Seguidores

sábado, 15 de julho de 2017

Telhados


Na aldeia de Forninhos a maior parte dos telhados eram cobertos por esta telha, "canudo, bica, vã, lusa, portuguesa" (não tenho a certeza do nome), pois eles vão sendo cada vez mais raros. Como as casas eram baixinhas e não havia electricidade, para permitir que houvesse mais entrada de luz, colocavam-se algumas telhas de vidro (muito mais caras) entre as telhas de barro.
Dedico, assim, estas poucas linhas a uma reminiscência que já mal se encontra e só deve ter subsistido nalguma casa velha ainda não recuperada.

20 comentários:

  1. Tradições que se vão perdendo, Paula.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas é pena, porque os que são cobertos com as telhas modernas ('mais bonitas') na maior parte dos casos têm que se mudar poucos anos depois.
      Bom fim de semana.
      Abraço.

      Eliminar
  2. Olhando para a foto, por cima destes telhados, lembro gentes.
    Um turbilhão de sentimentos, de quem eram, foram e de quem são, à semelhança de outras quase iguais que abundavam pelo los sítios do Lugar e por demais.
    Escassos são os registos acerca deste tema na nossa terra pois em quase nada devem diferir das outras da região e por tal me vou socorrendo dos mais velhos, nas suas lembranças já meio esquecidas, mas que vou espevitando com as minhas.
    Para eles falo em telhas e como estas mudaram ao longo dos tempos e o eterno " o queres que te diga...", eram telhas.
    "- Todas tinham telhados?".
    " - Já agora, casas havia, nem casas eram a dos mais pobrezitos com chão de terra batida e palha para a cobrir".
    Neste interlúdio, lembro de entrar numa destas casas, depois mais uma e depois outra...casas sem telhas, cobertas de ramos e palha, VIVENDO-SE COMO CALHAVA.
    Mais sorte já tinha quem no tecto tinha estas telhas canudas; eram telhas fáceis de remediar nos invernos rigorosos de ventanias em que uma meio partida daria jeito para um caleiro.
    Eram as telhas antigas, as mesmas que antes da Páscoa e nas "rezas", eram testemunhas de um amor eterno.
    Até que chegou a "vermelha"
    Quem tinha esse privilégio, tal não escondia e ostentava em jeito de pregão:
    "- O meu telhado veio da Pampilhosa"!
    E pronto, em cada telhado uma imagem diferente que a distância dos tempos dita, gentes, poucas que lembram os seus por debaixo de quase cabaniços, pais ou avós sob as telhas antigas e netos com telhas vermelhas de marca.
    Adorei o post que me faz reviver.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A telha 'vermelha' ou telha marselha vinha de várias fábricas da Pampilhosa:
      ALMIROS Ld.ª Canas de Sabugosa.
      COMPANHIA CERÂMICA DAS DEVESAS, Pampilhosa.
      MOURÃO, TEIXEIRA LOPES, Pampilhosa.
      SUCURSAL DA FABRICA DAS DEVESAS de ANTÓNIO ALMEIDA da COSTA & COMPANHIA. Pampilhosa.
      CERÂMICA EXCELSIOR, Pampilhosa.
      E também de:
      SANTA COMBA DÃO-PINHEIRO D´AZERE CERÂMICA do DÃO LIMITADA.
      Mas se formos falar da origem dos telhados, tínhamos de nos reportar também a outra origem: a da cerâmica. Mas o objectivo deste post é mesmo o 'telhado tradicional' que em Forninhos era de telha vã (telhado sem forro, apenas com as telhas canudo a servir de tecto); só depois veio a telha da Pampilhosa, mas também há quem se lembre da telha parecida com a tégula romana, de fabrico industrial claro, mas esta moda não pegou. Talvez ainda haja alguma pilha delas ou cacos delas num canto qualquer.

      Eliminar
  3. Adoro telhados e esses da foto, lindos.Belas reminiscências,Paula! bjs praianos,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim, esta foto é das mais bonitas e significativas de Forninhos.
      Um dia publico uma foto tirada do mesmo ângulo, para verem o que mudou.
      Boas férias, beijos.

      Eliminar
  4. Olá

    Continuo a ler e acompanhar o que vocês escrevem....
    A minha admiração e respeito.

    Abr
    MG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada MG.
      Boas férias/Abraço.

      Eliminar
  5. Postagem interessante. Sempre faz bem de vez enqundo falar de um passado distante. Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...que me parece ser ontem.
      Bjs.

      Eliminar
  6. Imagens do passado que cada vez são mais raras.

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, porque em nome do progresso destruiu-se o tipismo das aldeias.
      Boa noite*

      Eliminar
  7. Que telhado bonito, Paula! O antigo conservado, restaurado admiro muito...
    Um abraço grande neste início de semana...

    ResponderEliminar
  8. Respostas
    1. Tal como em Óbidos, devia ser obrigatório em muitos lugares o uso de telhas de canudo, mas Óbidos é um caso à parte.
      Abraço.

      Eliminar
  9. Não conheço a telha, mas acho que deviam ser conservadas algumas para não se perderem os materiais usados nas habitações.
    Podiam ter uma casinha para ser visitada por quem visitasse Forninhos.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, não digo que seria visitada como a casa de Francisco e Jacinta Marto, mas decerto não faltariam pessoas que vivem nos grandes centros urbanos a querer também nela entrar de modo a conhecer um pouco dos hábitos das famílias serranas de Portugal, no início do século XX.
      Beijinhos, bom fs.

      Eliminar
  10. Já vi muitas mas a modernidade e a modernice não perdoa!
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por isso é que era bom as autarquias e demais entidades olhassem para estas construções não como algo de “velho” e a cair, mas antes como uma mais-valia patrimonial que deveria ser preservada. Só espero que quando esse dia chegar, e se chegar, em Forninhos ainda esteja alguma de pé!
      Bj/boa noite.

      Eliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.