Seguidores

quinta-feira, 21 de maio de 2015

VADE RETRO SATANÁS

"Exorcizamus te, omnisimmundus spiritus, omnis satanica potestas,, omnis incursio infernalis adversaria, omnis legio, omnis congregatio et  secta diabolica, in nomine et virtute Domini Nostri Jesu Christi...".


Deste modo se inicia o ritual do exorcismo maior ou solene desde 1641, de expulsar o demónio de alguém possuído e que até hoje, dizem, se mantém inalterado.
Mas afinal em que consiste este acto tão controverso e antigo em que o pagão se mistura com o religioso?
A Igreja admite, mas apenas em casos excepcionais e rodeados este ritos de determinado secretismo e "oficialmente" à sua revelia, na certeza porém de que apenas poderá ser efectuado por padres de invulgares qualidades nomeados por bispos da diocese. Pelo que averiguei, existem actualmente 12 padres eleitos a nível nacional, entre eles a diocese de Guarda e Viseu. Ou seja, não assume, mas sustenta a autenticidade dos esconjuramentos demoníacos.
Raro nestas e outras coisas, e ver a forma aberta e desafrontada do Padre Fontes "...toda a gente faz exorcismos. Exorcismo é um palavrão, que traduz o que antigamente seria tirar o diabo do corpo...a Igreja acabou com isso há uns anos, embora haja padres que o façam...actualmente o pseudo exorcista é feito por qualquer curandeiro...por conhecimento de meios ou por imitação dos padres. No fundo não é fazer exorcismo, mas uma farsa...". E diz mais este padre mediático "... não acredito em bruxas, feitiços, nem sequer no diabo...em aldeias de miséria, não se pode ficar a olhar para o lado e por tal estas aldeias do interior nunca abandonaram o seu paganismo fundamental que lhes dava curas, mezinhas, vida comunitária e assistência na desgraça e a igreja no alto da sua catedral, nunca entendeu estas gentes e por tal nunca conseguiu que deixassem de acreditar em bruxas e fantasmas...farto-me de dizer as pessoas que essas coisas não existem, mas por aconselhar as pessoas, pensam que sou bruxo...".
Tal como em tantos lugares, em Forninhos também houve exorcistas, mas perguntando por aqui e ali, as pessoas mais velhas, quedam-se pelo silêncio, mesmo que na insistência de "falavam de dois padres, o Pe. Matos e o Pe. Barranha, que tinham o hábito de hipnotizar e fazer esse número, de expulsar os diabos do corpo, mas não sei... se calhar faziam estas coisas mas era a brincar...sei lá...".
Os tais medos que apenas a cova irá tapar, embora digam que este número do exorcismo era feita pelos padres (afinal sabem), mas desviam "que a gente saiba, quem tirava o demónio do corpo, era a bruxa de Dornelas, falavam com a voz dos mortos e em estrangeiro, por vezes eram precisos muitos para os segurar e até chegavam a morder... depois ficavam mansinhos".
Talvez o padre Fontes tenha razão...
Afinal e porventura, tudo terá começado no exorcismo menor, o baptismo que embora com vestes sacerdotais normais, pouco difere do exorcismo solene, nascemos e somos benzidos, a esconjurar o diabo.

29 comentários:

  1. Era a brincar, mas se calhar havia quem acreditasse e depois lhes pedisse que o fizesse a sério… e eles (padres) faziam. Além dos padres referidos fala-se num outro mais antigo: o Pe. Horácio. E parece que fazia o trabalhinho bem feito, já que nunca se ouviu falar de qualquer reclamação!
    Não sei porque as pessoas têm medo de falar dos exorcistas que passaram por Forninhos, era assim mesmo e esses rituais aconteciam em quase todas as aldeias da nossa Beira e a casa paroquial de Forninhos guarda (ou melhor, guardava) entre as suas paredes muitos números de exorcismo. As pessoas não querem falar, mas sabem que havia pessoas que à socapa lá iam à casa pedir o favor de expulsar o diabo que lhes tinha tomado conta do corpo.
    Eu cheguei a ver o Pe. Barranha a hipnotizar um jovem e depois dizia que era tudo uma brincadeira dele, mas...a brincar, a brincar...
    Da Pe. Matos não tenho lembrança e se é verdade ou mentira não sei, mas da fama não se livra e já diz o povo "onde há fumo há fogo".
    E dos bruxos e bruxas que "falavam com a voz dos mortos e em estrangeiro" lá em Forninhos há gentinha que ainda hoje vai a um bruxo ali para os lados de Penalva do Castelo que dizem que "encarna" no Padre Cruz! Para mim não passam de pessoas ignorantes e de espírito fraco.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Evidente que os padres que praticavam o exorcismo e por a igreja tal recomendar, o deviam fazer de modo recatado, sendo que se tal fosse possivel na casa que o possesso habitava e das pessoas mais chegadas, de preferencia de "corpo fechado" para o Demo nao interferir.
      Quando o acto de exorcitar se tornava publico para algumas pessoas nao ligadas ao momento, havia que disfarcar e por tal era dissimulado em "brincadeira" pelo padre executante, como mandava a Santa Madre Igreja de modo a tal nao se misturar com bruxaria ou curandeiros.
      Entre muitas ficava esta reza...
      EXORCISMO PARA EXPULSAR O DIABO DO CORPO
      Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, eu te arrenego anjo imundo, que pretendes meter-te em mim e corromper-me.
      Te arrenego três vezes. Te expulso e não te quero.
      Pelo sagrado poder da Cruz de Cristo, pelo poder das suas Divinas chagas, eu te esconjuro, Maligno infecto, para que não possas tentar a minha alma sossegada e a morada onde só Deus tem entrada. Amém.

      Ao dizer o exorcismo faz o sinal da cruz sempre nos pontos finais. Repete o esconjuro cinco vezes.
      Em cada vez que o diz, no final, coloca a mão na cabeça da pessoa afectada. Deixa-a estar mais ou menos um minuto, e repete o exorcismo, num máximo de cinco vezes e tendo sempre o mesmo procedimento.

      Eliminar
    2. Se os padres o faziam/fazem de modo recatado é porque não é a brincar, acho eu que que quem o faz por brincadeira não o esconde e faz o "teatro" em público e com uma lenga-lenga e não oração!
      Há é padres que disfarçam bem e mais não digo...

      Eliminar
  2. Lembranças legais e essas coisas desse tipo, nas ldeias, tomavam um a proporcão bem importante,né? bjs, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, amiga Chica, lembrancas para o enriquecimento da cultura local.
      Afinal num conjunto de usos e costumes em que as rezas e orações se apresentam como uma das mais respeitadas, pois caminha ao lado da religiosidade.
      Beijos

      Eliminar
  3. Um belo texto demonstrativo de como se vivia e ainda se vive nessas terras perdidas do interior onde a medicina e a informação, não chega e é o padre ou o bruxo da aldeia que tenta remediar os males do corpo e por vezes da alma, dessa gente simples e analfabeta.
    Um abraço e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa tarde amigo Francisco.
      Modo dificil de como se vivia nesses tempos. Para nao continuarem possessos, a paga era atraves de generos, cantaros de vinho e quem podia, um cabrito ou borrego. Quem nao tinha, comprava um bom queijo e dava, o importante era que o diabo se fosse.
      Hoje as coisas existem como que na clandestinidade, senao repare...
      A IGREJA TEM DOZE EXORCISTAS AUTORIZADOS
      ( Correio da Manha em 22 maio 2013)
      Dioceses portuguesas têm padres preparados para esconjurar. Os padres evitam falar no assunto e os exorcistas das dioceses não se mostram.
      Um abraco.

      Eliminar
    2. Francisco Carrajola Oliveira:
      Para essa gente o padre é tudo...o padre disse, logo é verdade...e acham que o sr. padre só quer ajudá-los. Ao mesmo tempo essas pessoas tão católicas, são as mesmas que acreditam nessas pessoas que ouvem coisas, que falam diferente, mas depois "acordam" sem se lembrarem de nada! Não há consonância!

      Francisco Almeida:
      Dá ideia que nesses tempos Deus e o Diabo viviam a paredes meias! Afinal ambos eram necessários para assegurar a sobrevivência e bem-estar material dos padres!

      Eliminar
  4. Provavelmente ainda se pode encontrar em muitos recantos deste nosso mundo!
    Não acredito...mas respeito quem o pratica!
    Um bom fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tambem respeito e tal devemos.
      Apenas me interrogo sobre o papel da igreja neste assunto que autoriza, mas esconde. Porque?
      Insodaveis os designios e misterios do Senhor...
      Um abraco e bom fim de semana.

      Eliminar
  5. Nas casas do padre Gama, 74 anos, não há calendários. Recebe uma semana em Murça, Vila Real, outra no Cadaval, em Fátima, onde acorrem "muitos aflitos". Padre de culto mariano, diz pertencer à "Igreja de Deus", e ao rol de suspeitas que pesam sobre as suas práticas e os sinais exteriores de riqueza o padre, que conduz automóveis Porsche e BMW, responde que tem "fortuna de família" e garante não cobrar nada. "Cada um paga o que quer e recebo pessoas do Canadá, Austrália, Bélgica. Se fazem essas viagens, e gastam o que gastam, não é para fazerem turismo." Uns querem recuperar a fala, outros encontrar paz para os males da vida.

    Pensava eu inocentemente que um padre devia ser um seguidor de Cristo e desprendido dos bens materiais...
    http://www.cmjornal.xl.pt/domingo/detalhe/na-casa-do-exorcista.html

    ResponderEliminar
  6. Xico, a dizer a verdade , não penso no assunto!
    Tenha um feliz fim de semana.
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Entre outros temas, eu penso pela raiz, tentando saber o modo em que fomos educados, aculturados e o "principius" da nossa vida.
      Veja os seus soberbos bordados.
      Comecam em algo, num no que precisa de desembaracar...
      Como a vida!

      Eliminar
  7. As pessoas não pensam no assunto, mas então pergunto se nunca ouviram falar do movimento carismático?!
    Se calhar já, mas apenas sabem que existe!
    Eu sei de um padre que viveu na casa paroquial de Forninhos na década de 60 que está envolvido nesse movimento e parece que sente-se mais identificado pelo movimento do que com qualquer paróquia!
    Não tenho nada contra, nem a favor, é um movimento na Igreja como tantos outros, só não acho bem os padres da igreja católica esconderam o que se faz lá. São maneiras de ser ou de estar na Igreja que não compreendo.
    Falo do tema neste post porque estamos prestes a celebrar o Pentecostes e... afinal quem nasceu primeiro, a Igreja Católica ou os Pentecostalistas (se existe a palavra)?
    Quem quiser conhecer mais sobre Pentecostais e Carismáticos vá ao Google e perceberá melhor o comportamento de padres que conhecem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dificil falar destes temas, sob o ponderavel de sermos ainda mais linchados, como se ja nao bastasse.
      Meio seculo atras, o padre ia a casa particular por interesse. Sei que as pessoas mais antigas temem estas palavras, mas vi, vivi e por tal sofri.
      Adiante contarei.
      Os que nao ligavam nada a igreja, independentemente dos motivos, mas presumo que porventura na sua miseria eram e continuam esquecidos, esta (Igreja), nada lhes podia cobrar, pois nada tinham e nada valiam e nao venham dizer o contrario relativamente na minha aldeia. "Eram uns Deus Dara...". "O Demonio que os carregue...".
      Li, seguindo o conselho do teu comentario, e fiquei boquiaberto!
      Afinal o que me seduziu nesse "teu" padre, ao ponto de ir parar a um seminario, foi o mesmo ...
      Banzado!

      Eliminar
    2. Ah pois é!
      Só te digo que dentro do movimento é um dos maiores!
      Não acredito muito que pratique o exorcismo e tal qual o Pe. Fontes tudo sempre fez que as pessoas deixassem de acreditar em bruxas...penso que a fama que ganhou nesse campo foi devido às sessões de "cura" praticadas nos carismáticos.

      Eliminar
  8. Boa noite Xico e Paula,
    Sobre este assunto que me merece o maior respeito, não me recordo de na minha aldeia ter ouvir falar! Penso que os padres que por lá passaram não eram exorcistas!
    Mas há mais ou menos oito anos na Igreja Paroquial do local onde resido assisti a uma situação de um rapaz que, com a família assistia à missa, mostrando-se muito perturbado e a família igualmente. Gerou-se ali mesmo à minha frente uma confusão e quando o condutor da assembleia se deslocou para verificar o que se passava, o Pe. que presida à Missa (não era o pároco) disse que sabia o que se passava e que os aguardava no final, na sacristia!
    Sei de fonte segura que ali se realizou um exorcismo!
    Se o assunto foi abordado de forma aberta perante uma assembleia com cerca de duzentas pessoas ou mais, alguém autorizou!
    Perante este facto e o que relata penso que certamente até ocorrerá mais vezes do que pensamos!
    Se pensarmos bem, Jesus deixou esse testemunho. Ele próprio expulsava os demónios!
    Desejo-vos um bom fim-de-semana.
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, esse padre devia ter autorização, já aqueles que o fazem às escondidas e depois dizem que era tudo uma brincadeira deles não têm autorização da hierarquia!
      Eu, como disse acima, vi um padre residente em Forninhos a hipnotizar um jovem (que por acaso era bastante irrequieto na sua juventude), mas penso que esse padre apenas se limitava a pôr à prova a prática algumas técnicas (que aprendeu) utilizadas por “curandeiros”, “espíritas” e “exorcistas”. Acho que o número nem resultou!
      E, sim, Cristo foi o primeiro exorcista credível. Lembro aquela passagem da bíblia, que foi um acto de exorcismo, quando aparece um homem possesso do demónio e Jesus expulsa o demónio e entram numa vara de porcos que se afogaram no mar dentro, isso porque o homem disse "somos muitos"!
      Não entendo porque alguns padres católicos escondem o que praticam. É como os do movimento carismático que escondem o que por lá se faz. Para as pessoas das aldeias, como Forninhos, apenas admitem que não pertencem a qualquer seita “religiosa” e são católicos que se juntam para rezar, mas como bem sabem que interpretações há muitas omitem propositadamente que andam nesse movimento a praticar a ideia de sacrifício, pecado, moral sexual, divórcio...
      Já fui convidada para ir a Viseu a uma dessas reuniões de oração carismática, mas recusei o convite “na hora”.
      Beijinhos e bom fim de semana.

      Eliminar
  9. Bom dia, o tema até pode ser interessante, mas eu não consigo comentar porque não estou dentro do assunto, esta minha ignorância sobre o assunto deve-se ao facto de eu e toda a minha família não termos religião, peço desculpa por não comentar.
    Voto de um bom fim de semana livre e feliz.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comentou de forma soberba!
      Um grande bem haja, afinal a mae de qualquer religiao, penso eu, tem por base a liberdade, essa sim a madre do mundo.
      Um abraco fraterno.

      Eliminar
  10. Estou totalmente de acordo com o padre Fontes, um homem com muita abertura de espírito.
    Muito curiosos os testemunhos de algumas pessoas mais velhas de Forninhos; os padres é que exorcizavam, mas no final de contas, quem realmente esconjurava o demónio seria a bruxa de Dornelas...:-)
    As pessoas parecem precisar sempre de uma ideia e do seu contrário; se como crêem, Deus é infinitamente bom e todo o Bem dele vem, terá de haver um Diabo como justificação do Mal que aparece. A tradição necessária das mezinhas e benzeduras, devido sobretudo à ausência de médicos, ou à sua incapacidade para tudo curar, fez com que certas doenças, sobretudo do foro psiquiátrico fossem consideradas obra do Diabo. Algo que chegou até aos dias de hoje, embora em menor escala. Práticas que demoram muito tempo a passar.
    Um post muito interessante sobre a fé, ou melhor, os diferentes contornos da fé.
    Bom fim de semana!
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa noite Laura.
      Acho que preciso de um exorcismo, pois tinha acabado uma resposta ao seu comentario e assim que carrego naquele sinal azul que diz publicar, "foi um ar que lhe deu...". Coisas do diabo, porventura as mesmas que em qualquer texto ao rever o via minimizado, mas coisas que nao me afrontam, pois ja a minha avo Maria da Lameira que fazia responsos, dizia que tinha o corpo fechado a estas coisas e por tal delas me rio, contrariamente a muitas gentes.
      Afinal o diabo deve pensar que sou pior que ele...
      A paridade entre o Bem e o Mal, consigna, penso, a luta da vida, sendo que para crentes ou nao crentes, a religiao mae, tera sempre por base a palavra liberdade.
      Estes padres, um me marcou e "mandou" para o seminario do qual viria a ser expulso por falta de "vocacao". o mesmo que andou na ribalta politica, e ainda agora nas nomeacoes diocesanas, pessoa culta demais para na humildade sacerdotal, exercer numa paroquia.
      E vive bem, regalado, melhor de quando nos lavradores comia os melhores bocados do porco que nem os filhos dos donos da casa cheiravam.
      Um senhor...
      Beijo Laura e desculpe o desabafo.

      Eliminar
  11. Mesmo sendo católica e crente, não acredito no exorcismo.

    Adorei ler o texto e respeito as crenças de cada um.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Coisas do antigo mas que agora se querem tornar mais fortes.
      Na crise, "renasce" o desespero e o que pode ajudar.
      Compreendo quem nao consegue ter um pouco de lucidez, porventura de barriga vazia, mas quem de tal se aproveita....
      Bom fim der semana

      Eliminar
  12. Por mais que escondam, na aldeia de Forninhos nos idos anos 40, 50 e 60 o exorcismo estava bem presente, digo isto porque no Entrudo havia sempre alguém que na paródia imaginava um possesso do diabo e no largo da Lameira (desse tempo) procedia ao exorcismo. Ou seja: a brincar ao Carnaval, expulsava o demónio daquele corpo e fazia isso com uma lenga-lenga que começava assim:

    Foge daí,
    Diabo mau.
    Lagarto, lagartixa, alacrau.
    Eu tenho aqui um pau.
    (e batia com o pau no chão: pum! pum! pum!)

    Para se lembrarem de representar o número é porque sabiam da sua existência!
    Na paródia havia sempre alguém que também trazia lacraus para assustar os que frequentavam o largo no Entrudo/Carnaval.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De acordo, Paula.
      Que havia, havia, sendo que numa mistura em que as pessoas acorriam no desespero ao que houvesse.
      Um padre, respeito e medo, uma bruxa ou bruxo, pode ser que me receba, mas quanto irei pagar pelas "rezas"...
      Tal como hoje quando sao entrevistados e dizem que dao o que quiserem, porventura por saberem que ate davam no desespero a propria alma...
      A proposito, deixa que te diga que uma minha proxima, tida como pessoa que responsava de modo serio, foi fazer a confissao.
      Era pessoa de bem, sem necessidades destas andancas, mas pelo dever de apaniguar "aquelas coisas " da vida do campo, por vezes madragas.
      O padre pergunta para a Senhora Maria o motivo porque nao mandou alguem em seu nome, pois rezar ao olhado, olho de boi, jerpela e tantas coisas, era pecado..
      Gravissimo, um se ir confessar no lugar do outro, mas a Senhora respondeu com humildade, "peco se tal for, por mim, dos outros...".
      Medo sim, tinha dos lacraus que o amigo Luis, trazia numa caixa de
      fosforos que apanhava nos Cuvos ou S. Pedro.

      Eliminar
  13. Um texto muito bom, Xico e Paula!
    O assunto é bíblico e sério, viu, demônios, diabo e mentes perturbadas por conta de opressões, são realidades terríveis... Já presenciei cenas de arrepiar... Também libertações lindas!

    Agora em Barcelona e depois "casa", já é tempo... Rsss...
    Saudades de vocês... Um Abração...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assunto serio, sem duvida.
      Pensamos conscientemente sobre o tema e a forma de o abordar sem ferir susceptibilidades. Aqui a gente tem por honra, respeitar qualquer credo que tenha no minimo a palavra Liberdade.
      Deixe que lhe diga, falo por mim, encontrei em pesquisas , coisas de gente proxima e responsavel na minha orientacao pessoal e de vida, de uma pessoa , e agora percebo aquando nas redes sociais me apelou de "grande sabio da fe...".
      O que me custa tem por base nao o modo, sentimentos e medos, mas um membro da igreja, em proveito proprio ou de...de tal se aproveitar.
      Dizem que tenho o corpo fechado, entao...
      Tretas, gozem Barcelona, isso sim e os espiritos nada fazem perante a mais linda Catedral do Mundo!
      (Vou ter demandar ao Juca a camisola do Benfica).
      Um abraco do mundo!

      Eliminar
  14. Magnífico Post sobre algo que existió en muchos Pueblos de nuestro alrededor y que, la mayor parte de las veces, se mantenía en secreto, aunque era "Vox Populi" en todo el entorno.
    Escenas místicas y misteriosas, aderezadas con brujas, curas y curanderos que fomentaban las incertidumbres de ese ambiente entre nieblinas.
    Abraços e Beijos.

    ResponderEliminar

Não guardes só para ti a tua opinião. Partilha-a com todos.