa do 15 de Agosto, embora também seja uma festa religiosa, eu acho que é diferente desta, porque também é uma festa do povo, que junta muitos filhos da terra.
    Agora, toda a gente sabe que é preciso fazer alguma coisa para resolver esta questão administrativa. Para evitar situações futuras semelhantes, sou de opinião que também nesta questão há que perceber que é preciso mudar a forma como a Comissão de Festas é nomeada. Desde sempre a nomeação dos mordomos é feita no maior sigilo e imposição, obrigação, quando se devia previamente falar com as pessoas a nomear, porque pode acontecer que as pessoas não tenham disponibilidade, ou outro motivo válido para não aceitarem a nomeação.
    Pelos vistos, até houve pessoas que se ofereceram, portanto, a possível futura nomeação/constituição da CF, não deve ser solução difícil de resolver. Agora, as pessoas têm é de ser previa e atempadamente contactadas, afim de constituir a referida Comissão e provavelmente haverá respostas negativas, como haverá respostas positivas. Em todo lado é assim que se faz.
    De resto…nem gasto mais “latim” para falar da Festa de Santa Marinha, pois o comentário supra de ed santos diz tudo “…sem que qualquer delas se sobreponha à outra…”.

    ResponderEliminar
  18. Boa tarde para todos.

    Sobre a festa popular/religiosa de 15 de Agosto, também queria deixar aqui a minha opinião, opinião, note-se, não critica como normalmente pensam quando se aqui escreve.
    Esta festa, devido á data em que é celebrada, merecia ter uma atenção especial devido ao grande movimento que se verifica com a vinda dos forninhenses espalhados por esse mundo fora, que dão uma vida invulgar a esta terra, daí, em minha opinião, todas as energias, ou a maior parte delas, deviam ser direcionadas para esta festa, mas para isso, muita coisa teria de mudar, a começar pela hora da procissão e criar condições e eventos para que as pessoas se sentissem bem durante o dia junto do santuário, ficando a festa popular para a noite na povoação.
    As várias comissões de festas que têm passado nos últimos anos, trabalham muito e dão seu melhor, mas será que as próximas poderão mostrar o seu trabalho, por mais árduo que seja, sem que haja mudanças profundas?

    ResponderEliminar
  19. Falar das coisas que podem melhorar não é dizer mal de ninguém e acho que toda a gente que se preocupa com a nossa aldeia sabe que é preciso mudar muita coisa.
    Todos aqueles que conhecem bem Forninhos sabem que a festa de Agosto é a que mete mais gente, toda a gente sabe que são os emigrantes e imigrantes que dão vida às aldeias em Agosto, toda a gente sabe que uma terra que pensa no futuro quando cria um evento/festa pensa no comércio local, pensa no turismo, pensa nos filhos da terra e por isso agenda para Agosto e não para Julho! Não é preciso ir muito longe, Moradia (Nossa Senhora da Saúde) e Quinta da Ponte (São Miguel) anteciparam as suas festas por causa dos emigrantes e imigrantes.
    Só que o problema de Forninhos é velho, os poderes instalados são quem manda e quem manda pode, quem não pode obedece!
    Agora chegou-se a um ponto em que não há quem queira fazer as festas religiosas, mas reparem que para fazer as festas políticas aparecem aos magotes! Enfim…outros tempos, outras fés!
    Lembrem-se do que vou dizer a seguir:
    Em Forninhos a política está metida em tudo, acho que só não está na Irmandade de Santa Marinha, mas o dia que levarem a política para a Irmandade, podem crer que também esta acabará. São, portanto, situações que estão em tempo de ser evitadas. Esta é a minha opinião que acho que todos bem a conhecem, sabem bem que só digo o que penso ser melhor para a minha terra e quando acho que alguma coisa não foi bem ponderada, não tenho problema nenhum em dizê-lo, porque eu não tenho interesses directos em Forninhos, agora cada um faz o que quiser.

    Cumprimentos :)

    ResponderEliminar
  20. Boa noite.
    É nestes momentos, que devemos egrandecer essa Terra, Terra essa que é e sempre será a nossa terra, linda, com boas memórias e tradições, é por isso que entrei neste Blog, para engrandecer esta terra, que também é minha e de todos os que ali nasceram. Penso e como eu outros mais, novos e usados. que esta terra merece o que há de melhor, vamos fazer com que esta Aldeia se torne para a História uma grande terra.
    Para isso, não sou eu nem os que estão fora, que podem fazer o melhor, mas ajudamos no que podermos, umas das formas de ajudar é fazer estes comentários, que, como toda agente sabe são vistos além fronteiras.
    Se poder aí vou estar no próximo fim de semana, contem comigo para o que for preciso.
    Um abraço do conterrãneo serip413.

    ResponderEliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.