Seguidores

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Floriano, o nosso soldado

A Primeira Guerra Mundial aconteceu entre os anos de 1914 e 1918; quantos soldados das nossas aldeias foram para a Primeira Guerra? 
Pode saber-se, através do Arquivo Histórico Militar - Boletins Individuais de Militares do CEP (Corpo Expedicionário Português, 1914-1918), tal como se pode saber sobre os mortos, há memoriais.
E sobre a participação forninhense nessa guerra, o que se sabe?
Pouco ou nada, porventura por a nossa tacanhez não saber construir a sua própria história e ir em busca das memórias daqueles que honraram esta freguesia de Forninhos e homenagear os seus filhos que combateram na Primeira Grande Guerra, como o foi o caso do soldado Floriano Cardoso, filho de Agostinho Cardoso e de Maria Amália.
Mas nós não podíamos deixar passar tal em branco e fazemos questão de aqui deixar para memória futura a prova da sua existência e do que lhe aconteceu. 




Quem serão os descendentes da família do Floriano? Dificilmente o saberemos.

25 comentários:

  1. As pessoas mais idosas devem ter ouvido falar, lembrar de algum nome que possam pesquisar.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu ainda conheci um ex-combatente da primeira guerra mundial, que chamavam de ti Casimiro Cobra; as pessoas mais velhas de Forninhos contam que costumava relatar as suas aventuras por terras francesas.
      Outro, foi o Sr. José Bernardo, natural duma aldeia vizinha e que veio a casar em Forninhos e aqui viveu grande parte da sua vida. Este Sr., disseram-me, não era muito de relatar as suas aventuras por terras francesas, mas toda a gente sabia que foi enfermeiro na Guerra de 1914 e soube aproveitar os seus conhecimentos para ajudar o próximo em termos de saúde
      Abraço e bom fds.

      Eliminar
  2. Recuperar memórias e reestabelecer dados é importante! Valeu! abraços, chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É.Cem anos depois é possível divulgar o nome deste nosso soldado graças ao Arquivo Histórico Militar, mas sobre o sofrimento destes pais, que viram o seu filho partir, nada se sabe. É pena.
      Beijos&Abraços.

      Eliminar
  3. Um soldado vale por si e pelo que representa!
    O respeito, é-lhe dado pela consideração de cada um, ou em comunidade.
    Vejo este texto a propósito da visita no nosso presidente a França e entre discursos e imagens comemorativas da batalha de La Lys, falou no lendário soldado raso Milhões.
    Um símbolo dessa malfadada guerra, a 1ª mundial que tanta gente arregimentou para a morte. Dizem que depois de Alcacer-Quibir, menos morreram.
    Por todo o mundo e lugares, abundam locais de agradecimento, por todos os locais do mundo, se reza em respeito pelo soldado, por todos os locais do mundo se respeita a coragem.
    E Forninhos?
    E Câmara Municipal de Aguiar da Beira?
    Aonde e porquê, permanecem pergaminhos da nossa história?
    Quem sabe se este Floriano não foi um dos muitos Milhões, pois que milhares houve, na certeza.
    Por mim, Honro este Senhor!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "O respeito, é-lhe dado pela consideração de cada um, ou em comunidade" (sublinho: "ou em comunidade").
      Forninhos (comunidade) podia tê-lo feito aquando da homenagem aos ex-combatentes da Guerra do Ultramar, mas para isso era preciso "o plano abrangente" de que falavam em 2011.
      Ou, podiam tal referir na monografia da "a terra dos nossos avós".
      Quando não há orientação, pode-se planear muito, planear bem já é mais complicado e executar então...
      É mais útil, homenagear homens de cifrões; infelizmente é só isso que conta hoje em dia; e assim vai o desenvolvimento de Forninhos!

      Eliminar
    2. Estas coisas da guerra, acarretam consigo, no dizer dos analistas da história ao tempo, várias divergências, sendo certo e provado que a expedição portuguesa se rendeu e além de massacrada, os sobreviventes até foram "bem" tratados pelos alemães, pois os nossos aliados ingleses trataram de tudo para que os "nossos" fossem enviados como carne para canhão para a frente de batalha.
      Da rabiça do arado ao apertar um gatilho, ia uma grande diferença sendo que a maior era não saberem porque ali andavam esfomeados nas trincheiras.
      Alguns voltaram, mas a maior parte ficou...enterrada!
      Revolta-me ver a pompa com que Portugal e França celebraram o centenário do HOLOCAUSTO.
      Nós, país de brandos costumes, temos o soldado desconhecido, com uma coroa anual e...
      Mas, os resquícios desta guerra, não deviam dar conforto moral (no mínimo) aos seus descendentes e mais próximos, respeito e dignidade em terras lusas?!!!
      OBTUSOS!
      Significa desprovidos de inteligência, rudes e confusos. Algo que expressa estupidez. Reza o dicionário.
      Foram heróis, sim.

      Eliminar
    3. A arma dos "nossos" era uma sachola, sabiam lá apertar um gatilho?!
      Mas diz a história que em Lisboa os soldados foram treinados para a Guerra e só depois é que foram enviados para França!
      Deve ter sido mesmo verdade???!!! Veja-se o que foi a participação portuguesa!!! Depois de Alcácer Quibir a maior derrota do exército português foi na Batalha de La Lys!! Em apenas 4 horas o CEP perdeu 7500 homens, entre mortos, feridos, desaparecidos e prisioneiros
      É impressionante o número de de vítimas da Guerra de 1914/1918!
      Não só por isso, mas por muito mais, também a mim a pompa dos políticos me revolta, porque os interesses deles são outros...é aparecer...é angariar votos!
      Os bravos heróis foram os soldados e os "heróis do momento" deviam era reparar a nossa história.
      Desde sempre, e assim continuará a ser, os “heróis” das comemorações e celebrações serão sempre os mesmos, são para esses que, vão as palmas e elogios.

      Eliminar
  4. Oi Paula, a guerra antes de mais nada traz muitas mortes, concordo com o comentário do Xico quando diz ( Um símbolo dessa malfadada guera a 1ª mundial que tanta gente arregimentou para a morte e quando diz também: Por todo o mundo e lugares, abundam locais de agradecimento, por todos os locais do mundo, se reza em respeito pelo soldado, por todos os locais do mundo se respeita a coragem) Afinal eles deram suas vidas pelo seu povo, pela sua terra. Honro à todos.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu honro todos e é com muito orgulho que trago aqui a minha homenagem simples de forninhense e de cidadã a este soldado da minha terra: o Sr. Floriano Cardoso.
      Beijos.

      Eliminar
  5. Meu avô paterno faleceu com 107 anos e fez parte dessa guerra e era fascinante ouvi-lo falar desses tempos!
    Os nossos HERÓIS!!!bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imagino!
      Eu ainda hoje gosto de escutar as histórias dos mais velhos, daqueles que eu considero "bibliotecas vivas".
      Tenho pena de não ter prestado mais atenção às histórias que os meus avós contavam.
      Bjo, bom fs.

      Eliminar
  6. Concordo que quem luta pela sua nação merece sim honras! Bonito e bem lembrado post, Paula. Floriano, um soldado que deve ser reconhecido!...

    Obrigada pelos parabéns por lá... Tivemos Bolinho de Bacalhau também, rsss...
    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou convencida Anete que o soldado Floriano, i.é, este post, incomoda Forninhos, porque Forninhos é contra a sua história, como já por várias vezes escrevi.
      Abraços.

      Eliminar
  7. Tempos difíceis ... os da guerra...
    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tempos difíceis e miserabilíssimos, ainda assim foi criado a nível nacional o CEP, sem preparação militar, sem fardamento, sem calçado, sem armas apropriadas. Foi necessário a Inglaterra vestir e calçar os nossos "militares"!!

      Eliminar
  8. Muito importante estes levantamentos para memoria futura.
    Um abraço e bom Domingo.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda mais quando não é nada fácil encontrar escritos relacionados com as nossas aldeias!
      Bom domingo, abraço.

      Eliminar
  9. Verdades absolutas da dimensão que cada um quer dar á sua
    História e da sua Comunidade.
    E pergunto . Hoje com tanta net, Faculdades , Institutos e
    " gente culta" por todo o lado ...estar-se-á a escrever a
    História com conta/peso/medida para que daqui a 100 anos
    alguém não nos considere insuficientes..???


    Boa semana
    Abr
    MG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que eu sei é que a história e tradição, constante na monografia de Forninhos (escrita por "gente culta") foi muito mal contada!
      E uso aqui uma expressão que se diz muitas vezes na minha terra, as mentiras todas enfiadas "chegavam de Forninhos à Matela".
      Bom feriado.

      Eliminar
    2. Paula:
      Estava referir-me ( e pq morreu um amigo meu com
      cancro com a minha idade 52 ...) ao que se vai dizer
      daqui a 100 anos sobre tanta morte com cancro ???
      Impotência da Ciência ou negócio ???

      Abr
      MG

      Eliminar
    3. Não sei, sei que a história fazemo-la todos os dias e quem tiver olhos para ver, olha para os erros do passado, para poder evitar os futuros!
      Bom fim de semana.

      Eliminar
  10. Boa tarde Paula,
    Pena, na verdade, não se dar o devido reconhecimento a quem representou Forninhos na Primeira Grande Guerra.
    Esses documentos representam bem o empenho que a Paula teve para que o vosso Soldado não caia no esquecimento, embora outras honras lhe fossem devidas.
    Penso que depende das vontades, uma vez que na minha terra sempre tive ideia e continuo a ter de que se faz os possíveis para se manterem vivas as mais variadas memorias.
    Beijinhos e continuação de bom feriado.
    25 de Abril, sempre!
    Ailime

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na minha é o contrário, mas pode ser que um dia este documento fique exposto (já que museu não temos) na "Casa do Povo de Forninhos", era o mínimo!
      A ver vamos como diz o cego!
      Beijinhos.

      Eliminar
  11. Que legal este post.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderEliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.