Seguidores

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Modos de Dizer: “Um frio de Rachar”

Expressões como “está um frio de rachar” ou “está um frio que corta” são usuais nos dias de muito frio e é quando mais apetece sermos aquecidos pelo fogo de uma bela fogueira:


Com este Post volto às expressões orais, modos de dizer, que não sendo exclusivamente forninhenses, fazem parte da nossa linguagem. Aqui ficam mais algumas frases sábias que o nosso povo usa para se referir aos dias de chuva e de muito vento:

- A propósito dos dias de chuva, há ditos populares que ainda se ouvem, como: “chove a cântaros”; “chove que Deus a dá”; “borriço”;” chuva de molha-tolos” ou "chuva molha-todos"...

- Quando havia muito vento ouvia-se, noutros tempos: "morreu um escrivão para os lados de Trancoso”; "anda o diabo à solta"...

Comentem estas expressões e sugiram mais.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Frutos de Outono: Míscaros

E porque mais do que nunca é importante a transmissão e divulgação do nosso património colectivo, a preservação e transmissão dos gostos, paladares, tradições de saberes dos nossos antepassados, hoje vamos falar de MÍSCAROS, um cogumelo que se apanha no Outono, durante os meses de Outubro, Novembro e princípios de Dezembro:



Agora é só raspá-los com a ajuda de uma faca, para retirar a terra que está junto ao pé e chapéu, lavá-los muito bem e depois deixá-los escorrer.

Para além da imagem aqui fica também uma receita tradicional local de MÍSCAROS COM TRIGO:

Principais ingredientes deste prato sazonal:
- Cebola,
- Míscaros q.b.(cogumelos amarelos q.b.)
- Azeite q.b.
- Sal q.b.
- 1 Folha de louro
- Pão de trigo q.b.
- Água q.b.

Preparação:
Num tacho, faça um refogado com cebola picada, folha de louro e azeite. Quando o refogado estiver alourado, junte os míscaros (previamente bem lavados), deixando refogar até cozer. Junte uma pitada de sal, mexa muito bem e acrescente um pouco de água se necessário. Após os míscaros estarem bem apurados, junte o pão a gosto. Quando o pão estiver bem embebido juntamente com o guisado dos míscaros, está pronto a servir.

BOM APETITE!

domingo, 21 de novembro de 2010

A Azeitona já está preta...e os Tordos já andam nela

A azeitona já está a ficar madura

e a horta só espera a geada e o azeite novo

O alguidar colectivo, que serviu para toda a família comer já se não usa,

mas a panela de ferro e a almotolia do azeite, ainda estão presentes.

O azeite não era usado somente como alimento, mas também para iluminar. As candeias, lamparinas, candeeiros, para iluminar os lares de muitos povos, eram abastecidos com azeite.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

A oliveira, a azeitona e o azeite

«Verde foi meu nascimento
E de luto me vesti
Para dar luz ao mundo
Mil tormentos padeci»
Aqui está ela verde com a promessa de contribuir para um bom azeite dourado

Porque continuamos a defender que para compreender o presente é preciso primeiro conhecer o passado, transcrevo um trecho dum livro que li, que podia muito bem ser o testemunho de um qualquer forninhense:

«(...) Depois tínhamos direito às batatas, mas com pouco azeite. Às vezes punha-se a panela das batatas em cima da mesa. No meio da mesma encontrava-se um prato onde o azeite flutuava no cimo da água. Tínhamos o direito de pegar nas rodelas das batatas e de as molhar no azeite mas só de um lado, para poupar o azeite.»

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Destilação do Bagaço em Alambique Tradicional

Este ano mostramos aqui a faina das vindimas em todo o seu esplendor e para dar continuidade a este tema, depois das uvas apanhadas e pisadas, depois do período de fermentação, depois do vinho retirado dos lagares para os pipos, hoje, para as vasilhas de inox, fica o canganho que vai servir para fazer a aguardente bagaceira. Esta tarefa está cada vez mais em declínio e cada vez se faz menos, mas ainda vai fazendo parte do quotidiano da nossa aldeia.


Vamos então espreitar o alambique da família Guerrilha, que sempre foi muito requisitado porque, de facto, eram poucas as pessoas que tinham o seu próprio alambique, e que é um dos poucos que ainda se mantém em funcionamento:






Que belo momento este em que as tarefas são vividas com sentido comunitário



Os participantes estão de parabéns e o blog dos forninhenses agradece à família Lopes pela recolha das fotos que agora ilustram esta postagem.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Dia de São Martinho: 11 Novembro

S. Martinho, foi um santo que dividiu o seu manto (agasalho) com um mendigo que estava ao frio. Daí que por este tempo de Outono, costuma haver dias de sol intenso, o Verão de S. Martinho, que é ideal para apanhar as castanhas e fazer os magustos no campo, com os amigos e como o vinho na pipa está já limpo, prova-se nesta altura o vinho novo.


Diz-se em Forninhos "No dia de S. Martinho vai-se a adega e fura-se o pipinho"

Outra sugestão deliciosa é a mistura do sabor das castanhas quentinhas com doce de abóbora:

Experimentem com as castanhas!

Porque penso ser benéfico dar a conhecer os nossos produtos regionais, doçaria tradicional e regional, o melhor sabor das compotas caseiras, contribuam com outras sugestões para esta festa de convívio familiar, escolar e comunitário.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O 1.º Ano já passou: Foi a 9 de Novembro

NOVEMBRO
2009-2010


Atingimos as 119 Publicações
Quase 15 mil páginas visualizadas

Para saudarmos o dia do 1.º ANIVERSÁRIO do nosso aparecimento, nada melhor do que esta imagem, que retrata o quotidiano forninhense no Século passado:

Foi com a frase abaixo transcrita que nos apresentamos, vide (1.º Post): http://onovoblogdosforninhenses.blogspot.com/2009/11/procissao-ano-1976-ago-15.html
Há quem diga que para compreender o presente é preciso primeiro conhecer o passado.
Já passou um ano sobre a primeira publicação e pensamos ter seguido o caminho a que nos propusemos, ou seja, dar a conhecer melhor, através deste cantinho virtual, as nossas raízes, a nossa cultura, as nossas referências. Para além da publicação de fotos antigas, que fizeram memória em diferentes áreas, das festas religiosas que levamos a quem não esteve presente, foi também dado destaque a várias tradições já em extinção, embora possam buscar “search” no arquivo, deixo-vos para melhor apreciação uma pequena retrospectiva do que foi este último ano de actividade feita sempre com muita dedicação e alguma imaginação:

- A Nossa Serra, destaque para o Património Arqueológico, Religioso, Paisagístico, Turístico, Mitos e Lendas;
- Património Arquitectónico, com destaque para a Arquitectura Rural que caracterizam as casas rurais de Forninhos, quer habitacionais, quer não habitacionais e Ruas emblemáticas;
- Sabedoria Popular, Modismos e modos de dizer;
- Alfaias Agrícolas, Coisas Nossas;
- Artes Antigas;
- Memorial aos ex- Combatentes de Ultramar;
- Tradições de Natal e da Páscoa, Carnaval, costumes Quaresmais, Santos Populares;
- Gastronomia local;
- Flora, Floresta, Tarefas, Colheitas;
- etc. e tal…
E prontos! Só me resta caminhar com todos, como até aqui…e que o segundo ano seja ainda mais profícuo na divulgação da nossa terra e das nossas tradições.

Posto isto, quero agradecer a todos os que tornaram este blog possível, aos que contribuíram com bom-humor, alegria, raiva, cobardia, paciência, e tudo o resto que nos torna humanos. A todas as famílias forninhenses que não se importaram de partilhar o seu albúm de memórias: Bem-Haja por todas as fotografias que ajudaram a encher este espaço de verdadeira história.Obrigada ed santos por ter mantido “esta casa” a funcionar quando não se adivinhava inspiração, obrigada por tudo o que nem é possível citar aqui, sabe bem a importância que teve nisto tudo. E só mais uma coisa à população que vai lendo. É importante que percebam que este espaço deve ser uma conjugação de esforços em torno dos interesses desta pequena aldeia – Forninhos, a juventude que vem aí merece-o, por isso, O BLOG continua a ser Vosso, colaborem com artigos, opiniões e sugestões.

O PRIMEIRO ANO JÁ PASSOU E QUE VIVA O SEGUNDO!

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

PROCISSÃO: 15-AGO-1978 ou 1979

As fotografias desta postagem foram tiradas no dia 15 de Agosto de 1978 ou 1979 e foram gentilmente cedidas pela família Carau:



Como podem observar, o andor do Menino Jesus ainda foi transportado, neste ano, ao ombro.

Esta paisagem hoje está diferente, assim como as pessoas que estão retratadas. Reconheci o Arlindo Coelho e o Tónio-Joaquim, mas quem é o rapaz que leva o Guião?

Esperamos que alguém saiba responder.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

PROCISSÃO: 1977-AGO-15 (Continuação)

Esta postagem vai ao encontro da procissão que se publicou em 10.NOV.2009, onde pela 1.ª vez os andores passaram a ser transportados pelos tractores, com excepção de 2 (Santa Marinha e Menino Jesus) e também ainda saíam os meninos da cruzada, que as catequistas alinhavam na procissão.




Andor de Santa Marinha transportado pelos Irmãos da Irmandade de Santa Marinha



Andor do Menino Jesus transportado pelas então meninas da Cruzada (à frente a Guida e a Lurdes) e o Ismael a pegar no cordão do Guião

Bandeira da Acção Católica (Grupo de Raparigas que se dedicavam à Igreja)

Chegada do Andor de Nossa Senhora dos Verdes ao Terreiro

Para quem ainda não tinha observado esta procissão, esperamos que agora faça uma ideia do que mudou. Um coisa é certa: uns cresceram, outros amadureceram, outros partiram, mas este dia de festa continua a juntar muitos filhos da terra.

Esperamos que estas imagens avivem recordações boas…

Fotos: Procissão 15.AGO.1977, cedidas pela D. Augusta (Joana)

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Forninhos: Dia de Todos os Santos

Neste Dia, Dia de Todos os Santos, é um dia para recordar com muita saudade os que partiram, mas que ficaram na nossa memória.

Embeleza-se cada campa com flores da saudade e as luzes do carinho e amor, que merecem todos os que aqui repousam.


Em procissão o povo deslocou-se ao cemitério



Fotos: Cortesia do João Seguro