Seguidores

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

O 1.º de Janeiro

Entre os romanos, Jano era celebrado como o Deus dos portões e dos começos, do céu luminoso e das origens e, por conseguinte, o princípio de toda a existência, razão pela qual o seu nome era inicialmente invocado mesmo antes do próprio nome de Júpiter, que é o Deus máximo dos romanos. Em virtude disso, foi o seu nome atribuído ao mês que passou a designar-se por Janeiro.


Então chegou Janeiro e com ele as Janeiras. Assim era na nossa terra, de porta em porta íamos cantar/pedir as janeiras e os reis também. Após escutarem os versos que lhe dedicava-mos, os donos da casa presenteavam-nos com algumas iguarias, tal como o menino o foi pelos reis magos com ouro, incenso e mirra.
Pelo que fica dito, é evidente que o costume de cantar os reis ou as janeiras, prende-se com a tradição cristã do nascimento do menino Jesus e das  oferendas feitas pelos reis magos quando estes se dirigiam à lapinha de Belém. Mas, à semelhança do que sucede com as demais festividades de índole cristã, também esta possui raízes bem mais profundas que remontam ao paganismo primitivo e que se relacionam com as festividades solsticiais que ocorriam precisamente na mesma altura a que foi atribuído o nascimento de Jesus. É, com efeito, o começo do ano solar, ou seja, os primeiros dias que se seguem ao "nascimento do sol" e os raios solares crescem de novo, passando o seu tempo de duração a aumentar de dia para dia, reiniciando-se o percurso que leva invariavelmente aos nascimento da natureza e dos vegetais com o entrudus da Primavera. A nossa civilização cristã mais não faz do que assimilar tais costumes antiquíssimos, conferindo-lhes uma nova interpretação mais consentânea com os seus ensinamentos bíblicos.
Em breve chegará o entrudo e com ele a entrada da Primavera. Até lá que se cantem as janeiras e os reis, que agora a Igreja Católica comemora no próximo domingo.

Encontrei a foto aqui.

36 comentários:

  1. Que cantem as janeiras, os reis e que o anos seja lindo pra todos daí e daQUI E DE TODOS QUE AQUI PASSAREM! BJS, CHICA

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Chica fez bem realçar em maiúsculas o "TODOS QUE AQUI PASSAREM!"... independentemente do que cada um comenta (mesmo no facebook...), que o 1.º de Janeiro brilhe como um marco que inicia sempre uma outra época, como a promessa de que a Primavera virá a seguir...
      Bjinhos**

      Eliminar
  2. E vem-nos à memória uma frase batida:
    " Hoje é o primeiro dia do resto da tua vida...".
    Confesso que custa sair um comentário condigno, no porventura rescaldo de reminiscências romanas de Baco ou Jano. Acho que muitos "janados" ainda não se aperceberam que hoje é o dia Mundial da Paz.
    Entre o ligar do computador ou botão de televisão, iremos ver ansiosos as notícias do que este 2015 nos tem reservadas. O "outro" foi abundante de
    nadas, melhor, menos de nadas!
    Mas cantemos hoje as Janeiras, nas nossas aldeias, na casa dos vizinhos do lado, à porta das prisões e quem para tal for convidado, no palácio de Belém.
    Tantas alegrias em promessa nos podem dar, querendo a gente acreditar.
    Eu acredito que este Blog vai ter um ano feliz, mas mais sacrificado por temas perturbadores que virão à liça a seu tempo; tenho esse pressentimento mesmo hoje que também é o Dia da Fraternidade Universal.
    E como reflecte o texto, o tempo corre sem freio nos dentes, indiferente a tudo e todos, por um lado ainda bem, ele que se lixe e fique com as agruras, por outro deixa saudades de coisas boas que cada qual sente e logo vem o Carnaval e quando mal se espera o verão bate à porta.
    Olhemos em frente com esperança, pois ainda há quem faça registos de Outono passado. Sejamos fraternos e ajudemos e acarinhemos quem precisa, pois todos um dia precisaremos da mão amiga.
    E cantemos às Janeiras:

    "...Muitas Boas Festas
    Nós viemos dar
    A estes Senhores
    Se as aceitarem...".

    Bom Ano!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha Xico, o BORDA D ´ÁGUA diz que no dia 21 de Dezembro (2014): "...às 23h 03m...Solstício de Inverno...e entrada do Sol em Capricórnio".
      E que "os nativos de Capricórnio trabalham arduamente para alcançar os seus objectivos terrenos...sendo também a honestidade uma das suas características...".
      Eu sou nativa de Capricórnio (nasci a 29 de Dezembro) e se o BORDA D´ÁGUA o diz...honestamente acredito que o nosso blog vai ter um ano árduo, mas alcançará os seus objectivos!
      E, podem condenar-nos à vontade, porque eu fico sempre bem. Em épocas remotas nas nossas terras era a Igreja que condenava certas práticas. Tal como as Janeiras, também o Cepo de Natal tem origem pagã. No livro dum SENHOR PADRE, chamado Luís Ferreira de Lemos, a respeito das "Visitas Pastorais de 1720 a 1825", lê-se:
      "O Pároco faça por extirpar os abusos dos serões e cepo do Natal e os que os cometerem sejam mandados para a tôrre de Viseu e os que derem casa e ajuda condenados em 500 réis que serão pagos na cadeia.".
      Portanto, por lá podem já não cantar as Janeiras, mas o cepo de Natal (e não "o madeiro abrasado") ainda hoje por lá se faz!
      Quando se tem razão e acredita que aquilo que fazemos é o certo, as ameaças são insignificantes!
      Quanto às folhas que ainda caem em Forninhos, apenas isto:
      Auto Estima...!

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Obrigada. Este texto embora um pouco adaptado por mim foi retirado do blog: http://bloguedominho.blogs.sapo.pt/64729.html.
      Feliz 2015!

      Eliminar
  4. Un Post lleno de contenido histórico y de tradiciones de nuestros ancestros.
    ¡¡¡Ojalá los Reyes Magos nos sorprendan concediéndonos infinita Salud y Amor!!!
    ¡¡¡Feliz Novo Ano!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "A história é a mestra da vida". Frase feita, mas pessoalmente acredito que sim.
      Já agora:
      Uma vez que os feriados fazem parte da cultura de um povo e a sua tradição religiosa (ou civil) também, desejo que o “Dia dos Reis Magos” continue a ser um dos mais importantes feriados de Espanha, porque por cá já é comemorado pela Igreja Católica no próximo Domingo (dia 4/Janeiro).
      Feliz Ano Novo e passe bem o Dia de Reis!

      Eliminar
  5. Adorei este retalho de luxo da nossa tradição.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada.
      A história do blog dos forninhenses é feita, de facto, dum “retalho” vasto da nossa tradição e da nossa história.

      Beijinhos.

      Eliminar
  6. Estive lendo além do post os comentários, Paula, e quero parabenizá-la pelo seu niver! Muitas felicidades!!
    Assunto bem novidade nos trouxe aqui, gostei de conhecer...
    Um Feliz 2015! Muita paz e saúde!
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Anete. Nasci em Forninhos, num dia que caiu um grande nevão. Mas lá os nevões já são coisa do passado e as Janeiras também.
      Recentemente é que apareceu por lá uma "villa" romana ;-) com base não sei em quê...
      Beijos**

      Eliminar
  7. Olá Paula!
    Um belo post sobre as Janeiras, a sua origem e a sua calendarização em relação ao que virá a seguir. Tenho pena que seja, pelo menos aqui no Algarve, uma tradição praticamente perdida, não direi que totalmente porque não sei o que se passa noutros locais da região.
    Mas é interessante verificar como as Janeiras com o tempo se transformaram em adereço político; o sr presidente da República será decerto presenteado com alguém a cantar-lhe as Janeiras, como tem vindo a acontecer.
    A minha filha também é nativa de Capricórnio, e embora eu não ligue a signos, ela é também, como tu, uma trabalhadora árdua, disciplinada, e que não se intimida.:-)
    Bom fim de semana!
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que nascer em dias frios obriga-nos a ter capa, Laura!
      Em Forninhos, era normal cantar e pedir as Janeiras e eu a última vez que participei foi no 1.º de Janeiro de 2010, mas não gostei, porque notei um espírito partidário e não comunitário, então...só por isso...ainda bem que por lá já não se cantam, porque só vale a pena alimentar as tradições quando são feitas pela convivência e não pela conveniência!
      Sem saber e conhecer a nossa história, esse grupo aproveitou o "Dia de Janeiro" para abrir a porta das suas casas, tal como os romanos, para assim se saudarem uns aos outros (tinha havido eleições autárquicas em 2009...).
      Como vê, as janeiras transformaram-se também em adereço político numa pequena aldeia chamada Forninhos.
      Bom fim de semana!

      Eliminar
  8. De repente lembrei com saudades das "janeiras"!
    Não sei se aqui na aldeia cantam!
    Um excelente 2015

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje em muitas aldeias já se não canta/pede as Janeiras ou Reis, talvez porque não há necessidade...prazer...amizade...sei lá...
      Bom fs e Bom Ano.

      Eliminar
  9. Olá Paula , então cá estamos em mais umas janeiras !!!Elas ainda se mantêm vivas no nosso interior que mais não seja para se cantarem na Câmara Municipa como se faz em Idanha-a-Nova ....Mas gostei do artigo e da busca das nossas raízes .....
    Beijinhos
    Quina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, cá estamos em mais umas Janeiras,o tempo voa, ainda há bem pouco tempo lhe desejei um bom ano novo, um bom 2014, hoje desejo-lhe um bom 2015, pena que agora as Janeiras não sejam o que sempre foram! Daqui a uns tempos se calhar só se vão cantar à porta do Palácio de Belém e em algumas Câmaras e, na volta, com o passar do tempo, sequer vão cantar os cânticos tradicionais de cada região, creio que não será o caso de Idanha-a-Nova em que as tradições resistem.
      Em Forninhos o que ainda vai resistindo é o Cepo de Natal, que na sua região chamam de Madeiro. Regionalismos!
      Mas dizem-nos agora que em Forninhos os nossos avós chamavam ao Cepo de Natal "madeiro abrasado". É uma grande mentira, mas enfim...
      Beijinhos.

      Eliminar
  10. Soube agora na procura, que a tradição "quase" renasce.
    Os Cantares ao Menino, pelos grupos que compõem o "Coro" de pretenso modo angelical, se tornam uma associação dominical.
    E domingo próximo irão representar Forninhos na vizinha paróquia de Dornelas, conjuntamente com as outras paróquias vizinhas, na entrada da tarde, com a alegria que a Quadra merece. E a Igreja porventura sentirá que comunga o tempo...
    Que daqui se parta para outras explosões de alegria social, ecuménica, e política e cada qual tenha o seu espaço digno e com dignidade...respeito!
    Juro, tenho saudade daquelas quadras "picantes" que se cantavam nas Janeiras, agora mortas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá está Xico, "A nossa civilização cristã mais não faz do que assimilar tais costumes antiquíssimos, conferindo-lhes uma nova interpretação mais consentânea com os seus ensinamentos bíblicos.".
      Mas Os Cantares ao Menino até são de louvar! Ainda bem que este ano Forninhos participará, pois no ano passado, que eu saiba, não esteve presente!

      Eliminar
  11. Um esclarecimento:
    No introito fala-se nos romanos, que em honra do Deus Jano (de janua = porta, entrada) aproveitavam para se saudarem uns aos outros no começo do ano. Em termos históricos, pensa-se que Forninhos, primitivamente Fornos, é uma aldeia originária da civilização Romana, mas chamo a atenção que os nossos antepassados, os Lusitanos, é que aqueciam com os "cepos" o Deus Sol. Com o cristianismo apenas mantivemos o "Cepo de Natal" e passámos a aquecer com eles o Menino Jesus.
    É pena, em Forninhos, atribuírem tudo aos romanos, quando afinal o "nosso avô" foi Viriato!

    ResponderEliminar
  12. Grande cepo, grande cepo
    Grande cepo a arder
    para toda a gente que passar
    se poder aquecer.

    Quadra de um soneto meu, do meu ciclo preparatório, da TELESCOLA em Vieira de Leiria. Teve honra de quadro escolar e de livro fim de ciclo (1968?).

    Parabéns, Paula, Xico e todos os que contribuem, neste espaço, para o enriquecimento da cultura geral de todos nós.
    Quanto ao Cepo de Natal, que por norma ser de oliveira, durava até ao ano novo.
    Na minha infância, estive em Forninhos até aos 6 anos, mas lembra-me, perfeitamente de ver o grande tronco de oliveira, no largo da Fonte da Lameira, em frente da antiga escola primária, hoje junta de freguesia, a arder durante vários dias. Segundo guardo memória, esta oliveira era oferecida sempre por uma pessoa de Forninhos. Estive ausente durante nove anos, quando regressei, o cepo já era de pinho, quer cepos, quer troncos. Hoje, depende da mocidade.
    Paula, mencionaste o avó Viriato, do nosso distrito, se a memória não me falha, de Folgosinho da Serra. Obrigado a ele por ter corrido com os romanos. Um bom Ano a todos.
    HL.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Henrique, se faz favor, brinda-nos com o resto do soneto, elaborado em louvor do Cepo de Natal.
      Muito nos contas, já que eu sou uma que não sabia que por tradição o cepo por norma era de lenha de oliveira, bem assim oferecido por uma pessoa de Forninhos e, assim, aqui fica registado para todo o Mundo. Obrigada.
      Hoje fazer o cepo de Natal depende da mocidade e da boa vontade da Junta de Freguesia também. É assim nos últimos anos e todos acham bem e gozam o calor que, DEMOCRATICAMENTE, ele (cepo) espalha.
      Quanto ao Viriato, pouco se conhece sobre a sua vida, mas Ele é descrito como um homem que seguia os princípios da honestidade e é reconhecido por ser exacto e fiel à sua palavra nos tratados e alianças que fez.
      Nós, felizmente, herdamos muito do povo lusitano, já outros, Henrique, herdaram foi dos romanos...
      Beijinhos e Votos de um Ano Novo para ti e toda a família.

      Eliminar
  13. Ha tanto tempo que andava
    Para vos vir visitar
    Mas ja me tinha esquecido
    Deste sagrado lugar.

    Boas festas, boas festas
    Aqui haja neste dia
    Que as manda o Rei do Céu
    Filho da Virgem Maria.

    Venham-me dar as janeiras
    Se tiverem que me dar
    Eu venho de muito longe
    E nao posso demorar.

    As Boas Festas
    Vos venho dar
    Começadas nas Janeiras
    Pelos Reis vao a acabar.

    (Nos anos 50/60 cantávamos assim.

    ResponderEliminar
  14. Belo texto...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devem ter compreendido que nao é da minha autoria. Obrigado, contudo.
      Os melhores Cumprimentos.

      Eliminar
    2. Eu havia entendido S. Leitão.
      Já que hoje é dia de Reis (6 de Janeiro), deixo-lhe umas quadras que eu cantava quando ia pedir os "Reizinhos":

      Já os três Reis vão chegando
      À lapinha de Belém
      A adorar o Deus Menino
      Que a Nossa Senhora tem.

      Os três Reis como eram Santos
      Uma estrela os guiou
      Em cima d´uma cabana
      A estrela se pousou.

      A cabana era pequena
      Não cabiam todos os três
      Adoraram o Deus Menino
      Cada um por sua vez.

      Um abraço beirão.

      Eliminar
  15. Boa noite Paula, um tema muito interessante explicado de forma muito perceptível!
    Na minha aldeia, cá mais para baixo, não havia o hábito de cantar as janeiras nem os reis de que só tive conhecimento através da televisão! Costumes que devem ser bem preservados!
    Gostei de relembrar todos esse pormenores relacionados com o inicio do ano solar, os dias que vão ficando um pouco maiores. " No dia quinze de Janeiro uma hora por inteiro;))!
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «E Janeiro fora, mais uma hora, e hora e meia há-de achar quem bem souber contar».
      Expressões populares que referem o crescimento dos dias de Inverno e, certo é que, os dias já se notam maiores.
      Beijinhos.

      Eliminar

  16. A grandeza dos amigos são como as flores raras: sua magnitude fica para sempre.
    (Cristina Beloni)
    Obrigada por compartilhar comigo este 2º aniversário do blog Algodão Tão Doce !!!!
    Um doce abraço, Marie.

    ResponderEliminar
  17. Boa tarde, Na minha região as tradições vão desaparecendo, a larga maioria das pessoas da minha região não são católicos praticantes, talvez seja a causa da perca das lindas tradições.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, às vezes culpa-se o Estado, mas às vezes não é o Estado que acaba com as lindas tradições, é a Igreja e o Povo.
      Apesar da Igreja ainda ter muita influência na vida de uma paróquia como Forninhos, até por lá o Cantar das Janeiras está reduzido a uns "Cantares ao Menino", organizado pelo "Coro" da Igreja e que não é, de todo, a mesma coisa!
      Um abraço e cont. de Bom Ano.

      Eliminar
  18. Os nomes e o seu estudo é muito interessante.

    Somos herdeiros de tantos impérios, guerras e civilizações.

    Os romanos deixaram a sua marca bem como o cristianismo.

    As tradições identificam um povo, um país, uma comunidade.

    É um prazer passar por aqui.

    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Pérola, da minha parte há também um prazer pelo caminho seguido que é manter vivas as tradições, que são a nossa referência.
      Beijinhos.

      Eliminar
  19. Boas festas, boas festas,
    Boas festas vimos dar.
    Nos somos de muito longe,
    Nao podemos ca voltar.

    Levante-se dai Senhora,
    Desse banco de cortica.
    Venha - nos dar a janeira,
    Ou de carne ou de chourica.

    Estas casas sao bem altas,
    Forradas de papelao.
    O senhor que mora nelas,
    E um grande cidadao.

    Da janeira que nos deste,
    D,us sera o pagador.
    Queira Ele que de hoje a um ano,
    Nos faca o mesmo favor.

    Inda lhes canto mais outra,
    Em louvou a S. Joao.
    Nao vos canto mais nenhuma,
    Sem saber o que nos dao!

    Vao atrazadas mas creio que ainda a tempo, um feliz 2015 a todos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até fim do mês não é tarde para dar as Boas Festas e cantar as Janeiras, portanto, cá vai no último do mês uma quadra para si:

      Esta casa é bem alta
      Janelas de vidro tem
      Viva o Sr. Al Cardoso
      Sua Senhora também.

      Votos de um Ano Bom para si e família.

      Eliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.