Seguidores

quarta-feira, 24 de junho de 2015

S. Pedro, o Santo Popular

«Quando chega o mês de Junho
Mês dos Santos Populares
Reina uma santa alegria
Traduzida em mil cantares!

É Santo António?
Ou São João?
Será São Pedro
O de maior devoção?»

Não sei porquê o S. Pedro, é que era. Era 'dia santo de guarda' em Forninhos, se calhar porque foi o primitivo padroeiro destas 'Terras'. De manhã, havia missa e durante a tarde lá se montava o pinheiro para arder à noite no largo, ali junto ao café do Sr. Virgílio. E baile, claro, pois havia um altifalante por cima da porta da entrada do café, que se ligava ao rádio e, mais tarde, a um gira-discos.

Pinheiro a arder 

Não sei se sabem, mas o pinheiro a arder como o da foto, é tradição que vem do fundo dos tempos: simboliza a entrada no solstício de verão. Alta cultura popular, portanto.

20 comentários:

  1. Uma vez visitei uma aldeia com a mesma tradição!
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Segundo as falas dos mais velhos, o costume do pinheiro, foi trazido para Forninhos pelo feitor dum 'rancho' ( 'gente de fora' que trabalhava para uma casa que dava trabalho durante todo ano).
      Esse feitor era de Vilar Seco, concelho de Nelas.
      Bj*

      Eliminar
  2. Que lindo e São Pedro merece uma boa festa! Lindo pinheiro assim a arder! bela tradição! bjs, chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque o pinheiro assim a arder enche de luz o largo da aldeia, temos sempre a esperança que a população de Forninhos reavive esta tradição que vem do século passado. S. Pedro bem merece, até porque já foi o nosso padroeiro!
      Beijos.

      Eliminar
  3. Pois na minha infância, na Seca do Bacalhau, onde nasci e vivia o S. João era o rei. Naqueles tempos o Santo António, era conotado com o outro, o de Belém e ninguém o festejava. Pelo menos lá. O S. Pedro também não era festejado e acredite não sei porquê.
    Hoje S. Pedro, é o Santo que mais festejo. Porque cá em casa há um Pedro nascido na noite de S. Pedro.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O São João também era muito popular em Forninhos, mas por guardarem 'dia santo' a 29 de Junho, o São Pedro era o de maior devoção. Não era só uma festa pagã, no âmbito da igreja católica era também festejado. Mas no caso, é caso para dizer que "a tradição já não é o que era".

      Um abraço meu tb e tudo de bom para a Elvira e todos os seus.

      Eliminar
  4. Desconhecia esta tradição de fazer arder um pinheiro pelos Santos Populares.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito!
      A foto publicada é de 2011 e na altura pessoas de Forninhos tal desconheciam também.
      Eu ainda me recordo de na minha infância ver fazer o pinheiro, mas durante uns 30 anos ou mais... não se fez.
      Abraço.

      Eliminar
  5. Mas que bela viagem a tempos mais alegres e participados, porventura por S. Pedro muito tivesse a dizer ao povo de Forninhos e por tal guardarem "dia santo" e juntarem a celebracao religiosa com o paganismo dos cantares e bailaricos, coisa que hoje se vai reduzindo a comes e bebes tal como ainda agora, dias atras no S. Joao.
    O ponto alto era sem duvida e noite dentro, o deitar fogo ao pinheiro que a dedo tinha sido escolhido nos baldios mais proximos (agora mais distantes e pertenca de particulares...). Carregado em carro de vacas era trazido para a Lameira e aparadas as suas pernadas de modo que as pontas fossem enfeitadas com maçanetas de farrapos em forma de novelo e tudo muito bem atado. Depois todas as pontas eram ligadas entre si por abundantes fitas de pano que no fim mais parecia um belo andor enfeitado.
    A parte seguinte era feita a custa de ferro e picareta, o buraco fundo para o enterrar de forma segura e era um ajuntamento alegre que a pulso o erguia e segurava ate ficar seguro pois ja ia embebido de combustivel, normalmente petroleo que curiosamente era oferta das gentes da aldeia para o "sacrificio".
    Eu recordo de em miudo coliocarem um pote de barro no cocuruto do pinheiro com gatos la dentro, nao para morrerem queimados (com sete vidas nao era facil), mas para afugentarem as bruxarias ...
    Por essa altura quem orientava a "coisa" eram o "Pinchos" se nao me engano e acreditem que ainda tinha mais alegria que o S. Joao do Porto e entao quando o fogo ia consumindo rapidamente todo o pinheiro e os gatos saltavam de rabo quente, nem queiram imaginar.
    Agora restam os irmaos Lopes, unicos no trazer de volta coisas antigas, tal como o ultimo pinheiro ali posto. Pode ser que este ano o repitam, era bom!
    Afinal o Oiteiro tem pergaminhos, pois soube hoje que muitos anos atras, no alto deste bairro tambem foi feito o pinheiro de S. Pedro pelo tio Antonio Brasileiro.
    E esta Hein!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que dizes é bem real, hoje o que fazem reduz-se a comes e bebes e os irmãos Lopes são sempre muito participativos nos eventos de cariz tradicional e não só...estão sempre disponíveis a ajudar a Comissão de Festas da Senhora dos Verdes ou próximo. Faço notar que ainda agora o Henrique deu conta que roubaram os cabos eléctricos, etc...foi preciso ele ir daqui, para dar conta do roubo, talvez porque em Forninhos andam sempre mais preocupados com as festas e comezainas...!
      Adiante...
      Do pinheiro enfeitado com maçarocas de farrapos embebidas em petróleo, na Lameira, lembro-me bem, mas dessa patifaria com o gato, não sei porquê não me lembro.
      Também tenho uma vaga lembrança de os do Lugar fazerem (ou tentarem fazer) um pinheiro em frente da casa da minha avó Jesus, para rivalizarem com os da Lameira, o que era normal, pois a festa dos santos populares não são de localidades, mas de bairros, só que a minha mãe diz que não...não sei.
      Dos bailes junto ao café do Sr. Virgílio é que me lembro. Dançavam muito o "carimbó português" do Roberto Leal.

      Eliminar
  6. S. Pedro era bom homem/ Mas era muito velhaco/Ia com a moças p'ra fonte/ Se iam duas vinham quatro.
    (ditado popular) Boa semana. Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem haja pelo dito/quadra.
      Sobre S. Pedro não me consigo lembrar de nenhuma.
      Um abraço tb.

      Eliminar
    2. Dos tres santos populares
      E Sao Pedro o mais sisudo
      Faz milagres aos milhares
      Tem chaves para abrir tudo.

      Bom fim de semana.

      Eliminar
    3. Pois, tem fama de "porteiro" do reino dos céus e é considerado o mais sério dos três santos Juninos.
      Já agora, um pouco da vida de São Pedro:

      Discípulo de Jesus
      Primeiro Papa
      Guarda das Portas do Céu
      Padroeiro do Tempo
      Protector dos Pescadores

      Um grande abraço e fim de semana bom!

      Eliminar
  7. Boa noite Paula, belíssimo artigo sobre os festejos populares de São Pedro em Forninhos! O pinheiro a arder uma tradição cultural com enorme significado que desconhecia!
    Pelo que tenho lido e fazendo até comparação com a minha aldeia do pouco que me recordo, as tradições na vossa terra eram (e são) muito mais enraizadas!
    Foi um excelente regresso ao passado, neste caso, de boas e alegres memórias.
    Um beijinho.
    Ailime

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os santos populares fazem parte da nossa cultura popular e festejam-se um pouco por todo o país, mas claro numas terras são mais festejados do que noutras! Em Forninhos posso dizer que as homenagens aos santos populares foram-se reduzindo com o tempo, mas de quando em vez lá se lembram (e ainda bem) de mostrar aos mais novos acontecimentos que outrora marcaram grandes momentos de amizade e convívio, caso do pinheiro a arder.
      Mas na sua terra de residência, S. Pedro é o rei dos santos populares, sendo o seu dia, dia 29, o feriado no concelho de Sintra! Assim sendo, desejo-lhe um bom fim de semana e também um excelente feriado!
      Beijinhos.

      Eliminar
  8. Oi Paula, vi você por lá com os seus significantes comentários...
    Não sabia do pinheiro a arder! Vocês também têm a tradição de comidas de milho nessa fase junina?! Estou agora saboreando uma canjica/curau, chamado em BSB...
    Abraços...,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora há sardinha assada e broa (pão de milho amarelo ou branco, que os padeiros trazem à povoação), mas no tempo dos nossos pais e avós era cozido nos fornos da aldeia, acho que não era costume comer pelos santos populares pão de milho, a meu ver, pela razão de que pelo S. João e S. Pedro é que se iniciavam as ceifas do centeio (o nosso pão) e a seguir às ceifas e malhas do centeio é que vinha a colheita do milho.
      Pelo Carnaval é que havia o costume de comer papas de milho, chamadas de papas de ralão (ralão = milho esmagado/farinha de milho +grossa) e pela Páscoa faziam-se "doces" com farinha de milho.
      Beijos&Abraço.

      Eliminar
  9. Adoro ler os vossos posts.
    Aprendo sempre algo. desconhecia o símbolo do pinheiro a arder!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pinheiro (assim falávamos) é um mastro, mas a Lisa deve ter ouvido falar nos últimos dias na tv da "queima do gato".
      Trata-se da mesma tradição só que na maior parte das vezes os jornalistas não sabem do que falam, porque a tradição não é queimar o gato, é queimar muito rosmaninho e montar o "mastro" para arder.
      Não defendo a prática do gato, mas sei que nas aldeias muitos gatos se chamuscaram por se chegarem à fogueira e nenhum morreu por isso!
      O símbolo do pinheiro a arder é bastante antiga e tem a ver com os rituais do solstício de verão, tal como o Cepo (fogueira) de Natal com o de inverno.
      Beijos e bom domingo!

      Eliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.