Seguidores

sábado, 30 de julho de 2011

Saudação ao Casal Rosa e João

Saudamos o casal,
Rosa e João


que no dia 12 de Julho de 1986 contraíram matrimónio e que agora comemoraram as Bodas de Prata

são 25 anos e não 25 meses!

Desejamos as maiores felicidades do mundo a este jovem casal e que comemore com o mesmo amor e carinho as Bodas de Ouro, são os nossos votos com amizade.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

As nossas Refeições


Pus-me a pensar nas refeições habituais que se comiam em Forninhos e que se perderam, mas que agora os médicos e nutricionistas nos recomendam, isto é, comer produtos biológicos e 5 ou 6 vezes ao dia, melhor ainda, a cada 2 horas e meia. Ah! E que devemos comer sopa. Pois bem, em Forninhos há 40 ou 50 anos e tal, já era quase assim. Apesar de haver quem passasse mal, pois eram tempos de miséria e muitas famílias nem sequer tinham uma velga para cultivar.
Voltando às refeições, segundo a ordem (corrijam-me, pois posso muito bem estar enganada):
- Às 5 ou 6 da manhã (mata-bicho): figos secos e aguardente;
- Às 7 ou 8 da manhã (almoço): Caldo e um bocado de pão com conduto;
- Às 10h30 (piqueta): Pão com queijo da serra ou com chouriça, às vezes omelete e batatas albardadas e sempre azeitonas;
- Ao meio-dia (jantar): Caldo e carne, sardinha, chicharro, bacalhau, com o que havia: batatas, feijão, chícharos, couves. Os homens acompanhavam a refeição com vinho;
- Às 4 da tarde (só até ao S. Miguel: a merenda): Pão com queijo, chouriça ou presunto. Era normal os homens usarem navalha e cortar aos bocadinhos, que acompanhavam com o vinhito;
- Às 6 e tal ou 7 (ceia): Caldo, feijão com couves, aqui e ali, arroz com couves (os legumes, sem grandes variedades, sempre mais à base de couves) e por vezes bacalhau albardado.
Agora reparem que naqueles tempos se comia muita sopa, havia sempre um caldo a cada uma das três principais refeições: de manhã cedo, ao meio-dia e à noite. Quando se diz "à noite", é óbvio que nada tem a ver com os horários de hoje, pois a luz solar é que indicava os horários. A electricidade chegou a Forninhos depois de 1959/1960(?) e não era em todas as casas e isto significava que as pessoas se deitavam cedo, para cedo erguer, mas o estômago estava habituado a este ritmo do levantar cedo.

Legenda sobre os termos populares usados:

Velga: pedaço de terra para cultivar;
Conduto: acompanhamento do pão (queijo, enchidos);
Caldo: sopa;
Chicharro: carapau grande;
Chícharos: feijão frade;
Merenda: lanche;
Piqueta: refeição intermédia das 10 e tal da manhã;
O pequeno almoço chamava-se almoço;
O jantar era o que hoje chamamos de almoço;
A ceia era a refeição que hoje chamamos de jantar.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Caminhos Velhos

Porque a oportunidade se nos afigura ideal, pois vale a pena vir até aqui nas férias, vamos mostrar a todos os que nos acompanham nesta caminhada, um Caminho que vai até onde a imaginação nos pode levar. Para quem conhece, sabe do que estamos a falar; para quem não conhece, deliciem-se com esta caminhada virtual, que também é uma via de chegar à nossa serra, onde as nuvens parece que nos esperam:

Caminho que nos leva à Serra, agora vista em toda a sua nudez,
desde que os repetidos incêndios a despiram das suas vestes naturais,

as árvores que por aqui abundavam eram: os Pinheiros,
que davam resina todos os anos, davam lenha miúda

e lenha mais grossa, as cavacas,
que aquecia as lareiras e as casas

Para além da muita Pedra, a paisagem é simplesmente magnífica

Aqui, uma vista da imponência da "Cadeira do Rei"

"Onovoblogdosforninhenses" deseja Boas Férias e Boa Viagem
a todos os forninhenses, e não só, que nesta semana e seguintes,
vêm a caminho da nossa terra.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Forninhos, parou num tempo antes

Foi no Largo da Lameira, num cenário que nos revela o traçado rústico, antigo e tradicional da aldeia de Forninhos, que os "figurantes" retrataram as artes, ofícios e profissões antigas da nossa terra. As imagens que se seguem, recolhidas por mim, ed santos e serip413, leva-nos a pensar como tantas profissões/ofícios se perderam. Vejam:


toca a votar no Queijo da Serra (categoria: Entradas): www.7maravilhas.pt


Os Resineiros, colheu-se nesta terra muita resina


Cultivou-se linho


Forninhos também foi terra de Sapateiros


de Pedreiros e Carpinteiros

Comércio Retalhista e Taberneiros

Barbeiros e Carteira, pois entregar cartas, era, foi quase uma arte

não esquecendo o toque da modernidade, que se misturaram,
tal como as idades

Os apicultores, Constantino e Sra. Cândida,
nos seus cuidados à volta das colmeias
que ainda hoje fazem parte da sua faina

Oferta de bom mel para a Irmandade de Santa Marinha, que rendeu € 50,00

O Amolador, muito bem retratado pelo Sr. Luís Marques,

que passou a mensagem que hoje vive-se para a sobrevivência
e sustento da casa

O Retratista, uma profissão importante, na época, que se perdeu


O Sr. Zé Carlos (neto do Sr. Carlos Guerra) a informar que
as fotografias de todos os jovens que foram à inspecção
foram tiradas com esta máquina

pequenos pormenores para mais tarde recordar

O som de boa música do Grupo de Cantares "Raízes da Terra"
enchia os ares, onde os aromas da carne assada
não deixavam ninguém indiferente

A Sra. Lúzia e marido, Sr. Fernando,
dançavam ao som de boa música antiga tocada por gente jovem

terça-feira, 19 de julho de 2011

Guerra do Ultramar: 50 anos depois

Em Abril de 2010 lembrámos os naturais do nosso concelho que "pagaram" com a vida a sua participação na "Guerra do Ultramar" aquiPorque em 2011 se comemora os 50 anos do início desta ofensiva militar e sempre achamos ser facilmente exequível, voltamos a lembrar o assunto aqui apelando aos membros do executivo e deliberativo da JF de Forninhos que considerassem este assunto, ainda este ano, de forma a honrar a memória daqueles que morreram na Guerra e dos que de lá vieram e assim o fizeram no passado Domingo, dia 17 de Julho de 2011. A história deste dia nas imagens que eu e o Colaborador serip413 recolhemos, aqui ficam, para todos os filhos desta terra que não puderam estar e todos os ex-Combatentes que não foram convidados, sentirem este momento como Vosso:


Painel que recorda aqueles que foram obrigados a ir
para uma guerra que não era a deles
















Homenagem da Junta de Freguesia de Forninhos


Em memória dos que em combate tombaram.
Aos pais, irmãos, esposas e filhos que os choraram.
E aqueles que pela pátria lutaram e regressaram.


Gravação do nome dos 4 forninhenses que derramaram o sangue por Portugal


Paz à alma de todos os jovens que morreram
numa Guerra que só a ganância explica!

Santa Marinha, Padroeira de Forninhos

Este último fim de semana foi fértil em acontecimentos tradicionais e de fé a que a nossa GENTE dá muita importância. Vamos começar a divulgação pelo princípio, o Dia do Jubileu da Irmandade e Dia da Padroeira de Forninhos, Santa Marinha, dois dias levados muito a sério, como vamos ver:


São quase 10H00, do dia 16.JUL.2011 (Sábado) e poucas pessoas,
queixavam-se os presentes.


Mas com vontade e muito empenho, o compasso religiosamente passa


e assim se fixam estes momentos sempre únicos


sendo uma repetição anual


até voltar à porta da mui secular igreja, onde a aldeia se recolheu para no dia 18.JUL.2011 (Segunda-Feira) assistir à missa do Dia Santo Local


Depois da missa, o momento especial da procissão, que saiu da
Igreja Paroquial de Santa Marinha


Vamos acompanhar a procissão ao longo do percurso e fixar momentos
que nos deixem ver a aldeia neste dia


Ao fundo a Santa Bandeira, símbolo da Irmandade 




O andor de Santa Marinha enfeitado com hortênsias, o símbolo da energia,
é sempre transportado pelas jovens solteiras
que revelam o sentir, responsabilidade e concentração


Logo a seguir vem a Cruz com as respectivas lanternas


E com o cheiro das hortênsias espalhado pelas nossas Ruas,
não pode faltar energia a ninguém.