Seguidores

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Festa do Espírito Santo


A festa do Espírito Santo está a aproximar-se...
Este ano terá lugar nos dias 20 e 21 de Maio e podem desde já consultar o cartaz oficial.
Esta festa sempre foi muito importante para nós, mas também para os povos vizinhos de Forninhos, que se deslocam à Senhora dos Verdes para "cumprir o Voto" e darem a sua contribuição, para que a festa, a tradição, não acabe.
Junte-se a nós a realizar esta bonita tradição e rogar a Nossa Senhora protecção para os campos e colheitas.
Não faltará também animação. Estão confirmados os Grupos RHP e  3.ª GERAÇÃO.

24 comentários:

  1. Umas festas a serem vividas com fé e alegria. Pena que fica longe!
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas se um dia fôr até lá, visite o Santuário de Nossa Senhora dos Verdes que vale a pena.
      Abraço.

      Eliminar
  2. Gosto de festas populares que tenham ainda algo de outrora.
    São usos e costumes que não se podem perder.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E esta tem, as tradicionais romarias ainda se fazem. Contudo, é preciso lembrar que o que hoje existe em Forninhos que nos ligue ao Espírito Santo é pouco. A festa é centrada na figura de Nossa Senhora dos Verdes, advogada dos frutos e sementeiras.
      Beijinhos e bom fs.

      Eliminar
  3. Que seja uma festa bem linda com o tempo colaborando bem! bjs, chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prevê-se 22 ºC. e nada de chuva, o que é bom!
      Beijinhos.

      Eliminar
  4. Que seja uma FESTA bem ao gosto do seu povo!!!bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai ser mais do mesmo, mas nesta festa não há muito mais a fazer. Um dia, creio, acabará por ser unicamente religiosa, sem os grupos musicais. Bjo.

      Eliminar
  5. Quanto a mim acho, que a Festa do Espírito Santo que se celebra no santuário da Senhora dos Verdes, continua a ser uma manifestação de fé, fervor e agradecimento na forma sincera e secular de toda esta região.
    Primeiro, agradecem e depois pedem estas gentes das beiras...
    Claro que há animação e bailaricos no seu dia e no que o antecede, mas do tanto que me lembro dos tempos de meu pai e avô e estes dos deles, vinham as procissões das paróquias de Sezures e Esmolfe, pertença do concelho vizinho de Penalva, a pé, as senhoras com ramos das flores do campo nas mãos que só largariam depois da sua Irmandade cumprir o ritual da volta à igreja matriz e partirem todos orando enquanto o sino tocava para o santuário e aí depositavam esmolas e flores.
    Forninhos reconheceu tal fervor e por tal numa das suas entradas erigiu um cruzeiro em sua homenagem.
    Da grande povoação de Dornelas, muita gente e crentes.
    A procissão da terra segue com a sua irmandade a seguir a esta
    Do antigo concelho de Penaverde, descem pelo lugar de Valagotes e formam junto a um cruzeiro comemorativo, perto do adro do santuário, pois por tradição, são os últimos a cumprir o voto.
    Uma multidão imensa de opas de cores diversas que emergem do meio dos pinheirais num respeito por vezes rezado, outras silencioso em volta da "nossa capela".
    A missa sempre foi campal, ao ar livre e o silêncio guardado, no fim, é ser pelas matas adentro, tantos grupos de familiares e amigos nos piqueniques fartos do melhor que a casa tem, ao som das concertinas e mais tarde um pezinho de dança que o conjunto tem fama!
    Quem tem alma e mesmo sendo "um dia de fazer", vem até Forninhos e volta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pela sua fidelidade ao "Voto" esses povos merecem as melhores homenagens.
      Vocês, mordomos, podiam homenagear Dornelas também pela contínua presença em Dia do Espírito Santo, na Senhora dos Verdes. S.M.O., uma simples inscrição no cruzeiro paroquial não ficava mal, pois a sua procissão sai sempre da igreja matriz juntamente com Forninhos.

      Eliminar
    2. E merecem, claro!
      Mas e permite que te tal diga, a melhor homenagem vem deles e a si próprios; pelo seu altruísmo e resiliência de décadas passadas, continuarem com a sua humilde serventia, a depositarem sob a forma de flores ao fundo do altar, aquilo que a alma a tal obriga.
      Mas sabes, Paula, esta Gente nao quer medalhas, mas sim um sinal de esperança, da mesma que mantém...
      Não querem esmolas, dão a "esmola" dos seus "votos".
      Claro e aí concordo em absoluto, a que todas, mas todas as procissões tenham a sua identidade registada.
      Da minha parte e como mordomo pelo segundo ano, acho que levaremos isso avante.
      Deixo apenas um alerta às entidades religiosas e autárquicas: alguém porventura nos anos actuais, se questionou ou mandou fazer um registo do cerimonial, tipo ritual, das procissões que antes de rumarem ao santuário, dão a volta à igreja matriz e a sua simbologia, mais, porque uma percorre o caminho do Lugar enquanto as outras seguem pala Avenida e confluirem à saída do povo?
      E o seu ordenamento apeado e a ordem da sua disposição?
      E no fim, se "vai buscar" a de Penaverde?
      E qual a razão porque que muitas outras antigas deixaram de vir?
      Muitas perguntas a que todos, mas todos devemos encontrar respostas.

      Eliminar
    3. Forninhos não sei, se por puro desinteresse ou total desprezo pelas nossas tradições, estórias e história, não o fez; do assunto apenas há alguma memória e pouco mais.
      O Pe. Luís Lemos no Livro de Penaverde, no capítulo que dedicou a Forninhos é que ainda escreveu umas linhas sobre...(em tempos bem recuados todas as freguesias do extinto concelho de Penaverde eram obrigadas ali ir em procissão cantar as ladainhas).
      As freguesias do antigo concelho de Algodres também eram obrigadas.
      Depois, segundo o Pe. Lemos, pág. 341, o Prelado diocesano proibiu a actuação de outros padres, que não o Pároco de Forninhos, mas as freguesias continuaram a comparecer na mesma e cada uma por sua vez “cumpriam o voto” fazendo a romaria e cantando a ladainha de Nossa Senhora ou outros cânticos marianos.
      Foi assim ao longo dos tempos e ainda não se perdeu por completo esta tradição, felizmente!
      Também sei que na 1.ª metade do Séc. XX, depois do Domingo de Páscoa era costume irem 7 freguesias cantar as ladainhas com a sua cruz alçada, cada uma em seu Domingo (7 Domingos/7 Semanas) e cada uma por sua vez cumpria o Voto. Não sei dizer quais as que iam no 1.º domingo ou quem ia no último, mas durante décadas era assim. Outro dia do ano, em que iam era no dia de Santa Cruz (3 de Maio).
      Na altura, pode dizer-se, que havia turismo religioso em torno deste culto mariano. Hoje há apenas festejos em honra do Divino Espírito Santo e não é mau!

      Eliminar
    4. Parabéns e obrigado Paula, pelo teu testemunho.
      O fruto das tuas pesquisas (árduas, que eu sei), irão permitir que no futuro os vindouros se possam debruçar sobre as suas raízes de uma forma real, digna; afinal as terras dos nossos, tinham um historial fantástico que alguns ainda teimam que perdure no presente e se mantenha no futuro.
      Deixas aqui um pedaço da nossa história...
      Bj.

      Eliminar
    5. Sempre foi minha intenção "construir um arquivo histórico para o futuro".
      Esclareço ainda que a Procissão de Penaverde não vinha à Senhora dos Verdes, em romaria religiosa, desde o tempo do Sr. Pe. Joaquim (isto disse-me um dia -em 2012-a tia Ilda Cardosa). Foi com o Sr. Pe. Flor que voltaram a comparecer para “cumprir o Voto”.
      Note-se que o Sr. Pe. Joaquim (Pereira dos Santos Aragão) paroquiou Penaverde de 1917 a 1951.
      A evolução e inovação das nossas festas religiosas dependem muito da vontade e empenho do Pároco e Forninhos ultimamente não tem tido muita sorte...
      Em 2013, quando fui mordoma, cheguei a falar com o Sr. Pe. Paulo, ex-pároco de Forninhos que era também o pároco de Queiriz e Matança, para ver da possibilidade daquelas freguesias voltarem a "cumprir o voto", tendo-me apenas respondido que Queiriz não tinha Irmandade!
      Compreendi, na hora, que não pretendia trazer algo de novo (ou de velho) às festas futuras!
      Bj.

      Eliminar
    6. P.S- mas foi o Sr. Pe. Paulo que, salvo erro, em 2010, trouxe a "cumprir ovoto" a Irmandade de S. Sebastião de Dornelas, só que acho que podia ter feito mais.

      Eliminar
  6. Certamente será uma bonita festa! Que o Espírito Santo abençoe a todos os presentes!...
    O meu abraço nesta quarta-feira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, querida Anete.
      Um abraço e um bom fim-de-semana.

      Eliminar
    2. Voltando aqui p dar um ALÔ e deixar um abraço...
      Mais e Mais do Espírito Santo na sua vida, Paula!
      Com carinho

      Eliminar
  7. Boa tarde, gosto das festa culturais, manter a tradição é importante que se mantenha e que passe para as gerações mais novas, no sul praticamente não existe festas com tradição.
    Feliz fim de semana,
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na nossa Beira este tipo de festa ainda é quase obrigatória!
      Então as romarias do Espírito Santo são antiquíssimas! Em 1758 o Cura de Forninhos já falava de romagem ao santuário de Nossa Senhora dos Verdes em alguns dias do ano, principalmente nos dias Santos do Espírito Santo!
      Bom fim de semana.

      Eliminar
  8. É pena ficar bem longe ,gostaria de assistir a estas festas.
    Um abraço e bom Domingo.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho dúvidas que ia gostar, porque esta é uma festa de bondade e generosidade, com pessoas que nos ajudam a aprofundar a razão da existência da Segunda-Feira do Espírito Santo.
      Boa semana.
      Abraço.

      Eliminar
  9. Boa Festa e Santas Colheitas....
    Que o esforço da Sementeira tenha divino retorno....

    Abr
    MG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que assim seja e que muitos e saborosos frutos possam ser colhidos no Verão e Outono em Forninhos.
      Abr./Bom fim de semana.

      Eliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.