Seguidores

sexta-feira, 28 de maio de 2010

"Caminhada dos Moínhos" - Dornelas

Como foi anunciada aqui, realizou-se no passado dia 23 de Maio a “Caminhada dos Moínhos”, na aldeia de Dornelas. Este belo e quente dia de Domingo, antevia umas boas fotografias:
Por caminhos rurais iniciou-se o percurso
Pelo caminho, os caminhantes puderam desfrutar do cheiro dos rosmaninhos
rumo ao moinho numa zona particularmente bonita e bastante agradável
adiante... a organização (JF de Dornelas) tinha preparada uma mesa…e claro as pessoas não se fizeram de rogadas. Esta paragem permitiu repôr a energia 
num momento de descanso e conforto do estômago
Uma maravilha de paisagem que refresca o espírito, tal a verde frescura que serena o pré-cansaço dos caminhantes


Continuação de Boas Caminhadas :))

terça-feira, 25 de maio de 2010

Festa do Divino Espírito Santo

Teve ontem lugar a tradicional festa do Divino Espírito Santo, que se celebra sempre na sétima Segunda-Feira a contar da Páscoa no Santuário da Nossa Senhora dos Verdes, por ali ter sucedido um "Milagre" na Era de 1720, aquando de uma praga de gafanhotos. O nosso Quadro do Milagre, representa essa calamidade, de uma comunidade que vê as searas todas ser destruídas pelos bichos e que só o apelo solidário dos moradores circunvizinhos à Senhora dos Verdes consegue travar. Desde essa época até hoje, na Segunda-Feira do Espírito Santo, vêm ali, em romaria religiosa, as Irmandades de algumas Paróquias circunvizinhas:



A realização de Procissões e os Votos (resultado de uma promessa cumprida em troca de uma graça alcançada), faz parte do nosso património cultural, legado que recebemos do passado, vivemos no presente e transmitimos às futuras gerações.


Como é habitual, também este ano a missa foi celebrada no Terreiro da Nossa Senhora dos Verdes.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Arquitectura Modesta

Em Forninhos, tal como em outras aldeias da Beira Alta, o granito era preponderante na construção das habitações, tanto na feitoria das paredes, umas em porpianho (pedra aparelhada em todos os seus lados) como em juntouros (pedra aparelhada em um ou dois lados).


Também as escadas e patim ou balcão, como lhe chamavam, e seus resguardos, eram em pedra maciça. Estas pedras eram cortadas em pedreiras com pólvora em buracos feitos com um ferro chamado pistôlo, à força da marreta e depois destrinçados com carreiros de guilhos.

O transporte para as povoações era feito em carros ou zôrras (tronco em forma de forquilha) onde se colocavam as pedras maiores e era arrastado pela força dos bois e içadas com um engenho como o que se vê na imagem acima.

Contributo de Eduardo Santos (fotos e texto)

Chamo a atenção para a ilustração deste artigo que destaca o nosso património arquitectónico de cariz mais rural, popular, modesto, mas em especial, também para o vocabulário utilizado, pois as palavras usadas constam do Grande Dicionário da Língua Portuguesa. É isto o que nos distingue dos meios urbanos e de outras regiões do país! São as nossas verdadeiras ancestrais raízes e há que valorizar este património.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Exposição de Ferramentas de Carpintaria

Hoje trago-vos uma pequena exposição de ferramentas de carpintaria utilizadas na "oficina" de carpintaria do meu tio António Carau no século passado, incluindo, serras, plainas, o metro, a antiga banca de carpinteiro, moldes, etc., onde se construíram muitos carros de bois, ferramentas agrícolas de madeira, vasilhame, soalhos, portas, janelas, caixilhos e até móveis da época.







Que esta “exposição virtual” sirva para que os mais novos tenham uma vivência como isto era antigamente (comparando com as modernas maquinarias) e quem sabe desperte consciência de quem de direito para que num futuro bem próximo possamos ter em Forninhos um espaço físico que possa preservar este e outro espólio que nos deixaram e que nos permita divulgar esta e outras artes tradicionais.

domingo, 2 de maio de 2010

Às Mães

Hoje a Catequese da nossa Paróquia está de Parabéns pela forma especialmente bonita como comemorou o Dia da Mãe. As fotos que se seguem comprovam-no:


" Com três letrinhas apenas
Se escreve a palavra Mãe,
É das palavras pequenas
A maior que o mundo tem."

Que cada Mãe sinta estas flores como suas e que a palavra MÃE, seja sempre uma das mais bonitas, como bonito é o AMOR DE MÃE.

sábado, 1 de maio de 2010

Tradições do 1.º dia do mês de Maio

O porquê de castanhas neste Post do 1.º dia do mês de Maio?
Aqui tudo tem uma razão de ser. E hoje vamos lembrar uma tradição que se cumpria n´outros tempos no 1.º dia do mês de Maio. Ou seja, neste dia era costume perguntar-se aos miúdos: Já comeste a castanha hoje? Se não o burro engana-te!
Os tempos hoje são outros e é normal a venda de castanhas durante todo o ano, mas antigamente só se comiam castanhas frescas no Inverno ou então pilavam-se. Portanto, não era normal haver castanhas frescas em Maio, mas havia sempre quem as guardásse de propósito para esta altura. Lembro-me com saudade da minha avó "Coelha" que, neste dia, ofereceria-me a castanha e eu, claro, rilhava-a com gosto e assim já podia ouvir o burro ou passar por ele, pois ficava "vacinada" para todo o ano.

Um Bom mês de Maio a todos!